domingo, 2 de fevereiro de 2014

O QUE ACONTECEU HÁ 50 ANOS: 01 a 28.02.1964


02.02.1964

No segundo jogo contra o Nacional, ocorrido em 2 de fevereiro de 1964, no Estádio Aristóteles Góes, o Rabello voltou a vencer, desta vez por 2 x 0.
O jogo teve início equilibrado, mas depois da marcação do primeiro gol do Rabello, este passou a dominar as ações.
Aos 20 minutos, Ceninho marcou de cabeça, após cobrança de escanteio. Ao faltarem dois minutos para o término do primeiro tempo, Sabarazinho marcou o segundo gol, definindo o placar.
Sob a arbitragem de Emílio dos Santos Vieira, as equipes atuaram com essas constituições: RABELLO - Gaguinho, Luziné, Edilson Braga, Betão e Délio; Calado e Nilo (Beto Pretti); Ramiro, Djalma, Ceninho e Sabarazinho (Raimundinho) (Paulinho). NACIONAL - Chico, Toninho, Amazonas, Logodô e Ferreira; João e Toinho; Barbosinha (Paulo Reis), Zezito, Invasão e Naélcio (Hugo).
A renda foi de Cr$ 110.000,00.

Um público bastante numeroso compareceu ao campo do Vila Matias, em Taguatinga, para prestigiar o amistoso entre Vila Matias e Pederneiras.
O time local lutou muito, procurando evitar a derrota, porém, o Pederneiras exibiu-se com mais objetividade, conseguindo o triunfo por 3 x 2.
O árbitro foi Armando Silva e o time vencedor alinhou com Valter, Lauro, Macedo, Paredão e Aristides; Dezoito e Zé Piauí; Baixinho, Galeno, Wilsinho e Cláudio.
Marcaram os gols do Pederneiras Baixinho (2) e Galeno, enquanto que José e Euclides assinalaram os tentos do Vila Matias.

16.02.1964

Prosseguindo na sua campanha de promover espetáculos esportivos na Capital Federal, no dia 16 de fevereiro de 1964 o Rabello enfrentou o Goiânia.
Demonstrando acentuados progressos em relação aos seus últimos encontros, o Rabello alcançou uma vitória espetacular, aplicando uma goleada de 5 x 0 no alvinegro goiano.
Marcaram os gols Ramiro, aos 27 e Ely, aos 29, no 1º tempo. No 2º tempo, o Rabello marcou mais três gols, com um de Calado, aos cinco, e mais dois de Ramiro (aos 8 e aos 11).
Com esta vitória, o Rabello continuava invicto em sua nova fase do profissionalismo.
O Rabello jogou com Gaguinho, Luziné, Edilson Braga, Farneze e Délio; Calado (Beto Pretti) e Nilo; Ramiro, Ely (Solon), Djalma e Zé Maria. O Goiânia atuou com Uberaba, Fausto, Manduca, Dunga e Bi; Machado (Biguá) e Olacyr; Preto (Carlinhos), Lailson, Zé Carlos e Martins (Marco Antônio).
O árbitro do jogo foi Urias Crescente Alves Junior, da Federação Goiana de Futebol, e a renda alcançou os Cr$ 180.000,00.

Bicho
Procurando seguir as normas do regime profissional, os dirigentes do Rabello pagaram um prêmio aos seus jogadores pelo triunfo diante do Goiânia. Cada jogador alvinegro recebeu a importância de dois mil cruzeiros.

18.02.1964

Depois de longa inatividade, o Defelê reiniciou, no campo do IAPB, os seus treinamentos já com vistas ao regime profissional.
O ponteiro Arnaldo, que pertencia ao Rabello, treinou pela primeira vez entre seus novos companheiros, marcando um dos gols da vitória dos titulares sobre os reservas, por 4 x 2.

19.02.1964

Carlos Frederico Morrisson foi eleito presidente do Real.

O Guará solicitou licença, se afastando de todas as disputas oficiais em 1964, reservando o corrente ano para equilíbrio financeiro do clube, voltando às atividades em 1965, inclusive prometendo entregar o Estádio Israel Pinheiro totalmente reformado.

23.02.1964

Mesmo tendo contra o estado lamacento do Estádio Paulo Linhares, Rabello e Atlético Goianiense proporcionaram um bom espetáculo no dia 23 de fevereiro de 1964.
Sabará, aos 8 minutos do 1º tempo, e Amaral, aos 27 do mesmo período, marcaram os gols que resultaram na vitória do rubro-negro goiano por 2 x 0.
Sob a arbitragem de Waldomiro Maria de Jesus, da Federação Goiana de Futebol, as equipes atuaram assim:
RABELLO - Gaguinho, Luziné, Edilson Braga, Betão e Farneze; Calado (Beto Pretti) (Wilson) e Nilo; Ramiro, Ely, Djalma e Zé Maria.
ATLÉTICO GOIANIENSE - Manoelzinho, Laércio, Tinda, Alemão e Carlos Alberto; Djalma e Fabinho; Sabará, Jair, Roberto (Sinval) e Amaral.
A renda foi de Cr$ 105.000,00.

Em um campo (Aristóteles Góes) bastante castigado pelas chuvas, o jogo Nacional x 1º de Maio foi realizado sob as vistas de um bom público.
No 1º tempo o placar não foi mexido: 0 x 0. No 2º, Cascorel marcou os dois gols do 1º de Maio e Barbosinha o do Nacional. As equipes formaram assim:
Nacional: Chico, Alberto, Cauby, Logodô e Amazonas; João e Ferreira; Paulo Reis (Barbosinha), Genival, Zezito e Gadinho.
1º de Maio: Chicão, Geraldinho, Aderbal, Morales e Alfredo; Bolinha e Azulinho (Ceará); Raimundinho, Zeca, Cascorel e Manoel (Goiano).
O árbitro foi Sinval.

25.02.1964

Aconteceu a Assembleia Geral que aprovou a reforma nos estatutos da Federação. As categorias passaram a ser: Divisão de Futebol Profissional, Primeira Divisão de Futebol Amador, Segunda Divisão de Futebol Amador, Departamento Autônomo e Divisão de Juvenis.
A Comissão foi formada por Wilson Antônio de Andrade, Theodorico Barbosa Fernandes, Pércio Gomes de Mello, Otto Rocha e Aliatar Pinto de Andrade.

Capítulo XVIII, das Categorias de Futebol

Art. 190 – A filiada que triunfar no campeonato da Divisão de Futebol Profissional será considerada Campeã de Futebol do Distrito Federal.

Art. 191 – A filiada que triunfar no campeonato da 1ª Divisão de Futebol Amador será considerada Campeã de Futebol Amador do Distrito Federal.

Além disso, foram tomadas outras decisões, a saber:
1. Aceitar, a título precário, as filiações solicitadas pelos seguintes clubes: Formosa E. C., 1º de Maio E. C., Pederneiras E. C. e Dínamo de Futebol e Regatas.
2. Aprovar a subida do Vila Matias para a 1ª Divisão de Amadores.



Nenhum comentário:

Postar um comentário