Total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de maio de 2013

A SELEÇÃO BRASILIENSE DE TODOS OS TEMPOS




As tentativas de estabelecer uma relação dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos - a que se têm entregue inúmeros teóricos do esporte - trazem, sempre, resultados discutíveis, aceitos por uns e rejeitados por outros. Isso se deve, em grande parte, ao fato de os critérios de avaliação adotados por aqueles teóricos se apoiarem, muitas vezes, em dados subjetivos: o gosto pessoal, a experiência, o modo de analisar jogos e jogadores, o próprio temperamento de quem está julgando. Tais dados, somados ao entusiasmo ou mesmo paixão que o futebol habitualmente desperta, não apenas no torcedor comum, mas também no observador neutro, tornam qualquer relação questionável, sendo seu valor, por isso, relativo.
O desempenho de um jogador em determinada partida, no curso de um campeonato e, sobretudo, ao longo de sua carreira, ao contrário do que ocorre em esportes, como o atletismo e a natação, não é matematicamente mensurável. Nele, não existe o recorde, o número absoluto que permite comparações de performances registradas em épocas e lugares diversos. Mesmo quando os critérios de avaliação se baseiam em dados objetivos, de ordem técnica, tática ou estratégica, uma seleção dos "maiores jogadores de futebol de todos os tempos" será sempre polêmica, o melhor para um crítico não o sendo para outro. Como exemplo, em todos os países, quando se forma uma seleção nacional, raramente se consegue para ela aprovação unânime, de um lado o selecionador indicando os seus 22 melhores, do outro a imprensa e a opinião pública discordando da escolha deste ou da omissão daquele jogador.
A partir dessa semana estaremos divulgando os resultados de pesquisas junto a pessoas que estiveram ou que estão ligadas à história do futebol de Brasília, feitas para apontar os melhores jogadores de todos os tempos no futebol de Brasília.
Em alguns casos, as pessoas preferiram apontar duas seleções (A e B), por achar que onze é um número limitado. Por outro lado, surgirão listagens com apenas os onze “titulares”.
A relação que se segue pretende, apenas, incluir alguns dos jogadores que tiveram importância histórica no futebol de Brasília, que seja por sua técnica, feitos ou fama. 
A primeira seleção brasiliense de todos os tempos foi formada pelo saudoso ex-presidente da então Federação Desportiva de Brasília, Wilson Antônio de Andrade.
Num clássico 4-3-3, assim ficaria composto o seu “onze”:

GOLEIRO: Gaguinho

LATERAL-DIREITO: Aderbal
ZAGUEIRO-CENTRAL: Grover
QUARTO-ZAGUEIRO: Logodô
LATERAL-ESQUERDO: Wilson Godinho

MÉDIO-VOLANTE: Alencar
MEIA-DIREITA: Beto Pretti
MEIA-ESQUERDA: Paulo Reis

PONTEIRO-DIREITO: Guairacá
CENTRO-AVANTE: Otávio
PONTEIRO-ESQUERDO: Arnaldo.

O treinador seria Didi de Carvalho ou Hector Gritta. 

sábado, 25 de maio de 2013

FORMAÇÕES BÁSICAS DAS EQUIPES PARTICIPANTES DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE PROFISSIONAIS - 1966


RABELLO
Goleiros: Zé Walter e Dico; Defensores: Jair, Aderbal, Melo, Pelé, Zé Maria, João Dutra, J. Pereira e Didi; Atacantes: Zezé, Beto Pretti, Zoca, Otávio, Roberto, Djalma, Invasão, Arnaldo e Reinaldo.

COLOMBO
Goleiros: Chicão e Silvio; Defensores: Paulista, Edson, Ivan, Jucy, Vonges, Sir Peres, Índio e Oliveira; Atacantes: Gilson, Ary, Pino, Tião, Cid, Baiano, Zezé e Crispim.

LUZIÂNIA
Goleiro: Walmir; Defensores: Ditinho, William, Zezão, Bimba, Bolinha, Ciliu, Tiãozinho e Coquinho; Atacantes: Bubu, Tôco, Elcy, Carlos, Hermes, Sabará, Debrair, Oscar e Raimundinho.

PEDERNEIRAS
Goleiro: Chico; Defensores: Tarcísio, Dão, França, Logodô, Pereira, Juarez, Firmo, Seu Chico e Bananal; Atacantes: Moisés, Zeca, Tião, Eraldo, Zezito e Deca.

DEFELÊ
Goleiros: Tonho e Hildebrando; Defensores: Ciro, Alonso Capella, Farneze, Décio, Quincas, Pedrinho, Gaúcho, Bugue, Wilson e Matarazzo; Atacantes: Bawany, Zé Maurício, Alaor Capella, Walter, Boni, Fernandinho, Vitinho, Ely, Solon, Djalma, Pará e Zé Grilo.

FLAMENGO
Goleiros: Moslaves e Mostardeiro; Defensores: Cauby, Ruy, Macedo, Carlos Alberto, Paulo Cesar, Bolero, Pintor e Miranda; Atacantes: Antenor, Edinho, Andrade, Santos, Nogueira, Marcelo, Maranhão, Jaime e Toninho.

GUARÁ
Goleiros: Tarzan e Luiz; Defensores: Mabinho, Noel, Raimundo, Tavares, Brasil, Léo, Zé Amorim, Juvenil e Clemente; Atacantes: Zinho, Miguel, Rosico, Perereca, Heitor, Gonzaga, Maurício, Ireide e Mauro.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

CLUBES DE BRASÍLIA: PLANALTINA ESPORTE CLUBE



O Planaltina Esporte Clube foi fundado em 30 de maio de 1963 quando 33 desportistas se reuniram na residência de Epaminondas Lopes Trindade, na rua Hugo Lobo, em Planaltina (DF).
O nome do novo clube foi sugestão do professor Rogaciano Bragança, após a apresentação de vários nomes.
A primeira diretoria eleita foi assim composta: Presidentes de Honra – Rogaciano Bragança, Luiz Gonzaga Salgado e Elísio Vaz; Presidente – Epaminondas Lopes Trindade; Vice-Presidente – Bunny Gustavo Persijn; 1º Secretário – Wilson Brasil Guimarães; 2º Secretário – Adail Ribeiro de Souza; 1º Tesoureiro – Joaquim Marques de Brito e 2º Tesoureiro – Izanei Jardim Lopes. Conselho Fiscal: Luiz Jaime Dantas, Sizelmo Souza Silveira e Joaquim Vieira (membros efetivos) e Sebastião José Pereira, Aécio Silva Campos e José David Lopes Vaz (suplentes).
Também ficou decidido na reunião as cores oficiais do novo clube, que passaram a ser vermelha e branca.
Os primeiros anos de existência do Planaltina, como de vários outros clubes do Distrito Federal, foram de muitas dificuldades financeiras.
A situação só melhorou um pouco a partir de 1967, quando o Aeroclube da cidade, que havia perdido a licença para funcionar, resolveu doar o terreno de 427 m², incluindo o galpão. O clube ganhava, assim, sua sede. O galpão virou logo fonte de renda, pois a diretoria passou a promover bailes, rifas e bingos. Mesmo assim, o dinheiro era insuficiente.
Continuou no amadorismo por muitos anos. Em 1982, resolveu disputar o campeonato oficial de amadores promovido pela Federação Metropolitana de Futebol, realizando boa campanha e ficando entre os dez primeiros colocados (vinte clubes disputaram).
No ano seguinte, 1983, foi sexto (entre 16 clubes) no 1º turno e 5º no Grupo A no 2º. Neste mesmo ano, o ano ficou mais complicado para o Planaltina depois que Epaminondas Lopes Trindade deixou a presidência.
Em 1984, o Planaltina venceu o 1º turno do campeonato de amadores e decidiu o campeonato contra o Pratão (campeão do 2º) e Copobol (clube com maior número de pontos nos dois turnos).
Ficou com o vice-campeonato, depois de perdera final para o Pratão.
Julgando que tinha uma boa estrutura e se aproveitando do fato de já existir o estádio Adonir Guimarães na cidade, a diretoria do Planaltina resolveu encarar o futebol profissional em 1985.
Porém, sua campanha e sua estréia provaram justamente o contrário.
Sua estréia foi um vexame:  no dia 7 de julho de 1985, em pleno Adonir Guimarães, foi impiedosamente goleado pelo Sobradinho, por 10 x 0.
Foi o último colocado entre os oito clubes que participaram do campeonato. Dos 21 jogos que disputou, venceu apenas três e sofreu treze derrotas. Foi a pior defesa do campeonato (52 gols sofridos) e seu ataque marcou apenas 15 gols (pouco mais de meio gol por jogo).
Mesmo assim, continuou disputando o campeonato de profissionais até 1998, sempre conseguindo classificações intermediárias, geralmente acima do quinto lugar. Suas melhores participações foram quatro quartos lugares nos anos de 1991, 1993, 1995 e 1997.
A única vez que o Planaltina pôde comemorar um título de campeão brasiliense foi em 1993, na categoria de juniors.
Também nesta década de 90, mais precisamente em 1990, o então presidente José Olinto Ferreira resolveu vender a sede do clube, alegando que, com o dinheiro, compraria um terreno maior para construir uma nova sede. O negócio foi fechado por 380 mil cruzados novos, divididos em duas parcelas.
Acontece que houve um erro na escritura, na qual a medida do terreno não conferia com o especificado na Administração Regional. Resultado: até que o problema fosse resolvido se passaram 60 dias.
Atraso na papelada, atraso no pagamento. Quando a segunda parcela finalmente foi quitada, o dinheiro já tinha se desvalorizado (época de inflação alta) e não dava mais para comprar o terreno pretendido. Com isso, o dirigente resolveu empregar o dinheiro na compra de material esportivo para o clube.
Em 1995 aconteceu a ú
nica participação do Planaltina em uma competição de âmbito nacional. Naquele ano, disputou a Terceira Divisão. Fez parte de um grupo com Gama, do DF, e os goianos Caldas e Itumbiara. 
Nos seis jogos que disputou, venceu apenas um (3 x 1 sobre o Caldas), empatou três e perdeu dois. Não se classificou para a fase seguinte.
Formou, basicamente, com Capucho, Viana (Avelino), Joel, Tita e Zé Carlos (Edinho); Edicarlos (Elton), Serginho e Filó; Gil, Toni (Ernesto) e Bazé. O técnico foi Bira de Oliveira.
Poucos dias antes de estrear na competição, venceu o Atlético Mineiro em um amistoso realizado no Estádio Adonir Guimarães. Foi no dia 13 de agosto de 1995, com o placar apontando Planaltina 3 x 2 Atlético Mineiro. Os gols foram marcados nesta ordem: Paulão, 2; Canela, 43; Edicarlos, 72; Bazé, 74 e 88.
Formou o Planaltina com Capucho (Neneca), Avelino (Viana), Joel, Tita e Edinho (Marquinhos); Edicarlos, Serginho, Bazé e Zé Carlos (Adilson); Gil e Toni, (Zequinha). Técnico: Bira de Oliveira. O Atlético Mineiro foi derrotado com Adilson, Alcir, Paulão (Ademir), Ronaldo Guiaro e Dinho; Éder Lopes (Evandro), Cairo (Carlos) e Canela (Edgar); Euller, Ézio e Cleiton (Leandro Tavares). Técnico: Gaúcho.

Depois de ser o 7º colocado em 1996 (entre 14 participantes) e quarto em 1997 (entre 10), o Planaltina foi o último colocado em 1998, quando foi rebaixado para a Segunda Divisão do Campeonato Brasiliense. 
Em 1999 foi o quarto colocado entre os seis clubes que disputaram a Segunda Divisão, não conseguindo retornar à Primeira. Nunca mais o time voltou a disputar o campeonato de futebol do Distrito Federal.
Um ilustre jogador revelado pelo clube foi o zagueiro Lúcio, campeão mundial pela Seleção Brasileira em 2002 e atualmente no São Paulo.

Nota: 
Além do zagueiro Lúcio, outros jogadores saíram de Planaltina para brilhar no futebol brasileiro: os volantes Sandro, ex-Internacional e atualmente no Tottenham Hotspur, da Inglaterra, e Jadson, do Botafogo, com transferência acertada para a Udinese, da Itália; e os atacantes Renaldo, artilheiro do campeonato brasileiro de 1996 pelo Atlético Mineiro, e Dimba, artilheiro do campeonato brasileiro de 2003 defendendo o Goiás e que já esteve em vários clubes do Brasil (hoje em dia defende o Ceilândia).

quarta-feira, 22 de maio de 2013

AS DECISÕES: CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1973

Ceub, campeão do 1º turno, e A. A. Relações Exteriores, campeã do 2º, decidiram, em três jogos, o campeonato brasiliense de 1973.
No primeiro, realizado em 10 de fevereiro de 1974, no Estádio Pelezão, aconteceu empate em 1 x 1. Dinarte marcou para o Ceub e Humberto assinalou o gol do Relações Exteriores. O árbitro foi Oswaldo dos Santos e a renda de
Cr$ 112,00.
Uma semana depois, 17 de fevereiro de 1974, de novo no Pelezão, outro empate em 1 x 1. Humberto voltou a marcar para o Relações Exteriores e Paulinho fez o gol do Ceub. Edson Rezende de Oliveira foi o árbitro do jogo.
Finalmente, em 19 de fevereiro de 1974, ficamos conhecendo o novo campeão. E este foi o Ceub, que ganhou por 1 x 0, com um gol de Lucas aos 38 minutos do segundo tempo.
Foi o único título de campeão brasiliense conquistado pelo Ceub em sua história.
Cid Marival Fonseca foi o árbitro do jogo e as equipes formaram assim:
CEUB: Elizaldo, Fernando, Aloísio, Noel e Luiz Carlos; Miguel e Pedro Léo; Hamilton (Lucas), Paulinho, Renatinho e Dinarte.
RELAÇÕES EXTERIORES: Wilsinho, Catuca, Rodolfo, Zé Mauro e Grossi; Edmilson (Sirlei), Arnaldo e Zequinha; Bispo, Lula e Redi.

domingo, 19 de maio de 2013

IMAGENS DO NOVO ESTÁDIO MANÉ GARRINCHA



Torcedores chegando


Momento do Hino Nacional Brasileiro


Torcida prestigiando o novo estádio

 
Visão geral do jogo Brasiliense x Brasília


Bocão, ajoelhado, comemora o 1º gol do novo estádio

Lance do jogo


Lance do jogo

 

A primeira volta olímpica do novo estádio



2º JOGO DA FINAL DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2013


BRASILIENSE 3 x 0 BRASÍLIA
Data: 18 de maio de 2013
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Público e renda: não divulgados
Gols: Bocão, 49; Washington, 79 e Romarinho, 92
Brasiliense: Welder, Bocão, Fábio Braz, Luan e Jefferson; Júlio Bastos, Everton (Luís Augusto), Baiano e Iranildo (Peninha); Gizo (Romarinho) e Washington. Técnico: Márcio Fernandes
Brasília: Marcão, Bruno Paraíba (Matozinho), Miltão, Danilo Mendes e Kaká; Marciel, Alisson (Paulinho), Valdeir (Junior) e Vitinha; Luquinhas e Giba. Técnico: Gauchinho.

NOTAS:
1. Com este resultado, o Brasiliense tornou-se campeão de 2013.
2. Foi o primeiro jogo do novo estádio Mané Garrincha.

sábado, 18 de maio de 2013

O TAGUATINGA NO CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE B EM 1992 – 2ª parte




REMO 4 x 0 TAGUATINGA
Data: 22/03/1992
Local: Baenão, Belém (PA)
Árbitro: Jackson Pereira da Silveira
Renda: Cr$ 75.735.000,00
Público: 14.947 pagantes
Gols: Arthur (2), Alencar e Papelin
REMO: Paulo Victor, Marcelo Silva, Paulo Roberto, Silvano e Belterra; Agnaldo, Arthur (Gilmar), Lamartine (Papelin) e Luciano Viana; Formiga e Alencar.
TAGUATINGA: Cláudio, Paulão, Zinha, Gilson e Paulo Lima; Marquinhos, Ézio, Cleiton e Serginho Brasília (Miguelzinho); Joãozinho e Rogerinho (Jânio).

TAGUATINGA 2 x 2 VITÓRIA
Data: 25/03/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: José Roberto Wright
Renda: Cr$ 1.643.000,00
Público: 728 pagantes
Gols: Joãozinho e Carlinhos, para o Taguatinga, e Agnaldo e André Carpes, para o Vitória
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Jânio e Régis (Edmilson); Paulo Lima, Marquinhos, Ézio (Zinha) e Joãozinho; Rogerinho e Carlinhos.
VITÓRIA: Ronaldo Passos, Edinho, Badu, Agnaldo e Renato Martins (Renê); Candeia, Arthurzinho, Edvaldo (André Carpes) e Édson Pezinho; Sidnei e Ferreira.

TAGUATINGA 1 x 1 ANAPOLINA
Data: 29/03/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Joelmes Jesus da Costa
Renda: Cr$ 4.053.000,00
Público: 1.351 pagantes
Gols: Rogerinho, 60 e Nenê, 85
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Jânio, Paulão (Zinha) e Régis; Paulo Lima, Marquinhos, Miguelzinho (Edmílson) e Rogerinho; Joãozinho e Carlinhos.
ANAPOLINA: Josenildo, Edivaldo, Almeida, Flávio e Jonílson; Antôno Carlos (Nenê), Márcio Santos, Luizinho e Romeu; Flávio Donizete (Valdo) e Paulinho.

DESPORTIVA 1 x 0 TAGUATINGA
Data: 01/04/1992
Local: Engenheiro Araripe, Cariacica (ES)
Árbitro: Mário Eugênio Bismarch
Renda: Cr$ 37.520.000,00
Publico: 7.544 pagantes
Gol: Mauro Soares, 41
DESPORTIVA: Jorcey, Rubens, Arildo Peçanha, Alves e Dedé; Morellato, Gérson (Edmílson), Welder e Mauro Soares; Marcelo Brito e Wellington (Willians).
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Edmilson, Zinha e Jânio; Régis (Gilson), Paulo Lima (Miguelzinho), Marquinhos e Joãozinho; Rogerinho e Carlinhos.

AMERICANO 1 x 1 TAGUATINGA
Data: 12/04/1992
Local: Godofredo Cruz, Campos (RJ)
Árbitro: Paulo César Gomes
Renda: Cr$ 678.000,00
Público: 226 pagantes
Expulsão: Leandro Ávila (Americano)
Gols: Serginho Brasília, 28 e Luizinho Lemos, 45
AMERICANO: Márcio (Alessandro), Marcos, Gaúcho, Oliveira e Paulo Renato; Tornado, Luciano Carióca, Leandro Ávila e França; Cuia (Denílson) e Luizinho Lemos.
TAGUATINGA: Elvis, César Soares, Edmilson (Miguelzinho), Jânio e Régis; Gilson, Paulo Lima, Marquinhos e Joãozinho; Serginho Brasília e Rogerinho.

TAGUATINGA 3 x 4 ITAPERUNA
Data: 16/04/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Luiz Carlos Tibursky
Renda: Cr$ 55.000,00
Público: 11 pagantes
Gols: Joãozinho, 9; Franklin, 20; Índio, 45; Rogerinho, 57; Joãozinho, 59; Índio, 61 e Carlinhos, 80
TAGUATINGA: Elvis, Edmilson, Jânio, Zinha e Gilson; Paulo Lima (Ézio), Marquinhos, Joãozinho e Serginho Brasília; Rogerinho e Carlinhos (Vital).
ITAPERUNA: Pacato, Bidu, Mosquito, Flávio (Paulo Roberto) e Nabor; Moela (Marcão), Júlio Cezar, Índio e Alexandre; Franklin e Carlinhos.

A campanha do Taguatinga foi a seguinte

J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
% Aprov.
14
1
4
9
14
28
-14
6
21,4%

Com essa campanha, o Taguatinga ficou na 31ª colocação, à frente apenas do Operário, de Várzea Grande (MT).

Fontes:
João Batista Lopes da Silva
RSSSF Brasil

quinta-feira, 16 de maio de 2013

O TAGUATINGA NO CAMPEONATO BRASILEIRO DA SÉRIE B EM 1992 – 1ª parte





Inicialmente, a competição seria disputada por 24 clubes.
Em 7 de janeiro de 1992, a CBF mudou o nome da competição, passando de Divisão Intermediária para Divisão Classificatória, uma vez que 12 clubes se qualificariam para disputar a Série A em 1993.
A CBF anunciou ainda que 32 clubes participariam, sendo “os dois rebaixados, 22 primeiros da Divisão Intermediária de 1991 e oito clubes indicados pelas Federações sem representantes”. Assim, oito vagas foram criadas para as federações de Amazonas, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Piauí e Sergipe.
O representante do Distrito Federal foi o Taguatinga.
O campeonato teve a participação de 32 clubes. Na Primeira Fase eles foram divididos em quatro grupos, cada um com oito equipes.
Jogaram dentro dos seus grupos em turno e returno.
Classificaram-se os quatro primeiros colocados de cada grupo para a Segunda Fase.
O Taguatinga fez parte do Grupo II, juntamente com Americano (RJ), Anapolina (GO), Confiança (SE), Desportiva (ES), Itaperuna (RJ), Remo (PA) e Vitória (BA).
Os jogos disputados pelo Taguatinga foram esses:

TAGUATINGA 0 x 2 REMO

Data: 09/02/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Nelson Guilherme Souza
Público: 763 pagantes
Renda: Cr$ 3.815.000,00
Gols: Edmilson e Luciano Viana
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Zinha e Pacheco; Régis, Marquinhos, Miguelzinho (Dorival) e Rogerinho (Paulo Lima); Joãozinho e Carlinhos.
REMO: Wagner, Marcelo Silva, Silvano, Belterra e Luiz Carlos; Agnaldo, Papelin, Arthur (Levy) e Edmilson (Gilmar); Luciano Viana e Alencar.

VITÓRIA 2 x 0 TAGUATINGA
Data: 12/02/1992
Local: Fonte Nova, Salvador (BA)
Árbitro: José Américo Batata da Silva
Público: 2.353 pagantes
Renda: Cr$ 10.579.000,00
Gols: Edil e Alex Barros
VITÓRIA: Ronaldo Passos, Jorge Perreco, Badu, Agnaldo e Candeia; Wagner, André Carpes (Sidnei), Pita e Edvaldo (Alex Barros); Édson Pezinho e Edil.
TAGUATINGA: Cláudio, Zinha, Paulão, Régis e Pacheco (Dorival); Paulo Lima, Marquinhos, Joãozinho e Rogerinho; Miguelzinho e Carlinhos.

TAGUATINGA 2 x 1 CONFIANÇA
Data: 16/02/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Antero Borges de Lima
Renda: Cr$ 675.000,00
Público: 135 pagantes
Gols: Aurélio, 29; Rogerinho, 48 e Marquinhos, 88
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Zinha e Pacheco (Dorival); Régis, Paulo Lima (Miguelzinho), Marquinhos e Serginho Brasília; Joãozinho e Rogerinho.
CONFIANÇA: Reinaldo, Araújo, Assis, Bartô e Itaparica; Batista, Fabinho, Edmilson (Audair) e Aurélio; Quinha e Paulinho (Baianinho).

TAGUATINGA 1 x 1 AMERICANO

Data: 19/02/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Evaristo Francisco de Souza
Renda: Cr$ 1.180.000,00
Publico: 236 pagantes
Gols: Luizinho Lemos, 39 e Serginho Brasília, 57
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Zinha e Régis; Paulo Lima, Dorival, Marquinhos e Serginho Brasília; Rogerinho (Miguelzinho) e Joãozinho (Carlinhos).
AMERICANO: Márcio, Oliveira, Gaúcho, Serginho (Viana) e Haroldo; Carlos, Pelica, Denílson e Branco; Luizinho Lemos e Amarildo (Cuia).

TAGUATINGA 0 x 1 DESPORTIVA
Data: 23/02/1992
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Gilson Rodrigues da Silva
Renda: Cr$ 1.150.000,00
Público: 230 pagantes
Gol: Mauro Soares, 53
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Zinha e Régis; Paulo Lima, Dorival (Miguelzinho), Marquinhos (Pacheco) e Serginho Brasília; Rogerinho e Joãozinho.
DESPORTIVA: Rubens, Alves, Silvério (Arildo Peçanha), Dedé e Morellato; Ademir Lobo, Welder, Marcelo (Gérson) e Zé Carlos; Mauro Soares e Marcelo Brito.

ANAPOLINA 3 x 2 TAGUATINGA
Data: 08/03/1992
Local: Jonas Duarte, Anápolis (GO)
Árbitro: Getúlio Barbosa de Souza Júnior
Renda: Cr$ 5.527.000,00
Público: 1.858 pagantes
Gols: Luizinho, 16; Rogerinho, 18; Joãozinho, 62; Luizinho, 34 e Márcio Santos, 91
ANAPOLINA: Rinaldo, Edivaldo, Adson, Jonílson e Flávio; Tiãozinho, Romeu, Márcio Santos e Luizinho; Flávio Donizete e Paulinho.
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Zinha e Régis; Paulo Lima, Ézio, Marquinhos e Serginho Brasília; Rogerinho e Joãozinho.

ITAPERUNA 2 x 1 TAGUATINGA
Data: 11/03/1992
Local: Jair Bittencourt, Itaperuna (RJ)
Árbitro: Marco Aurélio Lopes dos Santos
Renda: Cr$ 2.224.000,00
Público: 594 pagantes
Expulsão: Marquinhos (Taguatinga)
Gols: Carlinhos, 3; Ézio, 50 e Franklin, 75
ITAPERUNA: Pacato, Cláudio, Nabor, Flávio e Márcio (Franklin); Adelmo, Moela, Júlio Cezar e Índio; Carlinhos e Alexandre (Paulo Roberto).
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Zinha, Paulão e Régis (Nildo); Paulo Lima, Marquinhos, Ézio (Jânio) e Rogerinho; Miguelzinho e Serginho Brasília.

CONFIANÇA 3 x 1 TAGUATINGA
Data: 18/03/1992
Local: Batistão, Aracaju (SE)
Árbitro: Laerte Marqueziini

Renda: Cr$ 13.971.000,00
Público: 2.845 pagantes
Expulsão: César Soares (Taguatinga)
Gols: Batista, 15; Paulinho, 51; Baianinho, 76 e Joãozinho, 87
CONFIANÇA: Reinaldo, Araújo, Bartô, Itaparica e Batista; Baianinho, Edmilson, Celso Mendes e Paulinho (Ricardo); Normando e Aurélio.
TAGUATINGA: Cláudio, César Soares, Paulão, Zinha e Paulo Lima; Cleiton, Ézio, Miguelzinho e Serginho Brasília (Gílson); Joãozinho e Rogerinho.