Total de visualizações de página

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

A SAGA DOS ARTILHEIROS BRASILIENSES


Washington

Uma tradição ofensiva difícil de justificar com a falta de expressão dos clubes brasilienses vem acontecendo nas competições nacionais realizadas há mais de 40 anos!
Brasília tornou-se pródiga em revelar GOLEADORES!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

A HISTÓRIA DA TERCEIRA DIVISÃO DO DF - 2ª parte


A CAMPANHA DO CAMPEÃO


Profissionalizado em 2006, depois de cinco anos de projeto social em categorias de base quando era chamado de “Legião de Craques”, o Legião realizou a seguinte campanha para conquistar o título: cinco vitórias, um empate e uma derrota. Teve o artilheiro da competição, Cassius, com 12 gols, e o goleiro menos vazado, Nilson, com seis.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A HISTÓRIA DA TERCEIRA DIVISÃO DO DF - 1ª parte


A Terceira Divisão do Campeonato Brasiliense foi disputada pela primeira vez na história do futebol brasiliense no ano de 2006.
Foram duas fases, com as quatro equipes participantes jogando entre si, em turno e returno. Ao final de cada turno foi declarado um campeão, que conquistou o direito de jogar a grande final em um único jogo, com a vantagem do empate no tempo normal para a equipe de melhor índice técnico nos dois turnos e o direito do mando de campo. Caso uma equipe fosse vencedora dos dois turnos, seria automaticamente declarada campeã do 1º Campeonato Brasiliense da 3ª Divisão de 2006.
A conquista também rendeu a única vaga na Segunda Divisão de 2007.

PARTICIPANTES

Com a desistência de última hora da Sociedade Esportiva Planaltina, participaram da competição apenas quatro equipes: Brasília e Legião, de Brasília, Recanto E. C., do Recanto das Emas, e Bosque, de Formosa.

CLASSIFICAÇÃO DOS DOIS TURNOS

1º TURNO

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
BRASÍLIA
3
2
1
0
12
3
9
7
LEGIÃO
3
1
1
1
9
3
6
4
BOSQUE
3
1
1
1
3
9
-6
4
RECANTO
3
0
1
2
3
12
-9
1

2º TURNO

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
LEGIÃO
3
3
0
0
19
2
17
9
BRASÍLIA
3
1
1
1
4
4
0
4
RECANTO
3
1
0
2
4
8
-4
3
BOSQUE
3
0
1
2
4
17
-13
1


A DECISÃO DO CAMPEONATO

Dessa forma, a final foi entre o Brasília, campeão do 1º turno, e o Legião, vencedor do 2º.
Dentro de campo, o Legião não deu chances ao Brasília. Apesar da vantagem do empate, graças a uma melhor campanha na Primeira Fase, o Legião saiu na frente ainda cedo, com apenas 12 segundos de jogo. O volante Lucas lançou Joãozinho na direita, o atacante cruzou na medida para Cassius cabecear no canto esquerdo.
O Brasília ainda tentava se recuperar, quando veio mais um gol, do mesmo Cassius. Aos 36 minutos, em pênalti de Vanderson em Fabinho, Cassius bateu no meio do gol.
A segunda etapa foi monótona. O Legião administrava a folga no placar, enquanto o Brasília partia para o desespero. Aos 32 minutos, o veterano Rogerinho deixou o atacante Beto livre para diminuir. Aos 34, Charles quase empatou em chute de fora da área. Mas o placar não foi mais modificado e o Legião pôde comemorar o seu primeiro título como profissional.

LEGIÃO 2 x 1 BRASÍLIA
Data: 19 de novembro de 2006
Local: Estádio Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Jamir Garcez
Público: 729 pagantes
Renda: R$ 729,00
Expulsões: Lucas, do Legião, e Vanderson, do Brasília
Gols: Cassius, 12 segundos e 36 e Beto, 77
LEGIÃO: Leandro Lopes, Messias, Ícaro, Adriano e Bobby; Lucas, Lima, Jarylson (Dinho) e Fabinho (Anderson); Joãozinho e Cassius (Charles). Técnico: Ricardo Freitas.
BRASÍLIA: Nilson, Jamaica (Zumba), Renato, Alex e Franklin (Beto); Giva, Marcelo, Vanderson e Rogerinho; Jhonny e Charles. Técnico: Josemar Macedo.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O 21 DE ABRIL NA HISTÓRIA DO FUTEBOL BRASILIENSE: 1966



Uma jogada infeliz do estreante Querosene, aos 35 minutos do 2º tempo, jogou por terra uma quase certa vitória do Rabello sobre o Fluminense, do Rio de Janeiro.
O amistoso foi disputado no dia 21 de abril de 1966, no Estádio da Federação Desportiva de Brasília, para comemorar o 5º aniversário da cidade de Brasília. O público de 9.154 pessoas proporcionou a renda de Cr$ 8.950.000,00.
O Rabello saiu na frente do marcador, com um gol assinalado por Reinaldo, aos 28 minutos do 1º tempo. Amoroso empatou aos 35 minutos do 2º tempo.
O Rabello atuou com Zé Walter, Jair (Querosene), Gegê, Mello e J. Pereira (Aderbal); João Dutra (Zé Maria) e Beto Pretti; Zezé (Agostinho), Djalma (Roberto), Otávio e Reinaldo.
O tricolor carioca jogou com Édson Borracha, Oliveira, Valdez, Riva e Bauer; Eliseu (Gibira) e Alves; Mário, Samarone, Valter (Amoroso) e Lula (Gilson Nunes). Técnico: Tim.
O árbitro foi Rubem Pacheco, de Brasília, que expulsou de campo o jogador Mário, do Fluminense.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

JOGOS DA PRIMEIRA RODADA DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2015



LUZIÂNIA 1 x 0 CRUZEIRO
Data: 25.01.2015
Local: Bezerrão, Gama (DF) - 10:00 horas
Árbitro: Rodrigo Raposo
Renda: R$ 1.480,00
Público: 193 pagantes
Gol: Éder, 37 (primeiro gol do campeonato brasiliense de 2015)
LUZIÂNIA: Edmar Sucuri, Santos, João Vitor (Chefe), Perivaldo e Clayton (Matheus); David, Pixote, Lucas Garcia e Marllon; Éder e Max Pardalzinho. Técnico: Ricardo Antônio de Souza Silva.
CRUZEIRO: Marlon, Willamy, Caio, Santiago e Romário; Zumba, Bocão (Quarenta), Eliton e Bruno; Thiago Silva e Pedrinho (Gotinha).Técnico: José Lopes de Oliveira (Risada).

GAMA 2 x 1 SANTA MARIA
Data: 25.01.2015
Local: Bezerrão, Gama (DF) - 16:00 horas
Árbitro: Christiano Nascimento
Renda: R$ 17.770,00
Público: 1.756 pagantes
Gols: Railan, 24 e Thiago Miracema, 57 e 73
GAMA: Jeferson, Dudu Gago, Eduardo, Gustavo e George (Rafinha); Baiano, Washington, Tiago Gaúcho e Juninho (Héricles); Hugo (Zé Augusto) e Thiago Miracema. Técnico: Gilson Granzotto.
SANTA MARIA: Anderson, Douglas, Gaúcho, Vitor e Messias; Davi (Jorge), Reis (Reinaldo), Junior e Allanzinho; Railan e Bruno (Paulo César). Técnico: Antônio Sérgio G. de Jesus (Sérgio Passarinho).

BRASILIENSE 3 x 3 CEILANDENSE
Data: 25.01.2015
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Rafael Diniz
Renda e público: portões fechados
Gols: Hugo Rangel, 9; Batata, 24; Luiz Carlos, 34; Leandro Chaves, 45; Gago, 82 e Ederson, 90+1
BRASILIENSE: Welder, Ângelo, Neto Gaúcho, Felipe e Felipe Assis; Douglas (Kelvin), Ederson, Gilmar (Claudecir), Leandro Chaves (Allann Delon) e Matheuzinho; Luiz Carlos.Técnico: Jonhes Elias Pinto dos Santos.
CEILANDENSE: Abraão, Katiomar, David, Mauro e Bolota; Augusto, Bigu (Alex), Gago e Rodrigo (Mateus); Batata e Hugo Rangel (Lucas). Técnico: Silvio de Jesus Silva.

SOBRADINHO 0 x 1 FORMOSA
Data: 25.01.2015
Local: Augustinho Lima, Sobradinho (DF)
Árbitro: Wales Martins
Renda e Público: portões fechados
Gol: Fred, 38
SOBRADINHO: Donizeti, Patrick (Vitinho), Carlão, Cauê (Nany) e Danilo; Didão, Dimba, Agenor e Marcelinho; Luan e Alcione (Baco). Técnico: Humberto J. Guimarães de Matos.
FORMOSA: Maringá, Clein, Rafael, Douglas e Leandro; Santiago, Dilson Rocha, Henrique e Willian Bahia (Jhonatan); Fred (Danilo) e Romário (Beto). Técnico: Emerson Carvalho Matheus.

CEILÂNDIA x PARACATU (*)
Data: 25.01.2015
Local: Abadião, Ceilândia (DF)
Árbitro: Alan Simei
Jogadores do Ceilândia que assinaram a súmula: 1. Léo, 2. Dudu, 3. Mário, 4. Victor Felipe, 5. Sandro, 6. Badhuga, 7. Edi Carlos, 8. Juninho, 9. Vinícius, 10. Filipe Cirne e 11. Cassius. Técnico: Adelson de Almeida.
Jogadores do Paracatu que assinaram a súmula: 1. Vitor, 2. Flavinho, 4. Binha, 5. Bruno, 6. Sabino, 7. Luisinho, 8. Fabrício e 9. Luan. Técnico: Alex Oliveira.
(*) 
A equipe do Paracatu apresentou a relação de oito atletas para a partida.
Quando adentraram o gramado para o início da partida havia somente sete atletas. O técnico do Paracatu, Alex Oliveira, informou que o nº 2, Flavinho, passou mal, com problemas estomacais durante o aquecimento.
Ao primeiro minuto de jogo o goleiro do Paracatu, Vitor, caiu no campo após chutar a bola, alegando sentir dores no joelho direito, solicitando que houvesse atendimento. Foi feito pelo fisioterapeuta do Paracatu, Mateus Neiva Martins, e este disse que não havia condições de o goleiro permanecer na partida dada a gravidade de sua lesão.
A partida foi encerrada aos quatro minutos do 1º tempo, pois a equipe do Paracatu não possuía o número mínimo de atletas necessários para a realização de uma partida, que é de sete.
NOTA: segundo alegação da diretoria do Paracatu, os outros atletas não foram inscritos a tempo na Confederação Brasileira de Futebol, não aparecendo no Boletim Informativo Diário.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

GRANDES RESULTADOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: VIRADA PARA CIMA DO ATLÉTICO MINEIRO







O Galo do DF levou a melhor sobre o 
Galo de Minas







Contrariando os prognósticos, o Planaltina surpreendeu o Atlético Mineiro no dia 13 de agosto de 1995, no Estádio Adonir Guimarães, e venceu, de virada, o jogo amistoso em comemoração aos 136 anos da cidade-satélite de Planaltina.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

SÉRIE “AS SELEÇÕES DE BRASÍLIA”: EMPATE COM O FUTURO CAMPEÃO BRASILEIRO



No dia 7 de maio de 1995 a Federação Brasiliense de Futebol divulgou a lista dos jogadores convocados para o amistoso contra o Botafogo, do Rio de Janeiro, que seria realizado em 11 de maio de 1995, no Estádio Mané Garrincha.
Nota: no dia 17 de dezembro desse mesmo ano, o Botafogo se tornaria campeão brasileiro.

O técnico da seleção brasiliense, Déo de Carvalho, treinador do Guará, foi o responsável pela escolha dos jogadores e fez questão de frisar que o critério utilizado foi fazer a convocação pensando no entrosamento entre os jogadores. Por isso, a base do selecionado local foi composta por jogadores do Gama, líder e melhor time do campeonato brasiliense de 1995, até então.

Foram convocados:
Goleiros - Chagas (Guará) e Marco Antônio (Sobradinho) - cortado depois que sofreu uma luxação no ombro, sendo convocado para o seu lugar Márcio (Gama);
Laterais - Chaguinha (Gama), Paulo Henrique (Gama) e Carlos Eduardo (Guará);
Zagueiros - Flávio (Tiradentes), Gerson (Gama), Trajano (Taguatinga), Adriano e Wilton (Guará);
Meio campistas - Edi Carlos e Luís Fábio (Guará), Nino (Brasília), Flávio Katioco e Gilmar (Gama), Josimar (Ceilandense); Marquinhos (Samambaia) - este também foi cortado após uma torção no joelho; para seu lugar foi chamado Edmar (Brasília);
Atacantes - Carlinhos (Gama), Romero (Guará), Dimba (Sobradinho), Washington (Comercial) e Gil (Planaltina).
Quando chegou à Brasília, o Botafogo era líder do octogonal decisivo do Campeonato Carioca (que terminaria em terceiro lugar) e trazia como principal atração o artilheiro Túlio Maravilha.
A delegação, composta por 25 pessoas, sendo 18 jogadores, seguiu para o Eron Brasília Hotel. O Botafogo recebeu a cota de R$ 70 mil.
Há quase quatro anos o Botafogo não jogava em Brasília, sendo que na última vez empatou com o Guará em 0 x 0, no dia 25 de maio de 1991.
A seleção brasiliense fez apenas um coletivo apronto de 50 minutos na véspera do jogo, no CAVE, quando o técnico Déo de Carvalho definiu o time que começaria jogando. Ao final do treino os jogadores seguiram para o Torre Palace Hotel, onde ficaram concentrados até pouco antes do jogo.
O jogo começou com uma hora e dez minutos de atraso por dois motivos: primeiro devido às emissoras de rádio que foram obrigadas a transmitir o horário político; segundo porque o vice-presidente financeiro do Botafogo, José Luiz Rolim, somente deixou o time entrar em campo após ter em mãos os R$ 70 mil a que o clube teve direito como cota pelo amistoso.
Apesar do longo atraso, o primeiro tempo foi bastante movimentado. A primeira oportunidade de marcar gol foi da seleção brasiliense, aos 19 minutos, em chute de Paulo Henrique, que Wagner espalmou para escanteio.
Logo em seguida, a equipe carioca deu a resposta com Túlio, que perdeu o gol na pequena área, chutando de voleio por cima da trave.
Aos 36, mais uma vez os brasilienses levaram perigo ao gol de Wagner, em cabeçada de Carlinhos.
No contra-ataque, Guga perdeu uma ótima chance, também na pequena área. Um minuto depois, Nino arriscou de fora da área, para grande defesa de Wagner.
No intervalo, Jair Pereira começou a poupar seus titulares e o nível do jogo caiu muito, permanecendo o 0 x 0 até o seu final.
A ficha técnica desse jogo foi a seguinte:

SELEÇÃO DO DF 0 x 0 BOTAFOGO (RJ)
Data: 11 de maio de 1995
Loca: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Sérgio da Silva Carvalho (DF)
Renda: R$ 87.310,00
Público: 7.299 pagantes
SELEÇÃO DO DF: Chagas, Chaguinha, Gerson, Wilton e Paulo Henrique; Edi Carlos, Nino (Dimba), Luiz Fábio (Flávio Katioco) e Gilmar; Carlinhos (Edmar) e Gil (Romero). Técnico: Adelmar Carvalho Cabral (Déo).
BOTAFOGO: Wagner, Wilson Goiano, Wilson Gottardo (Guto), Márcio Theodoro e Jefferson; Jamir, Moisés (Luís Carlos Winck), Beto (Niltinho) e Sérgio Manoel (Adriano); Túlio (Julinho) e Guga. Técnico: Jair Pereira.