Total de visualizações de página

domingo, 25 de setembro de 2016

OS TÉCNICOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: Elizeu Bernardo




O ex-jogador e ex-técnico Elizeu de Sousa Bernardo está completando 76 anos no dia de hoje.
Elizeu Bernardo nasceu em Cachoeiro do Itapemirim-ES, em 25 de setembro de 1940.
Começou sua carreira no Estrela do Norte, em 1953 e assinou o seu primeiro contrato profissional no E. C. São João, de Campos (RJ), onde disputou o campeonato daquela cidade no ano de 1954.
Depois, em 1955, se transferiu para o futebol de Minas Gerais, onde jogou no Tupinambá, de Juiz de Fora. 
Em São Paulo jogou na Ponte Preta, de Campinas (1956), São Bento, de Marília (1957), S. E. Sanjoanense, de São João da Boa Vista (1958) e no São Sebastião (1958 a 1963). No futebol paulista jogou durante sete anos. 

Em 1963, pela primeira vez defendeu uma equipe do Distrito Federal, ao disputar o campeonato brasiliense de 1963 com a camisa do C. R. do Guará. Estreou no dia 15 de agosto de 1963, no estádio Aristóteles Góes, na vitória do Guará sobre o Defelê, por 3 x 2. Sua última partida foi em 29 de setembro de 1963.

Em 1964, quando pensava em retornar ao futebol paulista, por indicação do jogador Toco o Luziânia o contratou.

Em 1965, foi vendido pelo Luziânia para o Ypiranga, de Anápolis-GO. O Ypiranga o emprestou ao Atlético Jaboticabal, de onde retornou para o Luziânia e, a seguir, foi negociado com o Atlético Mineiro, onde também teve uma rápida passagem, atuando apenas em alguns amistosos. 
O time do Atlético Mineiro era dirigido por Paulo Amaral que fora preparador físico da Seleção Brasileira na Copa do Mundo na Inglaterra. Quando foi substituído pelo técnico Gradim, este solicitou a contratação de mais dois zagueiros.
Elizeu, então, foi para o Caxias, do Espírito Santo, em 1967, onde ficou por um ano e meio e passou para o Industrial, de Linhares (ES) em 1968, onde teve a sua primeira experiência como treinador. 
Ainda em 1968, retornou para o Luziânia e encerrou a sua carreira de jogador, já na fase amadora, em 1974. 
Nesse mesmo ano foi treinador do Luziânia no campeonato brasiliense, sendo que a primeira vez foi em 11 de abril de 1974, na derrota para o Jaguar, substituindo a Eurípedes Bueno.
No Luziânia, sempre que o clube tinha um problema com treinador, lá estava Elizeu Bernardo para substituir o técnico demitido. Foi assim em várias oportunidades, sempre com a mesma dedicação. Tinha olho clínico para enxergar um bom jogador, revelando vários jogadores para o elenco profissional.
Dirigiu o Luziânia, nos anos de 1974, 1992, 1993, 1994, 1995, 1998 e 2000. No total, entre juniores e profissionais, foram 109 jogos de Elizeu Bernardo no comando do Luziânia, com 48 vitórias, 30 empates e 31 derrotas.

Conquistou o bicampeonato de juniores do DF pelo Luziânia, em 1996 e 1997. 

Na S. E. Parque São Bernardo conquistou o título de campeão amador do Estado de Goiás, em 1974. 
Foi treinador do Ceilândia no ano de 1986, onde revelou o centroavante Brasil, que mais tarde jogou no futebol português.
Também dirigiu as equipes do Cristalina e do Ferroviário, de Porto Velho (RO).

Fonte: José Egídio Pereira Lima, pesquisador da história da A. A. Luziânia.

sábado, 24 de setembro de 2016

A PRIMEIRA VEZ A GENTE NÃO ESQUECE: Ceilândia Esporte Clube




O Ceilândia Esporte Clube foi fundado em 25 de agosto de 1979.

A PRIMEIRA DIRETORIA

Waldir Papa da Fonseca
A primeira diretoria, eleita por aclamação, ficou assim constituída: 

Presidente - Waldir Papa da Fonseca

Vice-Presidente - Cornélio Cristino da Luz

Secretária - Zulmira Araújo Bezerra e 

Tesoureiro - Vítor Modesto de Araújo.



O PRIMEIRO JOGO AMISTOSO

BRASÍLIA 2 x 1 CEILÂNDIA
Data: 18.11.1979
Local: Serejão, Taguatinga (DF)
Árbitro: Luiz Vilhena
Renda: 70 mil cruzeiros (aproximadamente).
Gols: Vilmar (pênalti), 35; Luisinho, 39 e Risadinha, 70
Brasília: Déo, Aldair (Ferreti), Mário, Chavala e Luisinho; Jorge Luís (Renê), Uel e Moreirinha; William, Banana e Vilmar. Técnico: Décio Leal.
Ceilândia: Edson, Renilton, Cidão, Luciano e Jura; Adilson, Paulinho (Camilo) e Chinésio (Israel); Mardônio, Risadinha e Zé Carlos. Técnico: João da Silva. Estavam no banco de reservas do Ceilândia: Toninho, Nonato, Joceli, Júlio César, Teixeira, Israel, Nado, Camilo e Teta.
Nota: a administradora Maria de Lourdes Abadia deu o pontapé inicial do jogo.

O PRIMEIRO JOGO OFICIAL

TAGUATINGA 3 x 0 CEILÂNDIA 
Data: 18.05.1980 
Local: Serejão 
Árbitro: Adélio Nogueira Soares 
Renda: Cr$ 14.100,00
Gols: Careca, 2; Peba, 24 e Piau, 74 
TAGUATINGA: Jonas, Aldair, Walter, Eusébio e Geraldo Galvão; Warlan, Lobão e Peba; Careca, Piau e Murilo. Técnico: José Wanderley Salles.
CEILÂNDIA: Edson, Renilton, Cidão (Arlício), Toninho e Teixeira; Adilson, Paulinho (Lelé) e Zé Vieira; Messias, Risadinha e Marquinhos. Técnico: Francisco Antônio da Silva (Chicão).

O PRIMEIRO GOL NO CAMPEONATO BRASILIENSE

Risadinha (14) marcando o primeiro gol do Ceilândia no campeonato brasiliense
GUARÁ 1 x 1 CEILÂNDIA 
Data: 25.05.1980 
Local: CAVE 
Árbitro: Cacírio Marinho 
Gols: Ivonildo, 77 e Risadinha, 83
GUARÁ: Adriano, Luiz Fernando, Maurício Pradera, Rafael e Zenildo; Barão, Marquinhos e Jânio; Ivonildo (Jesus), Gilberto e Éder (Camilo). Técnico: Alaor Capella dos Santos.
CEILÂNDIA: Carlos, Renilton, Arlício, Toninho e Marquinhos; Adilson, Teixeira e Zé Vieira; Julinho (Messias), Paulinho (Risadinha) e Zé Carlos. Técnico: Francisco Antônio da Silva (Chicão).

A PRIMEIRA VITÓRIA OFICIAL

DESPORTIVA BANDEIRANTE 1 x 2 CEILÂNDIA
Data: 01.06.1980 
Local: Pelezão 
Árbitro: Ranulfo José Soares 
Gols: Messias, 10; China, 41 e Zé Carlos, 63
DESPORTIVA BANDEIRANTE: Águia Negra, Zé Wilson (Palhinha), Maranhão, Paulinho e Déo; Assis, China e Esquerdinha; João Leite (Geraldo), Noé e Osmar. Técnico: Jaime Francisco.
CEILÂNDIA: Carlos, Renilton, Arlício, Toninho e Marquinhos; Adilson, Teixeira e Zé Vieira; Messias (Ricardo), Risadinha e Zé Carlos. Técnico: Francisco Antônio da Silva (Chicão).

O PRIMEIRO ARTILHEIRO DO CEILÂNDIA NO CAMPEONATO BRASILIENSE

Manoel Messias Ribeiro de Araújo, o Messias, marcou seis gols e tornou-se o primeiro jogador a ser artilheiro do Ceilândia no campeonato brasiliense.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

JOGOS INUSITADOS: Roberto Dinamite já jogou no Luziânia!




Por iniciativa do antigo diretor Edgar José Gomes, torcedor fanático do Vasco da Gama, e aproveitando a oportunidade que o clube carioca estava de passagem por Brasília, o craque Roberto Dinamite foi convidado para que participasse de uma partida amistosa com a camisa do Luziânia, no Centro Esportivo do Setor Leste, contra a Anapolina, no dia 21 de abril de 1992. 
O Luziânia foi derrotado por 2 x 1.
Roberto Dinamite só jogou o primeiro tempo, sendo substituído no intervalo por Jairo.

LUZIÂNIA 1 x 2 ANAPOLINA 
Data: 21.04.1992 
Local: Centro Esportivo do Setor Leste, Luziânia (GO)
Árbitro: Ruy Meireles 
Gols: Carlos Alberto para o Luziânia e Márcio Santos e Rodrigues para a Anapolina
LUZIÂNIA: Gúbio (William Stein), João Corte, Júnior Pezão (Ticão), Eduardo Gaúcho (Gilmar) e Niltinho Fúria (Afonso); Luciano (Marcelo Roriz), Carlos Alberto (Ruyter Roriz) e Roberto Dinamite (Jairo); Tatinha (Washington), Zé Vieira e Jefferson. Técnico: Elizeu Bernardo. 
ANAPOLINA: Josenildo, Eduardo Almeida, Osimar, Adson Batista e Jonilson; Márcio Santos, Júnior e Paulinho Carioca; Paulinho Goiano (Alan), Cássio (Herman) e Rodrigues (Hélio). Técnico: Karmino Colombini.

Colaboração: José Egídio Pereira Lima, pesquisador da história da A. A. Luziânia.

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

A SELEÇÃO BRASILIENSE DE TODOS OS TEMPOS

Na opinião do ex-zagueiro Mello



Melão e Jair no Rabello
Moacyr Tremendani dos Santos, o Mello, ou Melão, atuou como zagueiro no futebol brasiliense durante quase toda a década de 60, sagrando-se campeão na A. E. Cruzeiro do Sul e no Rabello e fazendo parte das seleções brasilienses que foram formadas nessa época.
Hoje com 73 anos de idade, é irmão dos também jogadores Helinho (Hélio Tremendani dos Santos) e Melinho (Ademir Tremendani dos Santos).
No ano de 2001, pouco tempo depois de eu ter iniciado minhas pesquisas sobre a história do futebol brasiliense, perguntei ao Melão qual seria a seleção brasiliense de todos os tempos, formada com jogadores contemporâneos.

Utilizando o sistema 4-3-3, assim ficaria a seleção brasiliense de todos os tempos na opinião do Melão:


Zé Walter, Aderbal, Mello, Gegê e J. Pereira;
Zé Maria, Beto Pretti e Edinho;
Zezé, Cid e Sabará.

Paulo Linhares
Pedi também ao Melão que me dissesse quem ele considera os três melhores treinadores com quem trabalhou. 

Foram eles: Juvenal, Hector Gritta e Gil.

Para encerrar, perguntei quais foram os melhores dirigentes do futebol brasiliense de sua época. 

Respondeu: Jackson Roedel, Seu Nonô e Paulo Linhares.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

OS MELHORES DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 2001




Em 2001, pelo terceiro ano consecutivo, o jornal Correio Braziliense elegeu os melhores do campeonato brasiliense.
Como de hábito nessa eleição, cada técnico só podia votar em integrantes dos times concorrentes.

Participaram da votação os seguintes técnicos: 
Adelson de Almeida (Ceilândia)
Déo de Carvalho (ARUC)
Eurípedes Bueno (Brazlândia)
Jorgenei Nery (Guará)
Luisinho Lemos (Brasiliense)
Mozair Barbosa (Dom Pedro II)
Remo (Brasília)
Ricardo Freitas (Bandeirante)
Sérgio Alexandre (Gama)
Toni (Sobradinho)

Entre os jogadores, o pentacampeão Gama manteve a hegemonia eleitoral, com cinco vencedores, mesma quantidade do ano de 2000. Brazlândia e Bandeirante dividiram a vice-liderança, com dois indicados.
O vice-campeão Brasiliense teve apenas um eleito, o atacante Weldon, artilheiro da competição, com 13 gols.


Ronaldo (Gama) - 5 votos
Márcio Franco (Brazlândia), 4;
Nen (Gama), 6; 
Márcio Santos (Gama), 3; e 
Garrinchinha (Sobradinho), 4; 

Bilzão (Brazlândia), 6; 
Deda (Gama), 5; 
Ésio (Bandeirante), 5; e 
Rodriguinho (Gama); 5;

Weldon (Brasiliense), 6; e 
Bispo (Bandeirante), 4 votos.

Eurípedes Bueno
A disputa mais acirrada foi a do treinador.
Depois de fazer a melhor campanha da competição pelo modesto Brazlândia, o técnico Eurípedes Bueno ganhou com apenas três dos nove votos possíveis.
Empatou com Ricardo Freitas, do Bandeirante, clube quarto colocado no campeonato, mas foi beneficiado pelo primeiro critério de desempate: a classificação final no campeonato.

Sérgio Carvalho, com três votos, foi eleito o melhor árbitro.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

CAMPEONATO BRASILIENSE DE JUNIORES - 1991




PARTICIPANTES:
BRASÍLIA
CEILÂNDIA
GAMA
GUARÁ
PLANALTINA
SOBRADINHO
TAGUATINGA
TIRADENTES

O primeiro turno foi realizado de 4 de maio a 11 de junho de 1991.

CLASSIFICAÇÃO FINAL DO 1º TURNO

CHAVE “A”

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
GUARÁ
7
3
3
1
10
4
6
9
BRASÍLIA
7
2
4
1
7
6
1
8
SOBRADINHO
7
1
4
2
4
5
-1
6
GAMA
7
0
3
4
5
14
-9
3

CHAVE “B”

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
TAGUATINGA
7
4
2
1
11
2
9
10
PLANALTINA
7
4
2
1
7
6
1
10
TIRADENTES
7
2
3
2
8
7
1
7
CEILÂNDIA
7
0
3
4
4
12
-8
3

DECISÃO DO 1º TURNO

13.06.1991
Taguatinga 1 x 0 Guará

O segundo turno teve início no dia 16 de junho e o encerramento em 4 de agosto de 1991.

CLASSIFICAÇÃO FINAL DO 2º TURNO

CHAVE “A”

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
GUARÁ
7
6
1
0
21
6
15
13
BRASÍLIA
7
3
3
1
15
5
10
9
GAMA
7
1
2
4
3
11
-8
4
SOBRADINHO
7
1
0
6
7
15
-8
2

CHAVE “B”

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
PLANALTINA
7
3
4
0
13
9
4
10
TAGUATINGA
7
2
4
1
9
8
1
8
TIRADENTES
7
2
2
3
5
9
-4
6
CEILÂNDIA
7
1
2
4
4
14
-10
4

DECISÃO DO 2º TURNO

11.08.1991
Guará 4 x 0 Planaltina

DECISÃO DO CAMPEONATO

SEMIFINAIS

18.08.1991
Brasília 2 x 1 Taguatinga
Planaltina 3 x 1 Guará

25.08.1991
Taguatinga 0 x 2 Brasília
Guará 3 x 1 Planaltina

FINAL

31.08.1991
Augustinho Lima
Brasília 1 x 1 Guará

08.09.1991
CAVE
Guará 0 x 0 Brasília



CLASSIFICAÇÃO FINAL

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
GUARÁ
20
11
6
3
40
16
24
28
BRASÍLIA
18
7
9
2
27
14
13
23
PLANALTINA
17
8
6
3
24
23
1
22
TAGUATINGA
17
7
6
4
23
14
9
20
TIRADENTES
14
4
5
5
13
16
-3
13
SOBRADINHO
14
2
4
8
11
20
-9
8
GAMA
14
1
5
8
8
25
-17
7
CEILÂNDIA
14
1
5
8
8
26
-18
7


Alguns jogadores de destaque nesse time do Guará: o lateral Viana, os zagueiros Avelino e Gerson (que depois viria a brilhar no Gama e no Brasiliense), o meia armador Flávio Katioco e o atacante Anderson “Papa Léguas” (foto), artilheiro do campeonato, com 12 gols.
Nesse ano, o atacante Renaldo, que se transformaria num dos maiores artilheiros do futebol brasileiro, tinha saído recentemente dos juniores do Guará e transferiu-se depois para o Atlético Paranaense.

Goleiro menos vazado: Evilânio Batista Guedes, do Taguatinga, que sofreu 4 gols em 8 jogos.

Taça Disciplina: Tiradentes.