terça-feira, 31 de julho de 2018

ACONTECEU NESSE DIA: última rodada do 1º turno do Campeonato Brasiliense de 1966

Baiano, agachado, no meio,
o craque do 1º turno

DEFELÊ 1 x 2 FLAMENGO
Data: 31.07.1966
Local: Ciro Machado do Espírito Santo
Árbitro: Carlos Alberto de Andrade
Renda: Cr$ 42.000,00
Gols: Alaor Capella, 31; Santos, 77 e Jaime, 87
DEFELÊ: Tonho, Pedrinho, Décio, Ciro (Zé Maurício) e Wilson; Azulinho e Matarazzo; Zé Grillo, Djalma, Alaor Capella e Pará.
FLAMENGO: Mostardeiro, Cauby, Macedo, Rui e Paulo César; Bolero e Carlos Alberto; Nogueira, Santos, Jaime e Maranhão. Técnico: Edward Brandão.

RABELLO 1 x 1 COLOMBO
Data: 31.07.1966
Local: Estádio de Brasília
Árbitro: Jorge Cardoso
Gols: Cid, 18 e Invasão, 77
RABELLO: Zé Walter, Jair, Gegê, Carlão e Aderbal; Zé Maria e Zoca; Agostinho, Invasão, Otávio e Reinaldo.
COLOMBO: Chicão, Ivan, Juci, Sir Peres e Oliveira; Índio e Pino; Gilson, Baiano, Cid e Crispim (Paulista).

GUARÁ 0 x 3 LUZIÂNIA
Data: 31.07.1966
Local: Paulo Linhares
Árbitro: José Mattos Sobrinho
Gols: Sabará (2) e Raimundinho
Expulsões: Coquinho e Maurício, por agressão
GUARÁ: Tarzan, Juvenil, Noel, Tavares e Raimundo; Mabinho e Rosico; Aguiar, Maurício, Ireide e Chico. Técnico: Hélio Miranda.
LUZIÂNIA: Walmir Gato, William, Zezão, Bimba e Coquinho; Bolinha e Sabará; Oscar, Hermes, Tôco e Raimundinho. Técnico: Wander Abdalla.

Após esses jogos, o jornal Correio Braziliense escolheu a “Seleção da Rodada”, que ficou assim formada: Zé Walter (Rabello), Pedrinho (Defelê), Noel (Guará), Tavares (Guará) e Raimundo (Guará); Zé Maria (Rabello) e Andrade (Flamengo); Gilson (Colombo), Santos (Flamengo), Cid (Colombo) e Maranhão (Flamengo). O craque da rodada foi Tavares, do Guará.
Já a Seleção do 1º Turno, na opinião do mesmo jornal, foi assim constituída: Zé Walter (Rabello), Jair (Rabello), Décio (Defelê), Bimba (Luziânia) e Miranda (Flamengo); Zé Maria (Rabello) e Tião (Pederneiras); Zezé (Rabello), Sabará (Luziânia), Baiano (Colombo) e Crispim (Colombo). O craque do 1º turno foi Baiano, do Colombo.



segunda-feira, 30 de julho de 2018

POR ONDE ANDA VOCÊ, CLÁUDIO OLIVEIRA???


Cláudio Gomes de Oliveira nasceu em Goiânia-GO, no dia 30 de julho de 1954.
Começou sua carreira jogando pelo Jaguar, de Brasília. Com pouco mais de 16 anos fez sua estreia no time titular do Jaguar, no dia 27 de outubro de 1970, no Pelezão, na vitória de 2 x 1 sobre o Civilsan. O Jaguar formou com Laudislon, Mabinho, Cláudio, Noel e Baiano; Passarinho e Paulinho; Carlos, Ireide (Ventura), Oliveira e Geraldo. Foram onze jogos disputados pelo Campeonato Brasiliense.
Em 1971, Cláudio Oliveira sagrou-se campeão do Torneio Governador do Distrito Federal. No Campeonato Brasiliense, disputado apenas por cinco equipes, o Jaguar foi o último colocado. Apesar da má campanha do Jaguar, o futebol de Cláudio Oliveira chamou a atenção do Ceub, que o contratou para a temporada de 1972.
Seu último jogo com a camisa do Jaguar foi em 7 de novembro de 1971, no Pelezão, no empate em 0 x 0 com o Grêmio. Formou o Jaguar com Índio, Jonas, Cláudio Oliveira, Rui e Diogo; Wilson (Nazo) e Messias; Carlos (Magno), Jorge, Batista e Gildo. Técnico: Eurípedes Bueno.
Antes de completar 18 anos, Cláudio Oliveira fez sua estreia pelo Ceub, em um amistoso interestadual contra o Flamengo, do Rio de Janeiro, no Pelezão. O resultado final foi o empate em 1 x 1, e o Ceub apresentou essa formação: Zé Walter, Aderbal, Cláudio Oliveira, Lúcio e Serginho; Renê, César e Cláudio Garcia; Agostinho (Paulinho), Hermes e Dinarte. O Ceub foi vice-campeão brasiliense.
Cláudio Oliveira integrou a “Seleção do Ano” de 1972, em eleição feita pela equipe de esportes do jornal Correio Braziliense. A seleção ficou assim constituída: Elizaldo (Ceub), Luiz Gonçalves (Colombo), Cláudio Oliveira (Ceub), Sir Peres (Colombo) e Odair (Grêmio); Marquinhos (Serviço Gráfico) e Pedro Léo (Colombo); Marco Antônio (Ceub), Marcos (Grêmio), Walmir (Serviço Gráfico) e Dinarte (Ceub).
Se projetou para o futebol ao disputar o Campeonato Brasileiro de 1973 defendendo o Ceub, único clube profissional que havia na época no Distrito Federal.
No Ceub, no período de 1972 a 1976, Cláudio Oliveira disputou um total de 79 jogos. O último jogo aconteceu em 24 de julho de 1976, no Pelezão, na vitória de 2 x 1 sobre o Grêmio Brasiliense, válido pelo campeonato do DF desse ano. O Ceub jogou com Paulo Victor (Déo), Chiquito (Ademir), Paulo Roberto, Cláudio Oliveira e Nonoca; Juarez, Mariano e Xisté; Lucas, Eduardo e Gilbertinho. Técnico: Bugue.
Logo depois desse jogo, aconteceu o imbróglio que resultou na exclusão do Ceub do Campeonato Brasiliense e a perda da vaga no Campeonato Brasileiro. Com uma folha salarial altíssima, coube ao Ceub se desfazer de seus jogadores. Cláudio Oliveira foi para o ABC, de Natal, junto com Xisté, chegando à capital potiguar no dia 17 de agosto de 1976. Como demorou para acontecer a regularização de Cláudio Oliveira, ele só pode estrear pelo ABC no dia 26 de setembro de 1976, no empate em 1 x 1 com o Sampaio Corrêa, do Maranhão, válido pelo Campeonato Brasileiro desse ano. Ele entrou no lugar de Wagner e passou a formar a dupla de zaga com seu ex-companheiro de Ceub, Pedro Pradera.
Cláudio Oliveira foi jogador do ABC de 1976 a 1981.
Em 1977, Cláudio Oliveira disputou o campeonato potiguar, tornando-se vice-campeão. Também disputou o Campeonato Brasileiro.
No dia 13 de dezembro de 1978, Cláudio Oliveira sagrou-se campeão potiguar defendendo o ABC, que formou com a seguinte constituição no jogo decisivo: Hélio Show, Vuca, Domício, Cláudio Oliveira e Noronha; Baltazar, Danilo Menezes e Tinho; Macunaíma, Paulo César Cajá (Junior) e William (Arié). Técnico: Waldemar Carabina.
No final desse ano, quando o jornal Diário de Natal e a Rádio Poti escolheram a seleção dos melhores do Rio Grande do Norte, Cláudio Oliveira foi eleito o melhor quarto zagueiro. A seleção foi assim formada: Hélio Show (ABC), Ivan Silva (América), Ticão (América), Cláudio Oliveira (ABC) e Sérgio (América); Baltazar (ABC), Danilo Menezes (ABC) e Jonas (ABC); Ronaldo Cruz (América), Aluísio (América) e Noé Soares (ABC).
Voltou a ser vice-campeão do Rio Grande do Norte em 1979 e em 1980, neste último perdendo o título de campeão para o América na cobrança de pênaltis.
Em 1981, apesar de não poder impedir o tricampeonato do América, Cláudio Oliveira foi premiado pela ACERN - Associação dos Cronistas Esportivos do Rio Grande do Norte que novamente o colocou entre os destaques da temporada. A seleção do ano foi formada pelos seguintes jogadores: Caetano (ABC), Ivan Silva (América), Newton (Alecrim), Cláudio Oliveira (ABC) e Wassil (América); Carlos Alberto (Baraúnas), Norival (América) e Neto (ABC); Juarez (ABC), Nego Chico (Baraúnas) e Severinho (América).
O último jogo de Cláudio Oliveira pelo ABC foi no dia 29 de novembro de 1981, contra o América, na decisão do campeonato potiguar, quando o ABC foi derrotado por 3 x 2 e ficou com a terceira colocação, atrás do Baraúnas.
Em janeiro de 1982, Cláudio Oliveira foi emprestado ao Mixto, de Cuiabá (MT), para a disputa do Campeonato Brasileiro. Depois de encerrada a participação no certame nacional, retornou a Natal, quando foi contratado pelo Alecrim.
Por coincidência, sua estreia se deu em um jogo contra o ABC, quando o Alecrim venceu por 2 x 0, jogo válido pelo 1º turno da Taça Cidade de Natal, competição que foi conquistada pelo Alecrim após três turnos. No último jogo, o Alecrim jogou com Sérgio, Gonzaguinha, Elói, Cláudio Oliveira e Gilton; Hélio, Odilon e Edmo; Brás (Jonas), Gilson Lopes e Djalma. Técnico: Scala.
Logo depois, o Alecrim se tornaria vice-campeão do Torneio Início, perdendo o título para o América, e no dia 1º de dezembro de 1982 perdeu a decisão do campeonato estadual para o América, tetracampeão potiguar.
Em 1983, Cláudio Oliveira disputou o Campeonato Brasileiro da Série B pelo Alecrim, sendo o clube desclassificado na primeira fase da competição. Ainda em 1983, se transferiu para o Treze, de Campina Grande. No dia 18 de dezembro de 1983, no terceiro jogo da decisão, o Treze venceu o Campinense por 2 x 1 e Cláudio Oliveira pôde comemorar mais um título de campeão estadual. Nesse jogo, o Treze formou com Hélio, Levi, Osmar Barão, Cláudio Oliveira e Bezerra; Edmar, Lula (Volnei) e Esquerdinha (Fernando Baiano); Puma, Rocha e Tatá. Técnico: José Santos.
Cláudio Oliveira permaneceu como titular do Treze no ano de 1984, quando disputou mais um Campeonato Brasileiro. Em 1985, quando estava mais na reserva do que como titular, recebeu e aceitou o convite do Gama para disputar o Campeonato Brasiliense. Participou como titular de treze jogos, o primeiro deles em 31 de agosto de 1985, na vitória sobre o Tiradentes, por 2 x 0, no Bezerrão. O Gama formou com Neneca, Cidão (Marquinhos II), Cláudio Oliveira, Esquerdinha e Brant; Nescau, Ademir e Chiquinho; Marquinhos, Serginho e Vilmar (Ronaldo). Técnico: Alaor Capella dos Santos. Seu último jogo aconteceu em 6 de novembro de 1985, no Augustinho Lima, com vitória do Gama por 2 x 0.
Em 1986 retornou ao Rio Grande do Norte, contratado pelo Baraúnas, de Mossoró, para ser um dos reforços do clube no Campeonato Brasileiro desse ano.
Em 1987, transferiu-se para o Riachuelo, de Natal, disputou o campeonato potiguar até agosto desse ano e resolveu parar de jogar futebol, passando a residir em Natal.

POR ONDE ANDA VOCÊ, CLÁUDIO OLIVEIRA???





domingo, 29 de julho de 2018

FICHA TÉCNICA: Som


NOME COMPLETO: Valdson Pereira da Silva
APELIDO: Som
LOCAL E DATA DE NASCIMENTO: Taguatinga (DF), 29 de julho de 1962
POSIÇÃO: Meia Armador

LINHA DO TEMPO

Começou a jogar bola na cidade de Brazlândia, onde defendeu o Brazlândia, o Auto Esporte e o Madureira.

1983
No futebol profissional, começou em 1983, no Ceilândia. Seu primeiro jogo foi um amistoso no Bezerrão, contra o Gama, em 24 de março de 1983. O jogo terminou empatado em 1 x 1 e o Ceilândia formou com Roberto, Auro, Brito (Hudson), Tião e Teixeira; Chico, Joãozinho e Adão; Waldir, Neto e Alves (Som).
Pelo Campeonato Brasiliense, sua estreia foi no dia 15 de maio de 1983, por coincidência contra o Gama, no Bezerrão, e com empate em 1 x 1. Jogou o Ceilândia com Roberto, Auro, Brito, Tião e Teixeira (Evandro); Chico, Nicácio e Marquinhos (Paulo Honório); Som, Joãozinho e Adão. Técnico: Antônio Fabiano Ferreira (Raimundinho).
Foram treze jogos pelo Campeonato Brasiliense, com o Ceilândia ficando na sétima colocação entre os oito clubes disputantes.

1984
Som passou a ser titular do meio de campo do Ceilândia. Apesar disso, o clube melhorou um pouco sua posição na classificação final do Campeonato Brasiliense: desta vez, ficou com a sexta colocação entre os oito que participaram da competição.
Seu último jogo com a camisa do Ceilândia foi em 11 de novembro de 1984, no Pelezão, com vitória de 1 x 0 sobre o Brasília. O Ceilândia atuou com Ronaldo, Pato, Juscelino, Tião e Teixeira; Som, Chinézio e Ceará; Clerton (Melo), Joãozinho (Amilton) e Adão. Técnico: Eurípedes Bueno de Morais.

1985
Transferiu-se para o Taguatinga, onde estreou no dia 18 de maio de 1985, no Serejão, marcando um dos gols da goleada sobre o Planaltina, por 6 x 0.
De forma oficial, sua estreia aconteceu no dia 6 de julho de 1985, no Bezerrão, com vitória de 1 x 0 sobre o Gama, formando o time do Taguatinga com Adriano, Junior, Kidão, Rafael e Visoto; Boni (Bilzinho), Som e Péricles; Aguinaldo (Zinha), Joãozinho e Marquinhos. Técnico: Joaci Freitas Dutra (Alencar).
O Taguatinga terminou o Campeonato Brasiliense na segunda colocação e Som foi o artilheiro do time e o terceiro do campeonato, com 9 gols.

1986
Som começou o ano de 1986 tornando-se campeão do Torneio Início, disputado no dia 26 de janeiro de 1986, no estádio Mané Garrincha. Na final do torneio o Taguatinga formou com Ronaldo, Junior, Bilzão, Zinha e Adilson; Boni, Som e Marquinhos; Aguinaldo (Neomar), Joãozinho e Marcelo.
No Campeonato Brasiliense, no qual o Taguatinga novamente ficou com o vice-campeonato, Som disputou 18 dos 21 jogos realizados pelo clube, marcando dois gols.

1987
Pelo terceiro ano consecutivo o Taguatinga foi o segundo colocado do Campeonato Brasiliense. Som disputou dez jogos e marcou dois gols.

1988
Nesse ano, disputou o Campeonato Brasiliense pelo Ceilândia e o Campeonato Brasileiro da Série C pelo Taguatinga.

1989
Finalmente pôde comemorar um título de campeão brasiliense, com o Taguatinga, em 1989. Uma das formações do Taguatinga foi esta: Roberto Costa (Elvis), Marquinhos, Paulão, Adilson e Visoto; Chicão, Da Silva e Humberto; Carlinhos, Joãozinho e Som (Marco Antônio). Técnico: Antônio Humberto Nobre (Canhoto)

1990 e 1991
Disputou o Campeonato Goiano pelo Rio Verde. Em 1990, o Rio Verde foi rebaixado para a Segunda Divisão. Nesta, em 1991, o Rio Verde ficou na quarta colocação e, portanto, sem conseguir o acesso à Primeira Divisão.

1991
Disputou poucas partidas pelo Tiradentes no Campeonato Brasiliense desse ano: apenas três.

1992 a 1994
Disputou o Campeonato Brasiliense de 1992 pelo Gama. Foram dez partidas.
Também foi um período em que Som passou a dividir seu tempo entre o trabalho no Governo do Distrito Federal e o futebol.

1995
No dia 5 de junho de 1995, Valdson Pereira da Silva foi uma das dez pessoas que se reuniram com o objetivo de fundar a Sociedade Esportiva Brazlândia.

1996
No Campeonato Brasiliense desse ano, Som disputou quatro partidas pelo Brazlândia, como jogador, e mais duas como treinador. Sua última partida como jogador aconteceu em 12 de maio de 1996, no estádio Chapadinha, no empate em 0 x 0 com o Samambaia, quando o Brazlândia teve a seguinte formação: Ronaldo, Bilzão, Amaral, Gomes e Paulo César; Lourenço (Cláudio), Bigu e Júlio César (Neto); Som (Jorge), Joãozinho e Touro. Técnico: Altair Siqueira.
Pouco tempo depois, Som fez sua estreia na nova função de treinador, dirigindo a equipe no dia 30 de junho de 1996, no estádio Chapadinha, no empate em 1 x 1 com o Guará. O Brazlândia formou com Ronaldo, Touro, Amaral, Gomes e Ricardo; Bilzão, Everton Goiano e Carlos Antônio; Neto, Bigu e Júlio César (Magnaldo) (Altamir). Técnico: Valdson Pereira da Silva (Som).

1997
Som dirigiu a equipe do Brazlândia em nove jogos pelo Campeonato Brasiliense, a última delas em 4 de maio de 1997. Deixou a equipe antes do início do segundo turno. O Brazlândia foi rebaixado para a Segunda Divisão do DF.

1998
Novamente na direção do Brazlândia, sagrou-se vice-campeão da Segunda Divisão do DF, conseguindo o acesso à Primeira.

1999
O Brazlândia iniciou o Campeonato Brasiliense de 1999 com Toninho Baiano (ex-lateral direito do Flamengo, Fluminense e da Seleção Brasileira) como treinador. No jogo seguinte, Som o substituía e ficou à frente da equipe nos demais nove jogos, até 25 de abril de 1999. A partir daí aconteceu uma sucessão de técnicos à frente da equipe: Joãozinho, Ronaldo Araújo e Roberto Ruben Delgado, este permanecendo até o fim da competição.

2000
Voltou a trabalhar como treinador do Brazlândia no Campeonato Brasiliense de 2000, assumindo a função em 2 de abril e permanecendo à frente da equipe em onze dos dezoito jogos disputados pelo clube, o último deles em 11 de junho de 2000, na vitória de 1 x 0 sobre o Dom Pedro II, no Adonir Guimarães.

2001 a 2003
Largou o futebol e passou a se dedicar a um pequeno comércio.

2004
Retornou ao futebol e em apenas duas oportunidades (15 de fevereiro e 7 de março, ambas com derrota) foi treinador do Brazlândia no Campeonato Brasiliense de 2004, substituindo Roberto Ruben Delgado. Logo depois, foi substituído por Valter Gomes. O Brazlândia foi rebaixado para a Segunda Divisão.

2005 a 2008
Novamente afastou-se do futebol.

2009
Dirigiu a equipe do Brazlândia de forma interina no dia 1º de março de 2009, no estádio Chapadinha, com derrota de 3 x 1 para o Brasília. Em sua última participação no futebol profissional, o Brazlândia jogou assim André, Badhuga, Paulo Moura, Cláudio Negão e Tupãzinho (Henrique); Bigu, Augusto, Luiz Carlos e Luciano; Flávio Katioco (Kiki) e Neto (Tonhão). Técnico: Valdson Pereira.

Pelas suas características físicas, magro e alto, Som lembrava o saudoso Doutor Sócrates. Apesar de admirar Sócrates, ele garantia que não procurava imitá-lo. Ele se definia como um meia habilidoso e com boa leitura do jogo, com destaque no trabalho de armação e saída de bola da defesa. Foi um dos meias de ligação que mais marcou gols pelo Taguatinga.





sábado, 28 de julho de 2018

HÁ 50 ANOS NO FUTEBOL BRASILIENSE: o primeiro jogo da Seleção Permanente do DF


Numa partida que, se tecnicamente não chegou a ser boa, agradou pela movimentação, no dia 28 de julho de 1968 aconteceu o primeiro jogo da Seleção Permanente do Distrito Federal, no campo da A. A. Cultural Mariana, na cidade do Gama, contra o Coenge, equipe que pertencia ao Departamento Autônomo da F. D. B.
A seleção começou muito insegura, desentrosada em suas diversas linhas, fazendo com que o Coenge, que tinha uma equipe certinha, insuflada por sua torcida, fizesse perigar a meta de Zé Walter.
A partir dos 25 minutos, a seleção começou a melhorar o seu padrão de jogo e a colocar em perigo o último reduto do Coenge.
Na segunda etapa, Solon entrou em lugar de Alaor Capella e deu mais agressividade ao ataque da seleção.
O tempo foi passando e, aos 40 minutos, a seleção desperdiçou sua última chance, quando da marcação de um sobrepasso cometido pelo arqueiro reserva Silva, que entrara em lugar do titular que se contundira ao praticar arrojada defesa. Depois de muita catimba, a cobrança foi feita, e malfeita, perdendo o selecionado sua última chance de vitória.
O placar final foi de 0 x 0. A seleção do DF jogou com Zé Walter, Aderbal (Didi), Farneze, Carlão e Wilson Godinho; João Dutra e Zé Maria (Heitor); Guairacá, Cid, Alaor Capella (Solon) e Sabará. Técnico: Beto Pretti. O Coenge atuou com Tonho (Silva), Mauro, Tarcísio, Rui e Duchinha; Pelezão (Jânio) e Divino; Noé, Eraldo, Pelezinho e Oscar.
O árbitro do jogo foi Eduino Edmundo Lima e a renda de NCr$ 2.850,00.




sexta-feira, 27 de julho de 2018

MAIORES & MELHORES: a maior invencibilidade no Campeonato Brasiliense


No período de 1976 a 1979 o Brasília foi o clube que obteve mais destaque no Campeonato Brasiliense: ganhou três dos quatro campeonatos que disputou (1976 a 1978) e foi vice-campeão em 1979 (com mais pontos ganhos que o campeão Gama).
No Campeonato Brasiliense de 1976, considerando os jogos contra o Ceub (que foi excluído do campeonato antes de seu final, no 3º turno), o Brasília foi derrotado em três ocasiões: Humaitá e Ceub, no primeiro turno, e Ceub, no segundo.
Justamente depois dessa segunda derrota para o Ceub, no dia 3 de julho de 1976, é que começa a longa série de jogos invictos do Brasília.
Foram nove jogos no restante do Campeonato Brasiliense de 1976, a saber: 

31.07.1976
Pelezão
BRASÍLIA
2
x
1
HUMAITÁ
07.08.1976
Pelezão
BRASÍLIA
2
x
0
FLAMENGO
15.08.1976
Chapadinha
CANARINHO
0
x
1
BRASÍLIA
04.09.1976
Pelezão
GRÊMIO
0
x
2
BRASÍLIA
12.09.1976
Taguatinga
TAGUATINGA
0
x
0
BRASÍLIA
25.09.1976
Pelezão
GAMA
0
x
1
BRASÍLIA
02.10.1976
Pelezão
BRASÍLIA
1
x
0
TAGUATINGA
12.10.1976
Pelezão
BRASÍLIA
2
x
1
GRÊMIO
16.10.1976
Pelezão
BRASÍLIA
3
x
0
GUARÁ


Em 1977, não conheceu derrota na competição: foram 13 jogos, com doze vitórias e um empate, justamente no último jogo disputado pelo Brasília diante da Desportiva Bandeirante:

04.06.1977
Pelezão
BRASÍLIA
4
x
0
DESPORTIVA BANDEIRANTE
11.06.1977
Pelezão
BRASÍLIA
3
x
2
CANARINHO
26.06.1977
Pelezão
BRASÍLIA
4
x
0
TAGUATINGA
02.07.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
2
x
0
GAMA
16.07.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
4
x
0
GRÊMIO
31.07.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
3
x
0
GAMA
07.08.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
1
x
0
GRÊMIO
21.08.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
3
x
1
CANARINHO
03.09.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
4
x
0
DESPORTIVA BANDEIRANTE
18.09.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
3
x
0
TAGUATINGA
24.09.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
3
x
1
TAGUATINGA
02.10.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
3
x
0
CANARINHO
12.10.1977
Presidente Médici
BRASÍLIA
1
x
1
DESPORTIVA BANDEIRANTE

Novamente conquistou o título de campeão brasiliense de forma invicta em 1978. Desta vez, foram 15 jogos, com 12 vitórias e 3 empates:

03.09.1978
Pelezão
BRASÍLIA
1
x
0
DESPORTIVA BANDEIRANTE
09.09.1978
Pelezão
BRASÍLIA
6
x
0
SOBRADINHO
01.10.1978
Bezerrão
BRASÍLIA
1
x
1
GAMA
08.10.1978
Pelezão
BRASÍLIA
4
x
0
GRÊMIO
15.10.1978
CAVE
GUARÁ
0
x
2
BRASÍLIA
22.10.1978
Pelezão
BRASÍLIA
2
x
1
DESPORTIVA BANDEIRANTE
29.10.1978
Adonir Guimarães
BRASÍLIA
6
x
1
SOBRADINHO
05.11.1978
Serejão
TAGUATINGA
0
x
2
BRASÍLIA
19.11.1978
Bezerrão
GAMA
1
x
2
BRASÍLIA
22.11.1978
Serejão
TAGUATINGA
0
x
3
BRASÍLIA
26.11.1978
Pelezão
BRASÍLIA
2
x
2
GRÊMIO
03.12.1978
CAVE
GUARÁ
0
x
2
BRASÍLIA
10.12.1978
Pelezão
BRASÍLIA
3
x
0
GUARÁ
13.12.1978
Serejão
BRASÍLIA
0
x
0
TAGUATINGA
17.12.1978
Bezerrão
GAMA
0
x
1
BRASÍLIA

O Brasília começou o Campeonato Brasiliense de 1979 com uma sequência de 37 jogos sem derrota nos últimos três anos. Venceu seu primeiro compromisso, no dia 29.04.1979, ao ganhar da Desportiva Bandeirante, por 3 x 0, totalizando 38 jogos invicto. No jogo seguinte, em 6 de maio de 1979, perdeu a invencibilidade ao ser derrotado pelo Gama, no Bezerrão, por 2 x 1.