Total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

FÉRIAS + NATAL + ANO NOVO




A partir de hoje e até o dia 29 de dezembro de 2014 estarei de férias, curtindo uma praia em Pernambuco!
Foi muito bom ter você como nosso leitor. Obrigado por ter visitado nosso blog.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

SÉRIE “AS SELEÇÕES DE BRASÍLIA”: Desastre em Nova Friburgo


Com a finalidade de participar dos festejos da “Libertação dos Escravos”, anualmente comemorada em Niterói, a Federação Desportiva de Brasília, através de seu presidente Jardel Noronha de Oliveira, acertou um amistoso em Niterói, no dia 13 de maio de 1962, contra o selecionado fluminense.
A delegação da FDB, composta de 25 pessoas, entre dirigentes, atletas e convidados, deixaria Brasília no dia 12 de maio, pela manhã, em avião da FAB, regressando ao DF no dia 14 de maio.
A Comissão Técnica, formada por Aliatar Pinto de Andrade, Waldyr de Carvalho (treinador) e Juvenal Francisco Dias convocou os seguintes jogadores: os goleiros Matil e Gonçalinho; os defensores Jair, Gavião, Edilson Braga, Leocádio, Bimba e Enes, os armadores Matarazzo, Sabará, Orlando, Alaor Capella e Beto Pretti e os atacantes Invasão, Ubaldo, Zezito, Nicotina, Ely, Raimundinho, Arnaldo e Reinaldo.
Também ficou acertado que o primeiro treino aconteceria no campo do Defelê, no dia 8 de maio.
Os titulares venceram por 3 x 0, com gols consignados por intermédio de Ely, Alaor Capella e Raimundinho. A prática teve a duração de 60 minutos. A equipe titular esteve assim constituída: Matil, Oswaldo e Gavião; Matarazzo, Bimba e Enes; Ubaldo (Nicotina), Ely, Alaor Capella, Beto Pretti e Raimundinho.
Dos convocados não compareceram ao treino Edilson Braga, Jair, Sabará e Arnaldo. Mais tarde, soube-se que os quatro jogadores não sabiam do treino.
O segundo e último treino aconteceria no dia 10 de maio, também no campo do Defelê.
Além dos já citados jogadores, constituíam o restante da delegação as seguintes pessoas: Gerson Barbosa (Chefe), Paulo Linhares (Subchefe), Júlio Capilé (Médico), Ciro Machado do Espírito Santo (Relações Públicas), Wanderley Matos (Jornalista) e os convidados Orlando Gaglionone, Roosevelt Nader e o árbitro Jorge Cardoso.
A primeira alteração na programação foi na forma de locomoção para o Estado do Rio. Antes previsto para ser em avião da FAB, acabaram indo em ônibus especial, numa cansativa viagem que tornou difícil a recuperação dos jogadores para o jogo.
Depois, aconteceu mudança no local do jogo. De última hora, os dirigentes da Federação Fluminense de Futebol entenderam que Nova Friburgo seria o local ideal para receber o jogo tendo em vista que a cidade contava com o maior número de atletas no selecionado e poderia oferecer melhor arrecadação. A Seleção de Nova Friburgo era bicampeã do Estado do Rio
Ao contrário do que se esperava, os jogadores Bimba e Beto e o árbitro Jorge Cardoso não acompanharam a delegação, que se hospedou no Hotel Avenida.
Resultado: o que se viu em campo foi uma derrota fragorosa, com um selecionado que demonstrou claramente que estava cansado da viagem, que em momento algum conseguiu entrosamento, deixando-se bater com facilidade pelo escrete local, dada a sua grande superioridade técnica em campo.
O jogo foi decidido no 1º tempo, quando a Seleção de Nova Friburgo abriu a expressiva vantagem de 4 x 0. No segundo tempo aconteceram dois gols para cada lado, finalizando com o placar de 6 x 2 a favor da seleção fluminense.
Ficou claro que, sem querer justificar o fracasso, o grande mal do futebol brasiliense continuava sendo a falta de planejamento.
Eis a ficha técnica do jogo:

SELEÇÃO DE NOVA FRIBURGO 6 x 2 SELEÇÃO DE BRASÍLIA

Local: Nova Friburgo (RJ)
Data: 13 de maio de 1962
Renda: Cr$ 42.000,00
Árbitro: Aldemar de Carvalho
Gols: Paulo Banana (3), Gelson (2) e Carlinhos Machado para a Seleção de Nova Friburgo e Raimundinho e Nicotina para a Seleção do Distrito Federal.
SELEÇÃO DE NOVA FRIBURGO: Luisinho (Gabriel), Leão (Cici) e Carlito (Macedo); Tilu (Maduro), Natal e Aguinaldo; Reinaldo (Catita), Carlinhos Machado, Gelson (Rapizo), Paulo Banana e Pardal.
SELEÇÃO DE BRASÍLIA: Gonçalinho (Matil), Jair, Oswaldo (Leocádio) e Enes; Sabará e Orlando; Nicotina, Alaor Capella (Ubaldo), Ely, Matarazzo (Invasão) e Raimundinho.

REGISTROS PÓS-JOGO
Como se não bastasse o vexame no campo de jogo, os jogadores ainda tiveram que passar por outro aperto: o ônibus que trazia a delegação brasiliense quebrou, retardando em mais de 48 horas a volta ao Distrito Federal.
Quando chegaram em Brasília, alguns dirigentes resolveram botar a boca no trombone. Roosevelt Nader revelou que, até o dia em que o escrete de Brasília havia chegado a Niterói, nenhum encontro estava marcado, como dissera antes o presidente da Federação Jardel Noronha de Oliveira. Para “salvar o barco” foi preciso conseguir de última hora um amistoso em Nova Friburgo e que redundou no fracasso acima relatado.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

SÉRIE “O FUTEBOL NAS CIDADES-SATÉLITES”: CRUZEIRO - Parte 3



O ESTÁDIO FRANCISCO PIRES






Em 2004 a cidade do Cruzeiro ganhou um estádio de futebol, o Francisco Pires (nome em homenagem ao administrador regional na época), apelidado carinhosamente de Ninho do Carcará. A inauguração aconteceu no dia 8 de agosto de 2004, com várias festividades, mas sem futebol. 

domingo, 14 de dezembro de 2014

SÉRIE “O FUTEBOL NAS CIDADES-SATÉLITES”: CRUZEIRO - Parte 2





O Cruzeiro só voltou a ter um representante na principal divisão do futebol do DF em 1976, justamente no ano em que o profissionalismo foi implantado em definitivo no Distrito Federal.

sábado, 13 de dezembro de 2014

SÉRIE “O FUTEBOL NAS CIDADES-SATÉLITES”: CRUZEIRO - Parte 1


No último dia 30 de novembro, a cidade do Cruzeiro completou 55 anos de existência.
Estamos aproveitando essa comemoração para dar início a uma nova série, sobre a história do futebol nas cidades-satélites do Distrito Federal. O Cruzeiro é a primeira da série.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

CLUBES DE BRASÍLIA: Atlas



Logotipo da empresa

O Atlas Futebol Clube foi fundado em 1º de maio de 1965 e tinha como finalidade principal a prática do esporte amador em Brasília (DF).
Era mantido pela Elevadores Atlas S. A., empresa que em maio de 1999 teve seu controle acionário adquirido pelo grupo suíço Schindler.
O Atlas participou apenas de uma competição oficial promovida pela então Federação Desportiva de Brasília: o campeonato brasiliense de 1969, quando a entidade máxima do futebol do DF resolveu juntar clubes amadores e profissionais.
Fez sua estreia no dia 13 de abril de 1969, derrotando o Rabello, por 1 x 0, gol de Wilmar. Depois, nos demais jogos, só derrotas e um empate (2 x 2 Carioca).
Não chegou ao final da competição, abandonando-a antes e levando WO nos dois últimos jogos contra Grêmio e Jaguar, nos dias 22 e 29 de junho de 1969, respectivamente. Ficou com a décima posição entre as onze equipes do Grupo A.
Nunca mais voltou a disputar uma competição oficial.


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

JOGOS INUSITADOS: O DIA EM QUE O CEUB VENCEU UM CAMPEÃO MUNDIAL






O empresário uruguaio Juan Figer assinou contrato no dia 17 de julho de 1972 para uma série de amistosos do Estudiantes de La Plata, Argentina, no Brasil.
O Estudiantes chegou com o cartaz de campeão da Taça Libertadores de 1968, 1969 e 1970 e de campeão mundial interclubes de 1968.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

ESTATÍSTICAS DO CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1987




CLUBES PARTICIPANTES: 8.
JOGOS REALIZADOS: 92.
GOLS ASSINALADOS: 175.
MÉDIA DE GOLS POR JOGO: 1,9.
MELHOR ATAQUE DO CAMPEONATO: Brasília, 32 gols a favor.
PIOR ATAQUE DO CAMPEONATO: Planaltina, 6 gols a favor.
MELHOR DEFESA DO CAMPEONATO: Taguatinga, 14 gols contra.
PIOR DEFESA DO CAMPEONATO: Tiradentes e Planaltina, 30 gols contra.
MELHOR SALDO DE GOLS: Taguatinga, com 16.
MAIOR NÚMERO DE VITÓRIAS: Brasília, com 12.
MENOR NÚMERO DE VITÓRIAS: Planaltina, com 2.
MENOR NÚMERO DE DERROTAS: Brasília, com 4.
MAIOR NÚMERO DE DERROTAS: Planaltina, com 14.
MELHOR ÍNDICE DE APROVEITAMENTO: Brasília, com 65,4%.
MAIOR GOLEADA DO CAMPEONATO: 15.03.1987, Brasília 5 x 0 Tiradentes.
JOGO COM MAIOR NÚMERO DE GOLS MARCADOS: 22.02.1987, Tiradentes 5 x 2 Guará.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

CRAQUES DE ONTEM E DE HOJE: Múcio




Múcio Antônio de Lima nasceu em Carmo do Paranaíba (MG), no dia 29 de novembro de 1932.
Atuava como zagueiro e como volante. Fez seu primeiro jogo no Atlético Mineiro no dia 5 de fevereiro de 1950, um amistoso contra o Sete de Setembro (MG), com vitória de 2 x 1.

domingo, 7 de dezembro de 2014

OS ARTILHEIROS: CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1990



1º - Evandro (Gama), 9;
2º - Wadi (Brasília) e Augusto (Gama), 6;
3º - Dida (Guará) e Marcelo Freitas (Taguatinga), 4;
4º - Rogerinho (Guará) e Tuta e Wilson (Taguatinga), 3;
5º - Antunes, Gilmar e Josimar (Brasília), Carlos Gomes (Ceilândia), Artur, Filó, Vicente e Zoca (Gama), Boloni, Marquinhos e Rômulo (Guará), Lindário (Planaltina), Régis, Washington e Zuza (Sobradinho), Carlinhos, Da Silva e Rogério (Taguatinga) e Bé, Egberto, Joel e Murilo (Tiradentes), 2;
6º - Chiquinho (Brasília), Bebeto, Carioca, Jone, Pires e Sidney (Ceilândia), Amarildo, Beijoca, Claudinho, Formiga, Toinzé e Zé Nilo (Gama), Chaguinha (contra), Juscelino, Ricardo e Toninho (Guará), Ahlá, Elton e Helder (Planaltina), Boca, Chiquinho (contra), Marcão, Pires e Ronaldo (Sobradinho), Bilzão e Joãozinho (Taguatinga) e Beto Guarapari, Jarbas, Olavo, Touro, Washington e Zé Maurício (Tiradentes), 1.

sábado, 6 de dezembro de 2014

SÉRIE “AS SELEÇÕES DE BRASÍLIA: ZIZINHO ENFRENTA O VASCO DA GAMA


O amistoso contra o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro, foi mais uma das diversas festividades programadas para comemorar o segundo ano de vida de Brasília, no dia 21 de abril de 1962.
O desejo dos responsáveis pela programação esportiva era trazer o Internacional, de Porto Alegre (RS). Porém, devido a impossibilidade do clube gaúcho comparecer, foi convidado o Vasco da Gama, que aceitou.
A Comissão Técnica foi formada por Oswaldo Cruz Vieira, Aliatar Pinto de Andrade e Waldyr (Didi) de Carvalho (além do Preparador Físico Walter Machado da Costa e do massagista Fuminho).

Os jogadores convocados pela Comissão Técnica e que se apresentaram no dia 3 de abril de 1962, no campo do Defelê, foram os seguintes:
GOLEIROS: Matil (Defelê), Gonçalinho (Guanabara) e Bola Sete (Guará);
LATERAIS-DIREITO: Alberto (Nacional) e Edilson Braga (Cruzeiro do Sul);
ZAGUEIROS-CENTRAIS: Beto II (Guará) e Eufrásio (Nacional);
QUARTOS-ZAGUEIROS: Bimba (Rabello) e Múcio (Guará);
LATERAIS-ESQUERDO: Enes (Rabello) e Oswaldo (Defelê);
MÉDIOS-VOLANTES: Índio (Guará) e Remis (Grêmio);
PONTEIROS-DIREITO: Nelício (Guanabara) e Ramiro (Defelê);
MEIAS-ARMADORES: Alaor Capella (Rabello) e Invasão (Defelê);
CENTRO-AVANTES: Ely (Defelê) e Zezito I (Nacional);
PONTAS-DE-LANÇAS: Beto Pretti (Nacional) e Zezito II (Alvorada); e
PONTEIROS-ESQUERDO: Reinaldo (Defelê) e Arnaldo (Rabello).
Alguns jogadores não obedeceram à chamada da Federação, outros se contundiram antes da apresentação; para substituí-los foram chamados: Gaguinho e Sabará (Rabello), Jair e Ubaldo (Planalto), Manoel (Alvorada), Aderbal (Guará), Matarazzo e Gavião (Defelê) e Sérgio (Grêmio).
No treino coletivo realizado no dia 10 de abril de 1962, às 16 horas, no campo do Defelê, o destaque negativo foram as ausências verificadas (nove ao todo).
O quadro azul, considerado o titular, venceu o amarelo pelo placar de 3 x 1, com tentos de Beto Pretti (2) e Ely, enquanto que Ramiro descontou para o time amarelo.
As equipes estiveram assim formadas: Azul - Matil, Jair, Bimba e Edilson Braga; Matarazzo e Enes; Ubaldo, Invasão (Zezito I), Ely, Beto Pretti e Arnaldo. Amarelo - Gonçalinho, Gavião e Alberto; Manoel, Alaor Capella e Osvaldo; Ramiro, Sérgio, Zezito I (Invasão), Zezito II e Leônidas.
Os quatro treinos coletivos programados foram totalmente prejudicados, pois em nenhum deles o técnico Didi de Carvalho pôde contar com o total dos atletas convocados.

O JOGO
Zizinho

A equipe de Brasília jogou a metade da partida reforçada por Zizinho.
O primeiro gol foi marcado aos 15 minutos do primeiro tempo através do ponta-esquerda Arnaldo. Ainda no primeiro tempo, aos 43 minutos, Saulzinho empatou.
O selecionado brasiliense esteve melhor durante sessenta dos noventa minutos jogados, só não conseguindo expressivo triunfo pela falta de sorte de seus atacantes e também devido ao grande número de substituições que prejudicaram o rendimento da equipe.
Além de encontrar grande resistência no goleiro adversário, Matil, o Vasco da Gama teve sempre dificuldade de armar seus ataques, pela falta de apoio no meio-de-campo, onde o meia-esquerda Beto Pretti, de Brasília, ganhava a maioria das jogadas contra Lorico e Écio, no primeiro tempo.
No segundo tempo, quando a equipe de Brasília reforçou-se com a entrada de Zizinho no centro do ataque e as inúmeras substituições realizadas no segundo tempo serviram para quebrar a continuidade do jogo, pois tanto o Vasco da Gama como a seleção de Brasília não conseguiram entrosar suas equipes com as seguidas mudanças e deslocações no ataque e na defesa.

Vários desses jogadores estiveram em Brasília em 1962

Eis a súmula do jogo:
SELEÇÃO DE BRASÍLIA 1 x 1 VASCO DA GAMA
Local: Estádio “Vasco Viana de Andrade”
Árbitro: Amílcar Ferreira, do Rio de Janeiro
Gols: Arnaldo, 15 e Saulzinho, 43
SELEÇÃO DE BRASÍLIA: Matil, Jair (Aderbal), Edilson Braga, Bimba (Zezito) e Enes; Sabará (Reinaldo) (Matarazzo) e Beto Pretti; Ubaldo (Invasão), Alaor Capella (Zizinho), Ely (Ceninho) e Arnaldo.
VASCO DA GAMA: Ita, Paulinho, Brito, Barbosinha e Coronel (Russo); Écio (Laerte) e Lorico (Roberto Pinto); Sabará (Joãozinho), Javan, Saulzinho e Da Silva.

Friedenreich

Além de Zizinho, outro convidado especial foi o ex-craque Arthur Friedenreich.

O técnico Jorge Vieira, que estreava no comando do Vasco da Gama, deu declarações aos jornais dizendo-se impressionado com a atuação de três jogadores do selecionado brasiliense: Matil, Sabará e Beto Pretti.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

A HISTÓRIA DA SEGUNDA DIVISÃO NO DF - Parte 15 (2009)






Disputado pelo menor número de participantes nos últimos dez anos, o Campeonato Brasiliense da Segunda Divisão de 2009 teve apenas sete clubes inscritos.
Por outro lado, teve um grande número de novidades.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

O QUE ACONTECEU HÁ 50 ANOS (01 a 31.12.1964)






02.12.1964

O técnico Didi de Carvalho convocou os seguintes jogadores para o jogo da Seleção do Distrito Federal contra os Veteranos Paulistas, previsto para o dia 5 de dezembro de 1964:
Do Rabello: Gaguinho, Aderbal, Beto Pretti, Zezé, Djalma e Sabará.
Do Defelê: Bawany, Walter, Arnaldo e Fernando;
Do Grêmio: Alvinho;
Do 1º de Maio: Cascorel, Miranda, Clarindo, Ceará, Firmo e Bolinha;
Do Colombo: Dico, Baiano, Tião I, João Dutra, Paulista, Índio e Sir Peres;
Do Luziânia: Walmir Gato, Invasão, Daniel e Segóvia.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

STJD CONFIRMA BRASÍLIA COMO CAMPEÃO DA COPA VERDE 2014






No dia 21 de abril de 2014, no Estádio Mané Garrincha, o Brasília venceu o Paysandu, de Belém (PA), no tempo normal de jogo pelo placar de 2 x 1, mesmo resultado verificado na capital paraense, a favor do Paysandu, no dia 8 de abril de 2014. Com isso, foi necessária a decisão do torneio na cobrança de pênaltis, quando o Brasília venceu por 7 x 6 e sagrou-se campeão da primeira edição da Copa Verde.