terça-feira, 30 de junho de 2015

O QUE ACONTECEU HÁ 50 ANOS: 01 a 31.07.1965




01.07.1965





Em 1º de julho de 1965, funcionários do então Tribunal Federal de Recursos (hoje Superior Tribunal de Justiça) reuniram-se no apartamento nº 302 do Bloco 4 da Super Quadra Sul 106 para fundar uma sociedade civil esportiva, cultural e cívica. Surgiu, assim, a Associação Esportiva Carioca.

domingo, 28 de junho de 2015

FORMAÇÕES BÁSICAS DAS EQUIPES QUE PARTICIPARAM DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1971


CEUB
Luiz Henrique (Elizaldo), Sérgio (Medeiros) (Sílvio), Lúcio, Carlos Henrique (Aderbal) e Maranhão (Varela); Darse e Carlos Alberto (Gaúcho) (Renato); Adilson (Antunes) (Gideon) (César), Paulinho (Hilário) (Márcio), Wilfrido e Dinarte (Marcos) (Gustavo). Técnico: Gualter Portela Filho.

COLOMBO
Carlos José (Kill), Luiz Gonçalves (Alemão), Jonas Foca, Sir Peres e Paulo Moreira; Zoca (Luizinho) (Toninho) e Pedro Léo (Gentil); Procópio (Zequinha), Zé Carlos (Paulinho), Diogo (Hermes) (Nêgo) (Evandro) e Macalé (Joãozinho). Técnico: Paulista.

GRÊMIO
Cláudio (Maracanã), Maninho (Lúcio), Grossi, Didi (Mauro) e Wilson Godinho; Orlando e Nemias (Divino); Augustin (Carlinhos) (Osvaldinho), Invasão (Santos), Sérgio Augusto (Marcos) (Arnaldo) e Eduardo (Sinval). Técnico: Bugue.

JAGUAR
Índio (Silva), Jonas (Diogo) (Nazo), Cláudio Oliveira, Dão (Rui) e Canhoto (Edson); Felipe (Wilson) e Lúcio (Edmilson) (Magno) (Ventura); Carlos (Messias), Batista, Jorge (Jorranio) (Cláudio) e Oliveira (Gildo). Técnico: Eurípedes Bueno. 

SERVIÇO GRÁFICO
Jairo (Gaguinho) (Sinézio), Vavá, Paraguai (Eraldo), Melinho e Cesinha (Ximenes); César (Tião) (Tote) e Dazinho (Axel); Guairacá (Carlos Gomes), Walmir, Bazan (Clemilton) e Arnaldo (Edu). Técnico: Paulo Aurélio Quintela.


sexta-feira, 26 de junho de 2015

OS TÉCNICOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: Mozair Barbosa - 2ª parte



Mozair foi o treinador do Ceilandense durante o 1º turno do campeonato brasiliense de 1995. Logo depois, passou a dirigir o América, de Morrinhos, no campeonato goiano. Por último, foi treinador do Barra do Garças, do Mato Grosso, no Campeonato Brasileiro da Série B.
Voltou a treinar duas equipes no Campeonato Brasiliense de 1996: Brazlândia e Ceilandense.
No 1º semestre de 1997 foi o treinador do Itumbiara no campeonato goiano e do Ceilandense no campeonato brasiliense. No segundo semestre, dirigiu o Ceilandense no Campeonato Brasileiro da Série C.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

OS TÉCNICOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: Mozair Barbosa - 1ª parte



Mozair Silviano Barbosa é mineiro de Bambuí, onde nasceu no dia 29 de agosto de 1950.


Começou a jogar futebol nas categorias de base da Associação Esportiva Bambuiense - AEB, de sua cidade natal.
Veio para Brasília em 1967, na companhia de seus irmãos. Passou pelo Rabello nos últimos anos de existência desse clube e depois foi jogar no Torino, clube amador de Taguatinga. Ainda em Taguatinga jogou no Liberdade (outro clube de futebol amador da cidade). De 1974 a 1978, foi o meia-esquerda do Humaitá, do Guará, do Corinthians, também do Guará e também teve uma rápida passagem por Foz do Iguaçu, no Paraná, onde recebeu uma proposta de seu amigo Vilmar para formar a dupla de meio-de-campo da equipe.

De forma prematura, aos 28 anos de idade, resolveu parar de jogar bola, pois percebeu que era um jogador mediano e não iria render financeiramente.
Ainda em 1978, participou dos cursos de Técnico de Futebol e Técnico em Desportos, ministrados pela Associação de Garantia ao Atleta Profissional - AGAP.

No mesmo ano, sua carreira de treinador de futebol teve início, nos juvenis do Clube de Regatas Guará, clube que retornava ao futebol brasiliense depois de uma fusão entre Humaitá e Corinthians, ambos da cidade do Guará.
O Guará ficou com o vice-campeonato, atrás somente do Brasília, e também conquistou a Taça Disciplina.
No 1º semestre de 1979, Mozair foi técnico dos juvenis do Guará, clube que foi o terceiro colocado do campeonato da categoria. No dia 24 de abril de 1979 foi apresentado como novo técnico da categoria de profissionais, em substituição a Airton Nogueira. No 2º semestre, foi Auxiliar Técnico da Seleção Brasiliense de juvenis, dirigida por Martim Francisco, e assumiu o time profissional do Guará, interinamente, durante o Campeonato Brasileiro.
Começou o ano de 1980 como treinador da categoria de juniores do Guará. Logo depois passou a ser o treinador da categoria de profissionais do clube, dirigindo o Guará no campeonato brasiliense e também no Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão.
Retornou para as categorias de base ao tornar-se técnico da equipe de juniores da Sociedade Esportiva do Gama, quando foi vice-campeão do DF em 1981. Depois disso, trabalhou como Supervisor no Guará durante o Torneio Seletivo para o Campeonato Brasileiro de 1981.
Passou todo o ano de 1982 trabalhando com a categoria de juniores do Guará.

Brasília campeão de 1983
No dia 19 de abril de 1983, chegou ao Brasília Esporte Clube. Manteve a base da equipe organizada por seu antecessor Jorge Medina, contou com poucos reforços e promoveu alguns juniores, entre eles o ponta-direita Santos, artilheiro e sensação do torneio. Com essa receita, sagrou-se campeão brasiliense pela primeira vez, à frente da equipe por 52 jogos, provavelmente um recorde em se tratando de treinadores no futebol brasiliense.
Foi o treinador do Brasília durante o Campeonato Brasileiro da Primeira Divisão.
Começou a temporada de 1984 como técnico do Brasília, logo se transferindo para o Sobradinho Esporte Clube, equipe onde foi apresentado no dia 8 de maio, vencendo o 1º turno, perdendo o segundo para o Brasília e, com a chegada de Nielsen Elias para o Sobradinho, passou a ser o treinador do Guará na mesma competição, a partir de 9 de setembro, já no terceiro turno.
Foi o treinador do Guará no 1º turno do Campeonato Brasiliense de 1985. No segundo e terceiro turnos, passou a dirigir o Taguatinga Esporte Clube, vencedor deste último. Na classificação final o Taguatinga ficou com o vice-campeonato do DF.
Continuou no Taguatinga em 1986, vencendo o Torneio Início disputado no dia 26 de janeiro de 1986, no Estádio Mané Garrincha. No Campeonato Brasiliense levou o Taguatinga a conquistar o segundo turno e a ficar com o vice-campeonato no final da competição.
Encerrando a temporada, o Taguatinga disputou o Torneio Paralelo, competição disputada por 36 clubes do Brasil e que classificava apenas o primeiro colocado de cada grupo para a Segunda Fase do Campeonato Brasileiro da Primeira Divisão.
Em 1987, mudou de ares e passou a treinar o Itumbiara Esporte Clube, campeão do Torneio Seletivo e quarto colocado no Campeonato Goiano. Além disso, disputou o Campeonato Brasileiro - Módulo Azul pelo clube do interior goiano.


Também em 1987 formou-se em Educação Física pela Faculdade Dom Bosco de Educação Física (Brasília-DF).
Voltou para Brasília em 1988, onde passou a treinar o Taguatinga, fazendo com que o clube conquistasse de forma invicta o 1º turno do campeonato do DF. No final do campeonato, o Taguatinga ficou com a terceira colocação.
Passou para o Grêmio Esportivo Tiradentes, levando esse clube ao quarto lugar na classificação final do Campeonato Brasileiro da Série C.
No mesmo ano esteve na Associação Atlética Anapolina, disputando o campeonato goiano.
No campeonato brasiliense de 1989 dirigiu o Tiradentes no 1º turno e o Gama no segundo e parte do terceiro, não conseguindo levar nenhum dos dois para o quadrangular final da competição.
Depois disso, partiu para Maceió, capital de Alagoas, onde passou a treinar o CSA local no campeonato estadual e na Copa do Brasil.
Em 1990 foi o treinador do Taguatinga nos dois turnos do campeonato brasiliense. O Taguatinga ficou com a segunda colocação no geral.
Também foi técnico do Taguatinga na Copa do Brasil de 1990, quando o time do DF superou o Vitória (BA) na Primeira Fase e foi desclassificado pelo Flamengo (RJ) na Segunda.
Logo depois passou a dirigir o Tiradentes no Torneio Seletivo, que indicaria o representante do Distrito Federal para o Campeonato Brasileiro da Série C de 1990. Perdeu a final para o Gama.
Em 1991 dirigiu o Tiradentes durante o campeonato brasiliense, não conseguindo levar o clube a uma boa colocação no final da competição.
Assumiu a equipe do Itapuranga Esporte Clube em janeiro de 1992, iniciando os preparativos para o Campeonato Goiano da Segunda Divisão. O Itapuranga chegou em terceiro lugar no seu grupo (apenas os dois primeiros colocados passavam para o quadrangular final). Deixou a equipe na antepenúltima rodada da competição, em maio.
Retornou ao futebol brasiliense, quando dirigiu duas equipes no campeonato do DF: foram 8 jogos no Taguatinga, de 14 de junho a 26 de julho, e 10 no Tiradentes, de 26 de setembro a 31 de outubro de 1992.
Por poucos jogos, nesse ano ainda dirigiu o Pires do Rio no Campeonato Goiano.
Aproveitando que o campeonato goiano de 1993 foi disputado antes do certame brasiliense, Mozair foi treinador de duas equipes durante o campeonato de Goiás: Anapolina e Itumbiara.
De volta ao Distrito Federal, foi um dos treinadores do Taguatinga, que se tornou campeão brasiliense de 1993. Passou para o Tiradentes e venceu o torneio que apontou o representante do DF no Campeonato Brasileiro da Série B de 1994.

Participou do curso de técnico de futebol e técnico em desportos ministrado pelo Sindicato dos Treinadores Esportivos do Estado de São Paulo.
No primeiro semestre de 1994 voltou a treinar duas equipes durante o campeonato goiano desse ano: Anápolis e Inhumas.
No campeonato brasiliense, disputado no segundo semestre, foi o treinador do Tiradentes. Neste clube também foi o treinador durante o Campeonato Brasileiro da Série B.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

AS SELEÇÕES DE BRASÍLIA: CONTRA O ATLÉTICO MINEIRO EM 1964




No dia 12 de agosto de 1964, a Federação Desportiva de Brasília escolheu os nomes dos membros de uma Comissão que faria a convocação dos jogadores da Seleção do Distrito Federal para o amistoso frente ao Atlético Mineiro.
Foram eles Ciro Machado do Espírito Santo (Presidente), Norberto Teixeira Fernandes (Coordenador) e Atarcísio Antônio de Andrade (Orientador Técnico). Este último foi o responsável pela indicação de Waldyr de Carvalho para ser o treinador da seleção brasiliense.
Didi de Carvalho convocou os seguintes jogadores:
Do Rabello: Gaguinho, Aderbal, Bimba, Beto Pretti, Djalma e Sabará
Defelê: Matil, Alonso Capela, Fernandinho, Walter, Jair e Arnaldo
Luziânia: Invasão
Cruzeiro do Sul: Zezé, Paulinho e Pedersoli
Dínamo: Goiano e Lúcio
Nacional: Zezito, Eufrásio, Logodô e Alberto
Colombo: Índio, Sir Peres, Paulista, Baiano e João Dutra.
No dia 22 de agosto os médicos José Gerson de Queiroz Barbosa e Júlio Capilé examinaram os atletas da seleção.
Menos de duas semanas depois, no dia 23 de agosto de 1964, o selecionado brasiliense enfrentou o Atlético Mineiro, conquistando um bom resultado: empate em 1 x 1.
Os dois gols do jogo foram marcados através da cobrança de pênaltis: Djalma, para a Seleção do Distrito Federal, e Décio Teixeira, para o Atlético Mineiro.
O jogo foi realizado no Estádio Ciro Machado do Espírito Santo, de propriedade do Defelê, e teve como árbitro Eduíno Edmundo Lima, da Federação Desportiva de Brasília.
A Seleção do Distrito Federal formou com Gaguinho, Aderbal, Bimba, Sir Peres e Lúcio; João Dutra e Beto Pretti (Paulista); Sabará (Fernandinho), Djalma, Baiano (Alaor Capella) e Arnaldo. Técnico: Didi de Carvalho.
Já o Atlético Mineiro contou com Joélcio, Marcelino (Warlei), Grapete, Bueno e Décio Teixeira; Buglê e Benê; Buião, Luiz Carlos (Coutinho), Tito (Viladôniga) e Hélio. Técnico: Afonso Silva.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A HISTÓRIA DA TERCEIRA DIVISÃO NO DF - 4ª e última parte - 2009


O Campeonato Brasiliense da Terceira Divisão de 2009 teve início no dia 3 de outubro e encerramento em 5 de dezembro. Foi disputado em três fases, respeitados em cada uma delas os critérios de desempate estabelecidos no regulamento.
Na Primeira Fase os sete clubes participantes jogaram todos contra todos em turno único, num total de sete rodadas, classificando-se para a Segunda Fase os quatro clubes com o maior número de pontos ganhos. 
Na Segunda Fase (semifinais), os confrontos foram: 1º colocado x 4º colocado e 2º colocado x 3º colocado, em jogos de ida e volta, sendo o jogo de volta no estádio do primeiro e segundo colocados. No caso de empate ao final desses confrontos, o clube com melhor índice técnico na Primeira Fase passaria para a final. No caso de vitórias alternadas, prevaleceria o saldo de gols só desta fase.
A Final foi disputada em jogo único, reunindo os vencedores das duas semifinais. No caso de empate no tempo normal, o clube de melhor índice técnico na primeira fase seria declarado campeão.
Os dois finalistas, além de serem declarados campeão e vice-campeão da 3ª Divisão de 2009, garantiriam vaga na Segunda Divisão de 2010. 

CLUBES PARTICIPANTES:

BOSQUE FORMOSA ESPORTE CLUBE, de Formosa (GO)
CAPITAL CLUBE DE FUTEBOL, do Guará (DF)
CLUBE ATLÉTICO BANDEIRANTE, do Núcleo Bandeirante (DF)
PARANOÁ ESPORTE CLUBE, do Paranoá (DF)
RENOVO SPORTING CLUBE, de Samambaia (DF)
SOBRADINHO ESPORTE CLUBE, de Sobradinho (DF)
SOCIEDADE ESPORTIVA PLANALTINA, de Planaltina de Goiás (GO)

JOGOS

03.10.2009 
SOBRADINHO 0 x 1 PLANALTINA
04.10.2009 
BOSQUE FORMOSA 1 x 0 RENOVO
PARANOÁ 0 x 6 CAPITAL
10.10.2009 
PLANALTINA 2 x 0 BOSQUE FORMOSA
RENOVO 1 x 0 PARANOÁ
CAPITAL 1 x 1 BANDEIRANTE
17.10.2009 
BANDEIRANTE 1 x 2 PARANOÁ
18.10.2009 
RENOVO 1 x 0 CAPITAL
BOSQUE FORMOSA 1 x 0 SOBRADINHO
24.10.2009 
PARANOÁ 2 x 1 PLANALTINA
SOBRADINHO 2 x 1 BANDEIRANTE
CAPITAL 3 x 2 BOSQUE FORMOSA
31.10.2009 
SOBRADINHO 1 x 0 RENOVO
PLANALTINA 1 x 1 BANDEIRANTE
BOSQUE FORMOSA 1 x 0 PARANOÁ
07.11.2009 
PARANOÁ 2 x 1 SOBRADINHO
PLANALTINA 1 x 2 CAPITAL
BANDEIRANTE 0 x 3 RENOVO
14.11.2009 
BANDEIRANTE 0 x 5 BOSQUE FORMOSA
RENOVO 1 x 0 PLANALTINA
CAPITAL 3 x 1 SOBRADINHO

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA PRIMEIRA FASE

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
CAPITAL
6
4
1
1
15
6
9
13
BOSQUE FORMOSA
6
4
0
2
10
5
5
12
RENOVO
6
4
0
2
6
2
4
12
PARANOÁ
6
3
0
3
6
11
-5
9
PLANALTINA
6
2
1
3
6
6
0
7
SOBRADINHO
6
2
0
4
5
8
-3
6
BANDEIRANTE
6
0
2
4
4
14
-10
2


SEMIFINAIS

21.11.2009 
PARANOÁ 0 x 4 CAPITAL
RENOVO 0 x 1 BOSQUE FORMOSA

28.11.2009 
CAPITAL 5 x 4 PARANOÁ
BOSQUE FORMOSA 0 x 0 RENOVO

FINAL
05.12.2009 
CAPITAL 3 x 3 BOSQUE FORMOSA

FICHA TÉCNICA DA FINAL

CAPITAL 3 x 3 BOSQUE FORMOSA
Data: 05.12.2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: José Caldas/DF
Expulsão: André Luís, do Formosa
Gols: Wellington Dias, 6; Mixirica, 15; Bruno, 37; Mixirica, 70; Fabinho, 80 e Diego Tezelli, 84
CAPITAL: Diego, Amaral (Michel), Hudson, Adriano e Filipinho (Urânio); Diego Tezelli, Wellington Dias, Fabinho e Fábio Lima (Kako); Renaldo e Djavan. Técnico: Adelson de Almeida.
BOSQUE FORMOSA: André Luís, Bruno, Léo, Renato Brasília e Augusto; Daniel, Leandro (Heli Carlos), Renato (Aílton) e Joédisson; Mixirica e Lino (Sávio). Técnico: Lúcio Faustino.

ARTILHEIROS:

1º - Djavan (Capital), 6 gols;
2º - Michel e Renaldo (Capital), 5;
3º - Wellington Dias (Capital), 4;
3º - Mixirica (Bosque Formosa), Lucas (Renovo), Tom (Sobradinho) e Clécio e Gilson (Paranoá), 3;
4º - Diego Tezelli (Capital), Bruno, Lino e Pedro Henrique (Bosque Formosa), Índio (Planaltina) e Ari (Sobradinho), 2; e 
5º - Allen, Brother, Dudu e Edson (Bandeirante), Cássio, Daniel, Heli Carlos, Leandro e Renato Brasília (Bosque Formosa), Caco, Hudson, Ramon, Robson e Urânio (Capital), Rodrigo, Roni e Thiaguinho (Paranoá), Fabiano, Kabila, Marquinhos e Mazinho Brasília (Planaltina) e Beto, Flávio e Kanu (Renovo), um gol cada.

Gol Contra
Rafael (do Bandeirante para o Paranoá).

REGISTROS & CURIOSIDADES DA TERCEIRA DIVISÃO DE 2009

Com a desistência do Clube de Regatas Guará, apenas sete clubes disputaram o título da Terceira Divisão de 2009. 
O Guará optou por não disputar a competição por problemas administrativos. 

Apostando em veteranos que brilharam no futebol de Brasília, o Capital era o favorito ao título e confirmou esse favoritismo. Depositou suas forças nos experientes Adriano, Renaldo e Wellington Dias, além de contar com o competente técnico Adelson de Almeida no comando. 

Sem muitas pretensões de acesso, o Renovo apostou no grupo de jogadores que vieram do interior do Brasil. Ficou com a terceira colocação.

Com contenção de despesas, o Paranoá preferiu apostar nas pratas da casa. A base do time foi formada por alguns ex-juniores e nomes como o atacante Juninho Paranoá e o volante Japão, ex-Dom Pedro II.

Outro que apostou no futebol dos veteranos foi o Planaltina. O time goiano teve em seu elenco os veteranos Mazinho Brasília, o goleiro Capucho e o meia Kabila. Não teve a mesma sorte do Capital. 

O Bandeirante apostava na torcida da cidade para ser a sua grande aliada para o acesso a Segunda Divisão. Com apoio da Administração Regional, o clube promoveu sorteios de brindes. A maior novidade ficou por conta da criação do “camarote do torcedor”, onde os adeptos puderam desfrutar de algumas regalias no estádio da Metropolitana, onde o Bandeirante mandou seus jogos. Mesmo com essas novidades, o clube foi último colocado na competição.

Sem grandes investimentos, o tradicional time do Sobradinho, bicampeão da Primeira Divisão em 1985/86, apostou nos talentos do futebol amador da cidade. Ficou na penúltima colocação,  

O técnico Adelson Almeida, que iria comandar o Ceilândia no Candangão 2010, comemorou muito o seu primeiro título como técnico profissional.