Total de visualizações de página

sábado, 10 de dezembro de 2016

OS CAMPEÕES BRASILIENSES: Sobradinho - 1986




Em 1985 o Sobradinho Esporte Clube conquistou seu primeiro título de campeão brasiliense de futebol profissional. No ano seguinte, repetiria esse feito, chegando ao bicampeonato.
Oito clubes disputaram o Campeonato Brasiliense de 1986 em dois turnos, cada um deles com duas fases. Classificaram-se para as semifinais do campeonato o Sobradinho, campeão do primeiro turno, o Taguatinga, vencedor do segundo, mais Brasília e Tiradentes, por índice técnico.
Na decisão, entre Sobradinho e Taguatinga, aconteceu empate de 2 x 2 no primeiro jogo e vitória do Sobradinho no segundo por 1 x 0.
O segundo título de campeão brasiliense do Sobradinho foi conquistado de forma semelhante ao primeiro: disputou 21 jogos, venceu onze, empatou sete e perdeu três. Marcou 25 gols e sofreu 11, terminando com um saldo de 11 gols. O seu percentual de aproveitamento foi de 69%.
Dois treinadores dirigiram o Sobradinho em 1986: José Antônio Furtado Leal, que foi campeão em 1985, esteve à frente do clube em dezenove oportunidades. Nas duas primeiras partidas, o time foi dirigido por José Geraldo Andrade Neto.
Da mesma forma que em 1985, o Sobradinho utilizou 20 jogadores para conquistar seu segundo título de campeão brasiliense. Nenhum deles disputou todos os 21 jogos do Sobradinho no campeonato. Por outro lado, oito jogadores disputaram vinte jogos. 
Essa foi a performance dos 20 jogadores do Sobradinho na conquista do bicampeonato brasiliense (1985/1986): 

P
APELIDO
NOME COMPLETO
JD
GM
GS
G
Bocaiúva
Irineulir Antônio Fróes
20
13
G
Atayde
Atayde Benevides Santos Prado
1
1
Z
Chiquinho
Francisco Soares de Lira
20
2
Z
Toinzé
Antônio José Sousa dos Santos
8
Z
Hani
Hani Bazzi
17
Z
Rildo
Rildo Alves Dias
20
4
Z
Claudinho
Luiz Cláudio Mendonça Gonzaga
20
Z
Marcelo
Semer Marcelo da Silva
2
MC
Zé Nilo
José Nilo do Nascimento
16
1
MC
Filó
Filomeno Barbosa Dias
20
1
MC
Artur
Artur Neto Campos da Silva
6
MC
Michael
Michael José Bastos
19
3
MC
Wellington
Wellington Jorge Vicente da Silva
15
MC
Marcos
Marcos José Melo de Souza
2
A
Matéia
José de Arimatéia Menezes Bonfim
7
A
Régis
Reginaldo Miguel da Silva
20
7
A
Silva
Wellington Silva do Carmo
1
A
Toni
Antônio José Gomes de Matos
20
5
A
Warley
Warley Costa Silva
2
A
Jamil
Jamil Gomes Lobão
20
2

P = posições: G - goleiro, Z - zagueiro, MC - meio de campo e A - atacante
JD = jogos disputados
GM = gols marcados
GS = gols sofridos

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

HÁ 50 ANOS NO FUTEBOL BRASILIENSE: Clássico empatado!




Mais um clássico “Rabelê”, envolvendo Rabello e Defelê, foi realizado no dia 9 de dezembro de 1966, no estádio “Ciro Machado do Espírito Santo”, do Defelê.

Todos os gols desse amistoso foram marcados no 2º tempo. Depois de abrir 2 x 0 no marcador, o Rabello permitiu o empate ao Defelê. Aderbal, aos 5 minutos, e Roberto, aos 19, fizeram os gols do Rabello. 

Invasão, aos 23, e Djalma, aos 30, empataram para o Defelê.


Jogou o Rabello com Dico, Aderbal, Gegê, Carlão (Mello) e Helinho; Moacir e Zé Maria; Zezé, Zoca (Otávio), Roberto e Arnaldo. O Defelê atuou com Tonho, Matarazzo, Décio, Bugue e Wilson; Quincas e Gaúcho; Delson (Bawany), Vitinho (Solon), Djalma e Invasão.
O árbitro do jogo foi Nilzo de Sá, que expulsou Décio, do Defelê.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

CLUBES DO DF: Planaltinense Atlético Clube





Fundado em 8 de dezembro de 1996, o Planaltinense Atlético Clube tinha sede na Avenida Marechal Deodoro, Quadra 11, Lote 8, em Planaltina.
Em seu histórico, não consta participação na Primeira Divisão do Campeonato Brasiliense, apenas na Segunda, de 2000 a 2003.
Estreou no dia 2 de setembro de 2000, enfrentando a S. E. Planaltina, em Planaltina de Goiás (GO). Com um gol marcado por Genilson, venceu por 1 x 0.
Em 2000, participaram 14 equipes. O Planaltinense ficou em oitavo lugar, com a seguinte campanha: 12 jogos, 5 vitórias, 1 empate e 6 derrotas. Marcou 11 gols e sofreu 19. Somou 16 pontos, exatamente a metade do campeão Brasiliense.
Voltou a fazer uma campanha ruim no ano seguinte, 2001, chegando em 10º lugar entre os 16 clubes participantes. Nos 14 jogos que disputou, venceu seis, empatou três e perdeu cinco; marcou 17 gols e sofreu 14.
Em 2002 fez uma boa campanha, conseguindo classificação para a Segunda Fase do campeonato, quando terminou no quinto lugar entre os dez participantes. Foram 13 jogos, com 5 vitórias, 1 empate e 7 derrotas; marcou 14 gols e sofreu 18.
Em sua última participação no Campeonato Brasiliense da Segunda Divisão disputou cinco jogos, sem conseguir uma vitória sequer. Ainda empatou um jogo e sofreu quatro derrotas; marcou quatro gols e sofreu treze.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

DUELO: BRASILIENSE x CHAPECOENSE




Até agora, o Brasiliense foi o único clube do DF a enfrentar a Associação Chapecoense de Futebol em jogos válidos pelo Campeonato Brasileiro, todos eles pela Série C.
Foram apenas quatro jogos e o clube catarinense permaneceu sem derrota: duas vitórias da Chapecoense e dois empates.

Argel Fucks
A primeira vez que se encontraram foi no dia 26 de setembro de 2011 (uma segunda-feira), no Serejão, na rodada de abertura da Segunda Fase da Série C do Campeonato Brasileiro desse ano.
O Brasiliense estreava o técnico Argel Fucks e saiu na frente, abrindo 2 x 0, com gols de Fabiano Gadelha (aos 22 minutos do 1º tempo) e Djavan (aos 18 do 2º). Mas os visitantes reagiram e chegaram a igualdade com Neilson (29 do 2º) e Neném, já nos minutos finais do jogo (38 do 2º).



BRASILIENSE 2 x 2 CHAPECOENSE
Data: 26.09.2011
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Arilson da Conceição (BA)
Público: 2.210 pagantes
Gols: Fabiano Gadelha, 22; Djavan, 63; Neilson, 74 e Neném, 83
BRASILIENSE: Welder, Cicinho (Alan), Raphael, Teco e Edinho; Deda, Ederson, Ferrugem e Fabiano Gadelha; Tuta (Bebeto) e Diego Lira (Djavan). Técnico: Argel Fucks.
CHAPECOENSE: Rodolfo, Sagaz (Nequinha), Grolli, Marcos Alexandre (Diogo Oliveira) e Diego Felipe; Everton César, Diego, Aelson e Neném (Neguetti); Jean Carlos e Neilson. Técnico: Mauro Ovelha.


A segunda partida entre Brasiliense e Chapecoense foi no dia 30 de outubro de 2011, na despedida de ambos do Campeonato Brasileiro da Série C. 
A Chapecoense recebeu o Brasiliense na Arena Condá e o derrotou por goleada: 3 x 0, com gols de Valdo (contra, logo a dois minutos de jogo), Neném e Fabinho.
Com esse resultado, o Brasiliense terminou na lanterna do Grupo F. A Chapecoense ficou uma posição acima, com um ponto a mais. Joinville e Ipatinga seguiram adiante.

Fabiano
CHAPECOENSE 3 x 0 BRASILIENSE
Data: 30.10.2011
Local: Arena Condá, Chapecó (SC)
Árbitro: Francisco Santos Silva Neto
Gols: Valdo (contra), 2; Neném, 63 e Fabinho, 78
CHAPECOENSE: Rodolfo, Fabiano (*), Cleber Goiano Neguetti e Aelson (Fabinho); Rodrigo Tissen, Nequinha (Diogo Oliveira), Diego Felipe e Neném; Jean Carlos (Ronaldo) e Neilson. Técnico: Mauro Ovelha.
BRASILIENSE: André Luís, Cicinho (Jonathan), Moacri, Raphael e Edinho; Valdo, Ferrugem, Diego Tezelli e Tallys; Djavan (Diego Lira) e Elivelto (Ederson). Técnico: Alexandre Sanz.
(*) Fabiano está atualmente no Palmeiras e foi inclusive o autor do gol do título brasileiro na vitória de 1 x 0 sobre a Chapecoense, no dia 27 de novembro último.


Brasiliense e Chapecoense permaneceram no Campeonato Brasileiro da Série C em 2012 e voltaram a se enfrentar em duas ocasiões.
Novamente estreando um técnico, Ney da Matta, no dia 4 de agosto de 2012, no Serejão, Brasiliense e Chapecoense empataram em 1 x 1.
Destaque da partida, o lateral-direito Bocão abriu o placar para o time da casa logo aos seis minutos de jogo. Mas os visitantes reagiram rápido e empataram a partida através do meia Eliomar, aos doze. 
Por volta dos vinte minutos do segundo tempo, o técnico Ney da Matta exagerou nas reclamações e foi expulso de campo, deixando o comando do time a cargo do preparador físico Talles Warol.

BRASILIENSE 1 x 1 CHAPECOENSE
Data: 04.08.2012
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Carlos Ronne de Paiva (AC)
Renda: R$ 1.972,00
Público: 819 pagantes
Gols: Bocão, 6 e Eliomar, 12
BRASILIENSE: Welder, Luan, Leandro Camilo e Ênio; Bocão, Andrade, Ferrugem, Baiano (Djavan) e Hugo (Ruy); André Luiz (Elivelto) e Luiz Carlos. Técnico: Ney da Matta.
CHAPECOENSE: Nivaldo, Fabiano, André Paulino, Sousa e Willian; Wanderson, Paulinho Dias (Dudu), Eliomar (Esquerdinha) e Athos; Lê e Jô (Cristiano). Técnico: Itamar Schulle.

No quarto encontro entre Brasiliense e Chapecoense, no dia 6 de outubro de 2012, na Arena Condá, o Brasiliense foi novamente goleado por 3 x 0 e praticamente perdendo as chances de chegar à segunda fase da competição. Por outro lado, a Chapecoense disparou na liderança do Grupo B.
Os gols do jogo foram marcados por Paulinho Dias, Jô e Wanderson, todos no segundo tempo. Somente uma milagrosa combinação de resultados poderia levar o Brasiliense a passar para a próxima fase (o que acabou não acontecendo; a Chapecoense terminaria em terceiro e com direito a uma das vagas para a Série B de 2013).

CHAPECOENSE 3 x 0 BRASILIENSE
Data: 06.10.2012
Local: Arena Condá, Chapecó (SC)
Árbitro: Fabrício Neves Correa (RS)
Renda: R$ 29.600,00
Público: 2.967 pagantes
Gols: Paulinho Dias, 46; Jô, 82 e Wanderson, 90+2
CHAPECOENSE: Nivaldo, Fabiano, André Paulino, Rafael Mineiro (Dudu Figueiredo) e Gilton; Wanderson, Rafael Lima, Paulinho Dias e Athos (Dudu); Rodrigo Grahl e Jô. Técnico: Gilmar Dal Pozzo.
BRASILIENSE: Guto, Thiago Crispin, Fábio Braz, Leandro Camilo e Azevedo (Bocão); Jordã, Baiano, Ferrugem e Everton; Rafael Ipuã (Hugo) e Frontini (Washington). Técnico: Márcio Fernandes.


NA COPA DO BRASIL

Também na Copa do Brasil o único clube do DF a enfrentar a Chapecoense foi o Brasiliense.
Foram dois jogos, ambos em 2010, apontando uma vitória para cada lado.

Quando enfrentou o Brasiliense no jogo de ida, a Chapecoense estava na penúltima posição do Campeonato Catarinense e também atravessava um momento de transição entre treinadores. Mas a mudança de competição trouxe alma nova ao clube catarinense, que atropelou o Brasiliense no jogo de ida, passando a ter uma boa vantagem para o jogo de volta.

CHAPECOENSE 3 x 0 BRASILIENSE
Data: 24.02.2010
Local: Arena Condá, Chapecó (SC)
Árbitro: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Expulsões: Basílio, da Chapecoense, e Ailson, do Brasiliense
Gols: Badé, 39; Bruno Cazarine, 68 e Rafael Morisco, 78
BRASILIENSE: Guto, Ailson, Marco Aurélio e Schmoeller (Robert); Edinho (Marcinho), César Gaúcho, Juninho (Vanderlei), Pedro Ayub e Iranildo; Bebeto e Ricardinho. Técnico: Roberto Fernandes. 
CHAPECOENSE: Ricardo, Rafael Morisco, Aelson (Steve) e Badé; Basílio, Luiz André, Sílvio Bido, Luciano Ratinho e Neném (Tuto); Waldson (Mazinho) e Bruno Cazarini. Técnico: Suca. 

Precisando marcar pelo menos três gols no jogo de volta, o Brasiliense mandou a campo uma equipe bastante ofensiva, com apenas um volante. Ainda assim, não obteve o resultado necessário e foi eliminado na primeira fase pela primeira vez em oito participações.
Totalmente desorganizado taticamente, principalmente em seu setor defensivo, o Brasiliense teve no seu goleiro Guto o melhor jogador em campo, evitando que a Chapecoense fizesse pelo menos quatro gols no 1º tempo.
Mesmo jogando mal, o Brasiliense abriu o placar. Pouco depois, ampliou o marcador. Parecia que ia conseguir seu objetivo de marcar pelo menos três gols, mas não passou disso.
No segundo tempo, o Brasiliense até tentou chegar ao terceiro gol, mas, num contra-ataque, quando faltavam dez minutos para o fim do jogo, a Chapecoense marcou um gol e acabou de vez com a esperança do Brasiliense.

BRASILIENSE 2 x 1 CHAPECOENSE
Data: 10.03.2010
Local: Serejão, Taguatinga (DF) 
Árbitro: Péricles Bassols Cortez (RJ)
Renda: R$ 3.024,00
Público: 1.958 pagantes
Gols: Marcinho, 33; Vanderlei, 37 e Mazinho, 80
BRASILIENSE: Guto, Cicinho, Juliano, Moacri e Edinho (Ricardinho); Pedro Ayub, Marcinho (Sidny), Thiaguinho e Iranildo (Dori); Bebeto e Vanderlei. Técnico: Roberto Fernandes.
CHAPECOENSE: Ricardo, Sagaz (Steve), Rafael Morisco, Felipe e Badé; Luiz André, Sílvio Bido, Luciano Ratinho (Mazinho) e Neném (Tuto); Waldson e Bruno Cazarini. Técnico: Suca.


RESUMO DO DUELO BRASILIENSE x CHAPECOENSE


TOTAL DE JOGOS
6
VITÓRIAS DO BRASILIENSE
1
VITÓRIAS DA CHAPECOENSE
3 (*)
EMPATES
2
GOLS A FAVOR DO BRASILIENSE
5
GOLS A FAVOR DA CHAPECOENSE
13
(*) curiosamente, as três pelo placar de 3 x 0.