quinta-feira, 27 de outubro de 2022

JOGOS PERDIDOS NA HISTÓRIA: Desportiva Bandeirante x Seleção Olímpica da Tchecoslováquia - 1979


A Seleção da Tchecoslováquia existiu até 1993, quando se deu a separação desse país em duas repúblicas: a República Tcheca e a Eslováquia. A Tchecoslováquia teve seus grandes momentos nas Copas do Mundo de 1934 e 1962, quando foi vice-campeã, e na Eurocopa de 1976 e na Olimpíada de 1980, quando foi campeã.
Visando se preparar para a Olimpíada de Moscou (1980), dando aos seus jogadores maior experiência, e também para fugir das baixas temperaturas naquela época do ano na Europa, a seleção olímpica da Tchecoslováquia realizou uma excursão ao Brasil nos meses de janeiro e fevereiro de 1979.
No primeiro jogo, contra o Internacional, em Porto Alegre, no dia 29 de janeiro, os tchecos sentiram bastante a mudança climática, não conseguindo render nem metade da capacidade da equipe, sendo goleados por 4 x 0.
Recuperaram-se plenamente ao vencerem seus três compromissos seguintes: no dia 31 de janeiro, em Florianópolis (SC), venceram o Figueirense por 2 x 0; em Maringá (PR), no dia 2 de fevereiro, vitória sobre o Grêmio Maringá por 2 x 1 e, no dia 4 de fevereiro derrotou o Bahia em Salvador, por 1 x 0.
Nos dias 7 e 9 de fevereiro, a Seleção da Tchecoslováquia participou de um quadrangular em Recife, que reuniu ainda o Botafogo, da Paraíba, e os locais Náutico e Santa Cruz. No dia 7 de fevereiro, foi novamente goleado por 4 x 0 pelo Santa Cruz e, no dia 9, empatou com o Náutico em 1 x 1.

Despediu-se do Brasil realizando seu último amistoso em Brasília (DF), no estádio Pelezão, em 11 de fevereiro de 1979, contra a Desportiva Bandeirante, um dos mais novos clubes do DF (fundado em 5 de maio de 1977).
A seleção tcheca começou mais disposta, mais organizada, com suas peças cumprindo rigorosamente seus papéis, enquanto a Desportiva jogava estudando o adversário e até armando uma razoável retranca, que não deu resultado porque seus zagueiros estavam falhando muito e os tchecos conseguindo confundir muito a marcação pela grande movimentação e troca de posições.
Em uma escapada de Sreiner pela ponta esquerda, após receber passe de Macela, deslocado para a lateral, o ponteiro tcheco seguiu para a área com a bola dominada e sem que ninguém lhe desse combate, arriscou um chute de vinte metros do gol, tendo a bola entrado na gaveta esquerda de Wilson. Esse gol surgiu aos 25 minutos.
Aos 32 minutos, China sofreu uma falta nas proximidades da área. Ele mesmo cobrou encobrindo a barreira, com o goleiro ficando parado fazendo golpe de vista.
Sete minutos depois, Pelc fez 2 x 1 para os tchecos em cobrança de falta, com a bola passando por debaixo do corpo de Wilson.
No segundo tempo, o jogo caiu muito de nível técnico e as ações andaram bastante equilibradas.
O gol de empate da Desportiva Bandeirante surgiu aos 19 minutos do segundo tempo, após uma jogada muito bem trabalhada por Messias, pela ponta direita, tendo ele feito o cruzamento para a área e o goleiro Seman saído muito mal para tirar a bola de soco e se chocando com um de seus zagueiros, do que se aproveitou Cláudio para apanhar a bola livre e marcar seu primeiro gol no novo clube.
José Mário Vinhas foi um bom árbitro, auxiliado por Ranulfo Soares e Francisco Lopes. A renda não chegou a 40 mil cruzeiros.
Na cobrança de penalidades máximas, em disputa do troféu “Folha do Esporte”, os tchecos venceram por 6 x 5.
A Desportiva Bandeirante jogou com Wilson (Carlão), Araújo (Góes), Maurício (Zezé), Gilberto e Wilsinho; Paulinho, Esquerdinha e China (Moreira); Messias, Cláudio e Aloísio. Técnico: Alaor Capella dos Santos.
Tchecoslováquia: Caloun (Stanislav Seman), Frantisek Kunzo, Rotislav Vaclaviceck, Ludek Macela e Kobek; Stanislav Pelc (Libor Radimec), Jan Berger (Dusek) e Ladislav Vizek; Werner Licka (Oldrich Rott) (Bryza), Novak e Zdenek Sreiner. Técnico: Frantisek Havranek.

ESFORÇO COMPENSADO
Muitos desses jogadores, um ano depois, conquistaram a medalha de ouro no futebol da Olimpíada de Moscou, na Rússia.