Total de visualizações de página

sexta-feira, 29 de março de 2013

O GAMA NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1980 – 2ª parte



CORITIBA 2 x 1 GAMA
Data: 16 de março de 1980
Local: Couto Pereira, Curitiba (PR)
Árbitro: José Luís Barreto (RS)
Renda: Cr$ 562.110,00
Público: 8.606 pagantes
Gols: Fantato, 34; Escurinho, 52 e Santos, 77
CORITIBA: Moreira, Wilson (Gilson Paulino), Duílio, Gardel e Dionísio; Almir, Freitas e Vilson Tadei; Luis Freire (Santos), Escurinho e Aladim. Técnico: Mário Juliato.
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Hani e Odair; Santana (Luís Carlos), Roberto Chaves e Manoel Ferreira; Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.

GRÊMIO 5 x 1 GAMA
Data: 19 de março de 1980
Local: Olímpico, Porto Alegre (RS)
Árbitro: Dalmo Bozzano (SC)
Renda: Cr$ 996.535,00
Público: 13.269 pagantes
Gols: Baltasar, 12; Ancheta, 34; Tarciso, 59 e 65; Baltasar, 87 e Santana, 89
GRÊMIO: Remi, Eurico, Ancheta, Vantuir e Dirceu; Vítor Hugo, Paulo Isidoro e Iúra; Tarciso (Jurandir), Baltasar e Jesum. Técnico: Oberdan.
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Hani (Paulo Frederico) e Odair; Santana, Roberto Chaves e Manoel Ferreira (Luís Carlos); Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.

GAMA 2 x 2 SÃO PAULO
Data: 23 de março de 1980
Local: Bezerrão, Gama (DF)
Árbitro: Carlos Costa (RJ)
Renda: Cr$ 672.150,00
Gols: Serginho, 7; Fantato, 54; Robertinho, 62 e Ailton Lira, 77
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Roberto Chaves e Odair; Santana, Luís Carlos e Manoel Ferreira; Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.
SÃO PAULO: Valdir Peres, Nei, Marião, Gassem e Airton; Teodoro (Dario Pereyra), Renato e Ailton Lira; Edu (Assis), Serginho e Zé Sergio. Técnico: Carlos Alberto Silva.

VASCO DA GAMA 5 x 1 GAMA
Data: 30 de março de 1980
Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Dulcídio Wanderley Boschilia (SP)
Renda: Cr$ 932.410,00
Público: 10.641 pagantes
Gols: Wilsinho, 3; Roldão, 25; Wilsinho, 27; João Luís, 52 e Dudu, 68 e 81
Expulsão: Roberto Chaves
VASCO DA GAMA: Leão (Mazaropi), Paulinho Pereira, Orlando (Juan), Ivã e Paulo César; Zé Mário, Paulo Roberto e Dudu; Wilsinho, Jorge Mendonça e João Luís. Técnico: Orlando Fantoni.
GAMA: Hélio, Carlão, Décio (Hani), Paulo Frederico e Odair; Manoel Ferreira, Roberto Chaves e Luís Carlos; Roldão, Fantato e Robertinho (Jairo). Técnico: Davi dos Santos.

Com isso, o Gama ficou na oitava colocação (à frente apenas de Nacional e Maranhão) e não conseguiu classificar-se para a Segunda Fase.
A campanha do Gama foi a seguinte:

J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
% Aprov.
9
1
4
4
9
18
-9
6
33,3%

Na classificação geral, o Gama ficou com a 37ª posição, à frente de CRB-AL, Mixto-MT, Portuguesa de Desportos-SP, São Paulo-RS, Nacional-AM, Flamengo-PI e Maranhão-MA.

Foram utilizados os seguintes jogadores:

Goleiros: Hélio e João Batista
Zagueiros: Carlão, Décio, Hani, Paulo Frederico, Manuel Silva e Odair;
Meio-de-campo: Santana, Roberto, Roberto Chaves, Luís Carlos, Manoel Ferreira, Lino, Vicente, Zu e Boni;
Atacantes: Roldão, Fantato, Robertinho e Jairo.

Fantato foi o artilheiro da equipe, tendo marcado seis dos nove gols do Gama. Os demais marcadores foram Santana, Robertinho e Roldão, com um gol cada.
O técnico em todos os noves jogos foi Davi dos Santos.

quarta-feira, 27 de março de 2013

O GAMA NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1980 – 1ª parte



Apenas 29 dos 80 clubes que disputaram a Primeira Fase do Campeonato Brasileiro de 1979 foram convidados a fazer parte da edição de 1980.
Os principais clubes perceberam o peso da sua importância dentro do panorama futebolístico e exigiram campeonatos mais racionais.
A solução encontrada para acomodar as equipes excluídas da Primeira Divisão foi a criação da Taça de Prata, uma camuflada Segunda Divisão, que classificaria as quatro equipes melhor colocadas para disputar a segunda fase do campeonato principal.
A Primeira Fase contou com a participação de 40 clubes, distribuídos em quatro grupos de dez times cada.
Somente a Ponte Preta e o Flamengo, do Piauí, foram as novidades em termos de clubes com relação ao ano anterior.
As sete equipes primeiras colocadas em cada grupo passaram para a fase seguinte.
O Gama integrou o Grupo D, juntamente com América (RJ), Atlético Goianiense (GO), Coritiba (PR), Grêmio (RS), Maranhão (MA), Nacional (AM), Santa Cruz (PE), São Paulo (SP) e Vasco da Gama (RJ).
Os jogos disputados pelo Gama foram os seguintes:

GAMA 2 x 0 MARANHÃO
Data: 24 de fevereiro de 1980
Local: Bezerrão, Gama (DF)
Árbitro: Odílio Mendonça da Silva (AM)
Renda: Cr$ 358.000,00
Gols: Fantato, 9 e 52
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Hani e Manuel Silva; Santana, Boni e Lino (Zu); Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.
MARANHÃO: Veludo, Mendes, Tataco, Jorge Santos e Antonio Carlos; João Alberto (Ramos), Naldo (Morais) e Juarez; Djairo, Tica e Alcino. Técnico: José dos Santos.

GAMA 0 x 2 NACIONAL-AM
Data: 27 de fevereiro de 1980
Local: Bezerrão (DF)
Árbitro: Ângelo Ferrari (MG)
Renda: Cr$ 219.270,00
Gols: Letiéri, 23 e Armando, 87
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Hani e Manuel Silva (Odair); Santana, Boni e Zu (Vicente); Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.
NACIONAL: Beto, Foguinho, Jouber, Paulo Costa e Ademir, Dão, Armando e Nilson; Bendelack, Letiéri e Reis. Técnico: Ernesto Guedes.

SANTA CRUZ 1 x 1 GAMA
Data: 2 de março de 1980
Local: Arrudão, Recife (PE)
Árbitro: José Leandro Serpa (CE)
Renda: Cr$ 1.128.000,00
Público: 21.616 pagantes
Gols: Fantato, 50 e Baiano, 62
SANTA CRUZ: Wendell, Everaldo, Tecão, Paulo Marcos e Pedrinho; Deinha (Valderez), Carlos Roberto (Betinho) e Baiano; Amilton Rocha, Paulo César e Joãozinho. Técnico: Cláudio Duarte.
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Hani e Odair; Roberto, Manoel Ferreira (Boni) e Santana; Roldão (Vicente), Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.

AMÉRICA-RJ 0 x 0 GAMA
Data: 6 de março de 1980
Local: Marechal Hermes, Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Dulcídio Wanderley Boschilia (SP)
Renda: Cr$ 129.370,00
Público: 1.617 pagantes
AMÉRICA: Ernâni, Uchoa, Marinho Peres, Heraldo e Álvaro; Nedo, Carlinhos e Nelson Borges; Serginho (Celso), Alcides (Luís Ferreira) e Porto Real. Técnico: Paulo Emílio.
GAMA: Hélio, Carlão, Décio, Hani (Luís Carlos) e Odair; Santana, Roberto Chaves e Manuel Ferreira, Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos.

GAMA 1 x 1 ATLÉTICO GOIANIENSE
Data: 9 de março de 1980
Local: Bezerrão, Gama (DF)
Árbitro: Abel Santos (MG)
Renda: Cr$ 426.150,00
Gols:· Fantato, 58 e Alexandre Bueno, 65
GAMA: João Batista, Carlão, Décio, Santana e Odair; Roberto Chaves, Luís Carlos (Boni) e Manoel Ferreira; Roldão, Fantato e Robertinho. Técnico: Davi dos Santos
ATLÉTICO GOIANIENSE: Itamar, Chiquito, Modesto, Queirós e Galli; Ce1so, Alexandre Bueno e Valtair; Luís Poiani (Alcino), Gilberto e Genau (Bugre). Técnico: José Calazans.


segunda-feira, 25 de março de 2013

1ª RODADA DO 2º TURNO DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2013

 
LUZIÂNIA 0 x 1 BOTAFOGO
Data: 23 de março de 2013
Local: Bezerrão, Gama (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Público: 69 pagantes
Renda: R$ 690,00
Gol: Quarentinha, 88
LUZIÂNIA: Sucuri, Glauber, Perivaldo, Galego e Tiago Piai; Lucas (Junior), Bruno, David e Rodrigo Alves; Samuel (Têti) e Matias. Técnico: Marquinhos Bahia.
BOTAFOGO: Roberto, Bruno, Rodrigo Mello, Heitor e Guel; Van, Quarentinha, Mateus (Júlio Brasília) e Juninho; Pezão (Betinho) e Boré (Alvim). Técnico: Wilson Moreira.

CEILÂNDIA 3 x 3 CAPITAL
Data: 23 de março de 2013
Local: Abadião, Ceilândia (DF)
Árbitro: Wales Martins
Público: 277 pagantes
Renda: R$ 1.055,00
Expulsão: Tartá (Capital)
Gols: Dimba, 4; Willian, 26; Rafael Toledo, 44 e 49; Rodriguinho, 53 e Jefinho, 80.
CEILÂNDIA: Edinho, Jefferson, Magno (Cássius), Renato Coimbra e Marcelo Costa; Badhuga, Dimba, Didão e William Saroá (Rosembrick); Alisson (Gustavo) e Rodriguinho. Técnico: Adelson de Almeida.
CAPITAL: Fernando, Clein (Renato), Zumba, Márcio Costa e Rafinha; Tartá, Rafael Toledo, Rochinha e Formiga; Léo Borges (Fernando Veiga) e Igor (Jefinho). Técnico: Cleber Guedes.

BRASÍLIA 5 x 0 BRAZLÂNDIA
Data: 23 de março de 2013
Local: Boca do Jacaré, Taguatinga (DF)
Árbitro: Sávio Sampaio
Público: 212 pagantes
Renda: R$ 700,00
Expulsão: Villar
Gols: Paulinho, 14; Giba, 24; Paulinho, 27; Giba, 72 e Valdeir, 85.
BRASÍLIA: Marcão, Bruno Paraíba, Felipe, Danilo e Breno; Pedro Ayub, Fábio, Marciel (Daniel) e Vitinha (Valdeir); Giba e Paulinho (Matosinho). Técnico: Gauchinho.
BRAZLÂNDIA: Márcio Fernandes, Santiago, Villar, Vavá e Tita (Yago); Bruno Lima (Pão de Queijo), Bigu, Kiki e William Magrão; Johnes (Mariozan) e Matheus. Técnico: Marcos Soares.

SOBRADINHO 2 x 1 UNAÍ
Data: 23 de março de 2013
Local: Augustinho Lima, Sobradinho (DF)
Árbitro: Nivaldo Nunes
Público: 1.246 pagantes
Renda: R$ 2.230,00
Expulsão: Rochinha (Unaí)
Gols: Renatinho, 22; Fabão, 27 e Laécio, 68
SOBRADINHO: Donizeti, Patrick, Fabão, Cauê e Zé Carlos (Edicarlos); Ramon (Vandinho), Túlio, Hildo e Mário Lúcio (Filipe); Laécio e Fagner. Técnico: João Carlos Cavalo.
BRAZLÂNDIA: Tiago Rocha, Filhão (Luan), Sandro Brasília, Gilvan e Rochinha; Pedrinho, Alemão Paulista, Anderson (Alemão) e Renatinho; Romarinho e Douglas (Careca). Técnico: Clayton Mineiro.

ATLÉTICO CEILANDENSE 2 x 2 GAMA
Data: 24 de março de 2013
Local: Bezerrão, Gama (DF)
Árbitro: Welison Dias
Público: 1.175 pagantes
Renda: R$ 12.450,00
Gols: Evair, 30; Aloísio Chulapa, 35; Amauri, 41 e Allann Delon, 88
ATLÉTICO CEILANDENSE: Edson, Maxwell, Wallace, Evair e Messias; Yan, Esquerdinha, Ewerton e Igor Souza (Piva); Ismaile e Amauri (Luan). Técnico: Luciano Reis.
GAMA: Max, Fágner (Moisés), Nen, Alex Barcellos e Victor; Juninho Goiano, Sávio (Guilherme), Diego Góes e Allann Delon; Gilmar Herê e Aloísio Chulapa. Técnico: Reinaldo Gueldini.

LEGIÃO 0 x 2 BRASILIENSE
Data: 24 de março de 2013
Local: Augustinho Lima, Sobradinho (DF)
Árbitro: Alan Simei
Público: 309 pagantes
Renda: R$ 2.820,00
Gols: Baiano, 65 e Peninha, 87
BRASILIENSE: Welder, Bocão (Peninha), Rafael Tavares, Luan e Thiago Crispin; Júlio Bastos, Baiano, Luís Augusto (Abraão Lincoln) e Elivelto; Washington e Rodrigo Tiuí (Everton). Técnico: Márcio Fernandes.
LEGIÃO: Amauri, Bruninho, Rafael, Mauro e Thiago Souza (Thiago Amaral); PH, Bocão, Glaubert e Emerson (PC); Julen e Juninho (Rodrigo Melo). Técnico: Rol Faúla.
 

sábado, 23 de março de 2013

FORMAÇÕES BÁSICAS DAS EQUIPES QUE DISPUTARAM O CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1965 - Amadores

 
PEDERNEIRAS
Goleiro: Chico; Defensores: Tarcizio, Eufrásio, Logodô, Maracanã, Firmo e Seu Chico; Atacantes: Zeca, Cotia, Saudio, Eraldo, Doca, Zezito e Chichico.

GUANABARA
Goleiro: Raspinha; Defensores: Toninho, Zé Luís, Paulinho, Cauby, Neir, Serginho, Agassis e Carneiro; Atacantes: Paulo Afonso, Walter, Zé Raimundo, Lula, Nelício e Nilson.

GRÊMIO
Goleiro: Weldas; Defensores: Paulinho, Benicassa, Evangelista, Goiano e Chagas; Atacantes: Joãozinho, Walter, Bugue, Isaías, Crispim, Francisco e Edson Galdino.

VILA MATIAS
Goleiro: Pelé; Defensores: Macedo, Carneiro, Adelino, Inaldo e Darlan; Atacantes: Baixinho, Jaime, Magno, Iredes, Belini e Maranhão.

CRUZEIRO DO SUL
Goleiro: Assis; Defensores: Hugo, Luiz, Leôncio, Lory e Arnaldo; Atacantes: Barbosinha, Mosquito, Saulzinho, Walmir e Gilberto.

sexta-feira, 22 de março de 2013

RIVALIDADE DF x GO

Os clubes do Distrito Federal levaram a pior nos amistosos que disputaram no dia 11 de janeiro de 2009 contra equipes de Goiás.
O vexame ficou por conta do Brasiliense: perdeu por 2 x 0 para o Trindade, em Trindade.
Também fora de casa, o Legião não resistiu ao CRAC, em Catalão: perdeu por 2 x 0.
O Brasília não segurou o Santa Helena, em Santa Helena de Goiás, perdendo por 2 x 1. O zagueiro Piu marcou o gol do Brasília.
Quem salvou o domingo foi o Ceilândia, único a atuar em casa: bateu o Anápolis por 3 x 2, no Abadião, de virada, com dois gols do centro-avante Cassius e um do volante Rildo.

No sábado, dia 10, o Dom Pedro venceu por 2 x 0 a Seleção de Vianópolis, com gols dos zagueiros Mello e Rafael.
Também neste dia, no Bezerrão, Gama e Atlético Goianiense empataram em 2 x 2. O destaque ficou por conta do público presente: 6.943 pagantes (renda de R$ 27.658,00).

Na quarta-feira, 14 de janeiro de 2009, novos confrontos entre brasilienses e goianos.
Em Goiânia, no Estádio Antônio Accioly, o Atlético Goianiense fez 2 x 0 no Luziânia.
No estádio Serejão, em Taguatinga, o Brasiliense devolveu a derrota para o Trindade, vencendo, de virada, por 2 x 1.
Já o Anápolis venceu o Brazlândia, em Anápolis, por 1 x 0.

quinta-feira, 21 de março de 2013

FORMAÇÕES BÁSICAS DAS EQUIPES QUE DISPUTARAM O CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1965 - Profissionais


RABELLO
Goleiros: Zé Walter e Nilson; Defensores: Délio, Jair, Gegê, Leocádio, Mello, Candão, J. Pereira, Zé Maria e Pedrinho; Atacantes: Zezé, Beto Pretti, Julinho, Invasão, Ceninho, Zoca, Djalma, Alaor, Tião e Raimundinho.

DEFELÊ
Goleiros: Bell e Zé Maria; Defensores: Zé Paulo, Segóvia, Gaúcho, Alonso Capella, Bosco, Matarazzo, Brasil, Reinaldo e Wilson; Atacantes: Manuelzinho, Pará, Alaor Capella, Elmano, Otávio, Fernandinho, Solon, Ely e Arnaldo.

GUARÁ
Goleiro: Gaguinho; Defensores: Mabinho, Aderbal, Bimba, Ivan, Betão, Carlinhos, Tobias e Lúcio; Atacantes: Oldair, Sanches, Silva, Nilo, Heitor, Sabará, Daniel, Caboclo, Parada, Brandão e Alemão.

COLOMBO
Goleiros: Dico e Chicão; Defensores: Sanchez, Sabará, Nenen, Oliveira, Vonges, Sir Peres, Clemente, Edson, Índio e Paulista; Atacantes: Tião I, João Dutra, Cid, Cascorel, Baiano, Sabino, Fernando Macedo, Rebojo e Zezé.

segunda-feira, 18 de março de 2013

ESTATÍSTICAS DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1975

CLUBES PARTICIPANTES: 8.
JOGOS REALIZADOS: 58.
GOLS ASSINALADOS: 176.
MÉDIA DE GOLS POR JOGO: 3,0.
MELHOR ATAQUE DO CAMPEONATO: Campineira, com 32 gols a favor.
PIOR ATAQUE DO CAMPEONATO: Guadalajara, 9 gols a favor.
MELHOR DEFESA DO CAMPEONATO: Brasília, com 9 gols contra.
PIOR DEFESA DO CAMPEONATO: Guadalajara, 40 gols contra.
MELHOR SALDO DE GOLS: Campineira, CSU e Brasília, 14.
MAIOR NÚMERO DE VITÓRIAS: Campineira, com 11.
MENOR NÚMERO DE VITÓRIAS: Humaitá e Guadalajara, 1.
MENOR NÚMERO DE DERROTAS: Relações Exteriores e Brasília, 2.
MAIOR NÚMERO DE DERROTAS: Guadalajara, com 11.
MELHOR ÍNDICE DE APROVEITAMENTO: Relações Exteriores, com 75,0%.
MAIOR GOLEADA DO CAMPEONATO: 08.12.1975, Campineira 7 x 0 Guadalajara.
JOGO COM MAIOR NÚMERO DE GOLS MARCADOS: 08.11.1977, Ceub 7 x 1 Guadalajara.

ARTILHEIROS:

1º - Lucas (Ceub), 11 gols;
2º - Gisélio (CSU), 9;
3º - Chamas (CSU) e Arnaldo (Relações Exteriores), 7;
4º - Jorge Luiz (Relações Exteriores), 6;
5º - Zé Afonso (Campineira) e Carlos Alberto (CSU), 5;
6º - Valdecir (CSU), Elson (Humaitá) e Redi (Relações Exteriores), 4;
7º - João Luiz (Relações Exteriores), Bazan (Relações Exteriores) e Antônio Francisco (Brasília), 3;
8º - Vino e Geraldino (Campineira) e Wellington (Brasília), 2.

DESTAQUES ESPORTIVOS DE 1975
Realização do Departamento de Educação Física, Esportes e Recreação – DEFER, do GDF

No Futebol de Campo:
Dirigente: Adelino Avelino Gonçalves
Atleta: José Francisco Solano Junior, o Junior Brasília.

ÁRBITROS QUE MAIS ATUARAM:

1º - Racib Elias Ticly e Ranulfo Soares, 5 jogos;
2º - Cacírio Marinho, Edson Rezende e Francisco Portugal, 4;
3º - Adélio Soares Nogueira, Amphilóphio Pereira da Silva, Antônio Barbosa, Arnóbio Passos, Francisco José Lopes e Wesley Tibúrcio, 3;
4º - Cid Marival Fonseca, Dorvalino Giusti, Jonas de Oliveira e Márcio Umberto, 2;
5º - Arlindo Martins da Silva, Arnaldo Passos, Carlos Alberto Santiago, Eduardo Roberto Serva, Oswaldo dos Santos, Reinaldo dos Santos Serva, Roberto Noronha, Samuel Campos, Sebastião Benedito e Walterley Pereira, 1.

ESTÁDIOS UTILIZADOS:

1º - Estádio Pelezão, em Brasília, 57 jogos;
2º - Presidente Médici, em Brasília, 1.

domingo, 17 de março de 2013

2º JOGO DA FINAL DO 1º TURNO DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2013

 

BRASÍLIA 0 x 1 BRASILIENSE
Data: 16 de março de 2013
Local: Boca do Jacaré, Taguatinga (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Público: 2.130 pagantes
Renda: R$ 12.800,00
Expulsão: Fábio Braz (Brasiliense), 79
Gol: Rodrigo Tiuí, 59
BRASÍLIA: Marcão, Bruno Paraíba, Felipe, Danilo Mendes e Breno; Pedro Ayub, Marciel (Miltão), Daniel e Vitinha (Fábio); Luquinhas (Paulinho) e Giba. Técnico: Gauchinho.
BRASILIENSE: Welder, Bocão (Giso), Fábio Braz, Luan e Crispim; Júlio Bastos, Baiano, Luiz Augusto e Iranildo (Elivelto); Washington e Romarinho (Rodrigo Tiuí). Técnico: Márcio Fernandes.

Obs.: Com este resultado, o Brasília sagrou-se campeão do 1º turno e garantiu vaga na decisão do campeonato e na Copa do Brasil de 2014.

sexta-feira, 15 de março de 2013

CLUBES DE BRASÍLIA: A. A. KOSMOS

A Kosmos Engenharia S. A. era uma das maiores empresas brasileiras de incorporação da década de 30. Originou-se de um escritório de advocacia que administrava a coleta de aluguel de inquilinos de imóveis pertencentes a comerciantes portugueses. Em um segundo momento foi fundada a empresa que executava obras de engenharia para estes clientes. O próximo passo foi a realização de loteamentos na periferia urbana do Rio de Janeiro e, em seguida, a construção de conjuntos habitacionais completos.
A filial da Kosmos Engenharia veio do Rio de Janeiro para Brasília em dezembro de 1957 e sua primeira obra foi iniciada no dia 6 de janeiro de 1958.
Eram responsáveis pela empresa os irmãos Cláudio Oscar de Carvalho Sant’ana, Diretor, e Mário Sant’ana, Engenheiro-Chefe.
Quando foi fundada no dia 28 de novembro de 1960, por 48 empresas, a Associação dos Construtores e Empreiteiros de Brasília (Acebra) esta teve como primeiro presidente o engenheiro Cláudio Sant’Anna, da Kosmos Engenharia.
O prédio da Kosmos, no Setor Comercial Sul, se tornou a sede provisória da Acebra.
Dentre as obras que construiu em Brasília destacam-se o Edifício Seguradoras, Colégio Marista, agência do Banco da Lavoura de Minas Gerais, edifício da SOLOMAQ, depósitos e escritórios, além de conjuntos residenciais e casas populares.
Da mesma forma que outras construtoras, a Kosmos também tinha o seu acampamento, constituído de operários vindos das cidades mais próximas, de Goiás e Minas Gerais, e também do Nordeste.
Diante da perspectiva desses operários passarem dias e dias longe de suas famílias, Cláudio Sant’Ana sugeriu a criação de um time de futebol, para disputar amistosos contra equipes das outras construtoras. Logo, foram reunidos engenheiros, arquitetos, técnicos em geral e funcionários da NOVACAP interessados em fazer parte da nova equipe.
Quando a Federação Desportiva de Brasília foi criada em 16 de março de 1959, a Associação Atlética Kosmos não estava entre seus fundadores. Na reunião seguinte, em 1º de abril de 1959, a A. A. Kosmos foi incluída como filiada e fundadora.
Teve uma curtíssima participação no futebol de Brasília. Primeiramente, participou do Torneio Início realizado em 24 de maio de 1959, no campo do Guará, não conseguindo ficar entre os primeiros colocados.
O primeiro campeonato de futebol de Brasília, disputado em 1959, contou com 19 clubes inscritos, os quais foram divididos em duas chaves: Zona Sul e Zona Norte. A A. A. Kosmos compôs a chave da Zona Norte, juntamente com outros nove clubes: Planalto, Nacional, Rabello, Novo Horizonte, Assiban, A.A. Brasília Palace, Pacheco Fernandes Dantas F. C., E. C. Radium e E. C. Brasília.
Com o decorrer dos jogos muitos clubes desistiram de continuar na competição. Foi o caso da A. A. Kosmos, que não chegou a concluir sua participação no campeonato. A chave da Zona Norte terminou com a participação de apenas cinco clubes, com o Planalto em primeiro e Assiban em segundo.
Cláudio Sant’Anna foi o único empreiteiro que morou desde então e até o fim da vida em Brasília.

quinta-feira, 14 de março de 2013

PERSONAGENS & PERSONALIDADES: Ciro Machado do Espírito Santo



Ciro Machado do Espírito Santo no meio
dos jogadores do Defelê, campeão de 1960

Natural de Jaraguá (GO), Ciro Machado do Espírito Santo foi admitido como Engenheiro do Departamento de Força e Luz, DFL, da NOVACAP, em 17 de março de 1959.
Assim que começou a trabalhar, ele já tinha em mente formar um time com a turma da empresa que disputava as peladas diariamente, ainda no ano de 1959. Além de ser um dos fundadores (em 1º de janeiro de 1960) do Defelê e dinâmico presidente, ele era um torcedor apaixonado.
Com ele na presidência, o Defelê venceu os campeonatos de 1960, 1961 e 1962.
Quando, em 18 de dezembro de 1960, o Defelê inaugurou o seu campo, o nome não podia ser outro: Estádio Ciro Machado do Espírito Santo.
Na inauguração, o Defelê venceu o Grêmio, por 5 x 0. A compactação e terraplanagem (Patrol), colocação de cercas, gradis, construção de vestiário e nivelamento topográfico foi feito em cinco dias.
Depois de inaugurados os refletores do estádio, Ciro não pensava duas vezes para subir em um poste e conferir as instalações elétricas do local. Naquele momento, era mais torcedor do que engenheiro, tal a sua felicidade.
Apaixonado pelo Defelê, quando a partida estava difícil Ciro ia para a lateral do campo e fazia gestos como se estivesse defendendo ou atacando.
Quem o conhecia dizia que Ciro jamais ficava na tribuna de honra. Ia ao vestiário e ainda se sentava no banco dos reservas, para incentivar os jogadores. Quando o clube excursionava, geralmente para amistosos em cidades no interior de Goiás e Minas Gerais, Ciro viajava com o time.
Se aparecesse algum jogador bom de bola, Ciro dava um jeito de empregá-lo, para jogar pelo Defelê. Não descansava enquanto não empregava um bom jogador na parte comercial do DFL.
Quando a nova diretoria da CEB (sucessora do DFL) retirou todo o apoio ao time, Ciro deixou o clube.
Chegou a concorrer à Prefeitura de Brasília, perdendo a indicação para Wadjô Gomide (de 31 de março de 1967 a 30 de outubro de 1969).
Ciro era um desportista completo. Quando foi Comodoro do Iate Clube de Brasília, no biênio 1967/1968, prestigiou todos os esportes praticados no clube.
Em 20 de setembro de 1968 foi nomeado para chefiar a Secretaria do Planejamento e Coordenação do Governo do Distrito Federal.
Posteriormente, foi convidado e aceitou o cargo de Secretário de Planejamento de Goiás, tendo morrido pouco depois, aos 43 anos.
Ciro Machado do Espírito Santo viveu até 1974. Era primo em 1º grau de Fernando Henrique Cardoso.

terça-feira, 12 de março de 2013

AS DECISÕES: CAMPEONATO BRASILIENSE DE PROFISSIONAIS DE 1966


LUZIÂNIA 1 x 3 RABELLO
Data:
25 de setembro de 1966
Local: Estádio Francisco das Chagas Rocha (Luziânia).
Árbitro: Rubens Pacheco.
Renda: CR$ 700.000,00.
Gols: Roberto, 23 e 30; Sabará, 34; Beto Pretti, 70.
Obs.: Com o resultado deste jogo, o Rabello sagrou-se campeão por antecipação.
RABELLO: Zé Walter, Aderbal, Mello, Carlão e Didi; João Dutra e Beto Pretti; Zezé, Roberto, Otávio e Arnaldo (Walmir).
LUZIÂNIA: Walmir, Ditinho, Zezão, William e Ciliu; Bolinha e Tôco; Martins (Oscar), Hermes, Sabará e Raimundinho.

domingo, 10 de março de 2013

1º JOGO DA FINAL DO 1º TURNO DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2013


BRASILIENSE 1 x 3 BRASÍLIA
Data: 9 de março de 2013
Local: Boca do Jacaré, Taguatinga (DF)
Árbitro: Wales Martins
Público: 2.156 pagantes
Renda: R$ 8.917,00
Gols: Giba, 9; Daniel, 43; Felipe (contra), 61 e Valdeir, 88.
BRASILIENSE: Welder, Bocão, Fábio Braz, Luan e Jefferson; Júlio Bastos, Baiano, Serginho (Rafael Ipuã) e Elivelto; Hugo (Luís Augusto) e Washington (Abraão Lincoln). Técnico: Márcio Fernandes.
BRASÍLIA: Marcão, Bruno Paraíba, Danilo, Felipe e Breno; Pedro Ayub, Marciel (Miltão), Daniel e Vitinha (Valdeir); Luquinhas (Paulinho) e Giba. Técnico: Gauchinho.

sábado, 9 de março de 2013

O PRIMEIRO CAMPEONATO DA SEGUNDA DIVISÃO NO DF

 
A equipe do Sobradinho Esporte Clube conquistou no dia 15 de janeiro de 1961 o campeonato da Segunda Divisão de 1960, o primeiro promovido pela Federação Desportiva de Brasília para essa categoria.
Em partida bastante disputada contra o time do Real, o Sobradinho levantou o título da Segunda Divisão sem nenhuma derrota.
O jogo, disputado no Estádio Vasco Viana de Andrade, do Grêmio, levou uma torcida regular àquela praça de esportes, que deixou o local satisfeita com o rendimento das duas equipes.
O placar final de 3 x 1 fez justiça ao melhor desempenho do conjunto vencedor.
No primeiro tempo as ações estiveram equilibradas.
O Real abriu a contagem aos cinco minutos de jogo por intermédio de Bugue, cobrando uma falta de 40 jardas. Até aos 35 minutos o marcador de 1 x 0 persistiu, quando o centro-avante Zizi conseguiu o empate, que seria mantido até o final da primeira fase, fazendo justiça ao empenho das duas agremiações.
O Sobradinho voltou melhor orientado para a etapa final, e logo aos cinco minutos conseguiu desempatar, novamente por intermédio de seu centro-avante Zizi.
O conjunto do Real tentou em várias ocasiões a igualdade no marcador, mas foi sempre repelido pela defensiva contrária.
O placar ficou em 2 x 1 até quando faltavam dois minutos para o encerramento do jogo. Coube ainda ao Sobradinho consolidar a vitória e outra vez através de seu avante Zizi.
O árbitro do jogo foi Moacir Siqueira e as equipes formaram assim:
SOBRADINHO: Heitor, Carrasco e Palmério; Carneiro, Dalvo e Irak; Passos, Danton, Zizi, Pirapora e Fabrício.
REAL: Weldas, Baganha e Hugo; Paiva, Valter e Nilson; Joãozinho, Norberto, Ildemar, Bugue e Mário.
A renda não foi fornecida.

NOTA:
O campeonato da Segunda Divisão contou com a participação de seis equipes: Associação Atlética Guanabara, Brasil Central Atlético Clube, Esporte Clube Industrial, Esporte Clube Real de Brasília, Sobradinho Esporte Clube e o Trópicos Atlético Clube.
Foi disputado em turno único e apresentou a seguinte classificação final:

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
SOBRADINHO
5
4
1
0
8
3
5
9
REAL
5
3
1
1
13
6
7
7
GUANABARA
5
2
3
0
10
7
3
7
TRÓPICOS
5
2
1
2
8
10
-2
5
BRASIL CENTRAL
5
1
0
4
3
9
-6
2
INDUSTRIAL
5
0
0
5
1
8
-7
0

quinta-feira, 7 de março de 2013

O CEUB NO CAMPEONATO BRASILEIRO DE 1974 – 2ª parte

CEUB 0 x 1 CRUZEIRO
27.04.1974
Mineirão
Árbitro: Eraldo Palmerini
Público: 2.479 pagantes
Renda: Cr$ 17.734,00
Gol: Palhinha, 11.
CEUB: Édson, Cláudio Oliveira, Edair, Émerson e Rildo; Renê e Douradinho (Juraci); Dilson, Péricles, Gilberto e Dario (Cardosinho).
CRUZEIRO: Hélio, Lauro, Darci Menezes, Procópio e Vanderlei; Zé Carlos e Eduardo; Baiano (Batata), Palhinha, Dirceu Lopes e Joãozinho (Lima).

CEUB 0 x 0 GOIÁS
02.05.1974
Presidente Médici
Árbitro: José Aldo Pereira
Público: 2.735 pagantes
Renda: Cr$ 35.375,00
Expulsão: Renê, 77
CEUB: Édson, Luís Carlos, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Renê e Gilberto; Dilson, Xisté (Cardosinho), Marco Antônio (Juraci) e Gustavo.
GOIÁS: Lumumba, Triel, Matinha, Macalé e Cláudio; Alexandre e Tuíra; Rinaldo, Lincoln, Paghetti e Raimundinho (Afonso).

CEUB 0 x 0 OPERÁRIO-Campo Grande
08.05.1974
Pedro Pedrossian
Árbitro: Almir Laguna
Renda: Cr$ 57.600,00
CEUB: Édson, Luís Carlos, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Alencar e Xisté (Douradinho); Dilson, Marco Antônio, Gilberto e Dario.
OPERÁRIO-Campo Grande: Jair, Maurício (Paulo Henrique), Marião, Manuel e Fio; Natálio e Nenê; Paraná, Zé Ito, Mário (Brandão) e Guará.

CEUB 1 x 1 PALMEIRAS
18.05.1974
Presidente Médici
Árbitro: Arnaldo César Coelho
Público: 1.890 pagantes
Renda: Cr$ 23.256,00
Gols: Edu, 12 e Dilson, 66
CEUB: Édson (Norberto), Luís Carlos, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Alencar e Péricles; Dilson, Juraci, Dario (Gustavo) e Xisté.
PALMEIRAS: Sérgio, Eurico, Arouca, João Carlos e Zeca; Dudu e Jair Gonçalves; Edu, Fedato (Luís Carlos), Ronaldo e Nei.

CEUB 0 x 2 GUARANI
22.05.1974
Brinco de Ouro
Árbitro: Maurílio José Santiago
Público: 3.692 pagantes
Gols: Odair (pênalti), 28 e Lola, 83
CEUB: Norberto, Luís Carlos, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Alencar e Péricles (Marco Antônio); Dilson (Cardosinho), Dario, Gustavo e Xisté.
GUARANI: Tobias, Odair, Estevão, Amaral e Wilson; Flamarion (Bezerra) e Alexandre; Amilton Rocha, Lola, Clayton (Alfredo) e Mingo.

CEUB 1 x 1 SÃO PAULO
29.05.1974
Presidente Médici
Árbitro: Valquir Pimentel
Público: 3.076 pagantes
Renda: Cr$ 33.375,00
Gols: Xisté, 38 e Mirandinha, 52.
Expulsão: Gilberto, no 2º tempo.
CEUB: Norberto, Luís Carlos, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Alencar e Péricles; Juraci (Marco Antônio), Gilberto, Gustavo e Xisté.
SÃO PAULO: Waldir Peres, Nelson, Samuel, Paranhos e Gilberto; Chicão e Teodoro; Zé Carlos, Mauro, Mirandinha e Serginho (Ademir).

CEUB 0 x 2 NÁUTICO
02.06.1974
Presidente Médici
Árbitro: José Aldo Pereira
Público: 1.678 pagantes
Renda: Cr$ 18.538,00
Gols: Jorge Mendonça, 24 e 68.
Expulsões: Alencar e Betinho, por troca de pontapés.
CEUB: Norberto, Luís Carlos, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Alencar e Péricles (Douradinho); Cardosinho, Marco Antônio (Israel), Gustavo e Xisté.
NÁUTICO: Neneca, Pedro Paulo, Beliato, Sidclei e Franklin; Drailton e Cordeiro; Betinho, Paraguaio, Jorge Mendonça e Vasconcelos.

CEUB 0 x 2 AMÉRICA-MG
08.06.1974
Presidente Médici
Árbitro: Paulo Roberto Duarte
Público: 990 pagantes
Renda: Cr$ 9.326,00
Gols: Vilfredo, 8 e 38.
CEUB: Norberto, Cláudio Oliveira, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Renê, Douradinho e Gilberto; Dilson, Juraci (Gustavo) e Xisté.
AMÉRICA-MG: Vágner, Baiano, Vânder, Luís Alberto e Cláudio; Pedro Omar, Juca Show e Spencer (Dirceu); Édson, Vilfredo e Alemão.

CEUB 0 x 1 RIO NEGRO
12.06.1974
Vivaldo Lima
Árbitro: Wilson Van Lume
Renda: Cr$ 23.427,00
Gol: Serginho, 28
CEUB: Norberto, Cláudio Oliveira, Pedro Pradera, Émerson e Rildo; Renê, Gilberto e Douradinho; Dilson, Juraci e Xisté (Péricles).
RIO NEGRO: Borrachinha, Sabará, Zé Carlos, Biluca e Jorge; Denilson e Zezinho; Jorge Cuíca, Alberi, Serginho e Jorge Demolidor.

RESUMO DA CAMPANHA DO CEUB

J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
% Aprov.
19
3
6
10
12
23
-11
12
31,6%

Com isso, o Ceub ficou com a 37ª colocação no cômputo geral do Campeonato. No critério Rendas, o Ceub também ficou com o 37º lugar, com um total arrecadado de Cr$ 1.101.813,00, à frente somente de América-MG, América-RN e Olaria.
O Campeonato Brasileiro de 1974 teve um total de 447 jogos, onde foram marcados 951 gols. O total de público foi de 5.184.763 (média de 11.599 por jogo).
O Vasco da Gama sagrou-se campeão e Roberto Dinamite, também do Vasco da Gama, o artilheiro da competição, com 16 gols.
Gilberto foi o artilheiro do Ceub na competição, tendo marcado cinco gols.