Total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de junho de 2016

AS DECISÕES: CAMPEONATO BRASILIENSE DE 1992




O Campeonato Brasiliense de 1992 foi realizado em dois turnos, cada um deles com duas fases. Os oito clubes inscritos disputaram seus jogos no sistema de ida e volta, com os dois primeiros colocados decidindo os turnos em dois jogos.

DECISÃO DO 1º TURNO

Aconteceu empate em 1 x 1 no primeiro jogo da decisão do 1º turno, no dia 30 de agosto de 1992, no Serejão. 
Apesar dos gols serem marcados muito cedo (Carlinhos, aos cinco, e Dias, aos dezenove), o placar não foi mais alterado até o final do jogo.
A ficha técnica do primeiro jogo da decisão do 1º turno foi a seguinte:

TAGUATINGA 1 x 1 TIRADENTES 
Data: 30.08.1992 
Local: Serejão 
Árbitro: Paulo César de Sena 
Gols: Carlinhos, 5 e Dias, 19
TAGUATINGA: Dalmir, Márcio Franco, Zinha, Jânio e Junior; Paulo Lima, Marco Antônio e Júlio César; Dias, Joãozinho e Serginho. Técnico: Heitor Mitsuaki Kanegae.
TIRADENTES: Wanderley, Chaguinha, Aquino, Polozzi e Aldeir; Jorge Luís, Chiquinho e Toninho; Raildo (Ricardo), Aloísio e Carlinhos. Técnico: Adelmar Carvalho Cabral (Déo).

Uma semana depois Taguatinga e Tiradentes voltaram a se enfrentar, novamente no Serejão.
Assim como aconteceu no primeiro jogo, o Tiradentes saiu na frente, mas desta vez levou a virada no segundo tempo.
A ficha técnica desse jogo foi esta:

TAGUATINGA 3 x 1 TIRADENTES 
Data: 06.09.1992 
Local: Serejão 
Árbitro: Jorge Paulo de Oliveira Gomes 
Gols: Raildo, 22; Joãozinho, 42; Paulo Lima, 76 e Dias, 86
TAGUATINGA: Edilson Barriga, Márcio Franco, Zinha, Jânio e Junior; Paulo Lima, Marco Antônio e Júlio César; Dias, Joãozinho e Serginho (Djalma Lima). Técnico: Heitor Mitsuaki Kanegae.
TIRADENTES: Wanderley, Chaguinha (Toninho), Aquino, Polozzi e Aldeir; Amilton, Chiquinho e Júlio César; Raildo, Aloísio (Ricardo) e Carlinhos. Técnico: Adelmar Carvalho Cabral (Déo).

DECISÃO DO 2º TURNO

O primeiro jogo da decisão do 2º turno estava marcada para o dia 8 de novembro de 1992. Os jogadores de Brasília e Taguatinga chegaram a assinar a súmula, mas o árbitro Paulo César de Sena teve que interromper o jogo por conta das chuvas.

Dois dias depois aconteceu o primeiro jogo da decisão do 2º turno. Brasília e Taguatinga empataram em 0 x 0.
Diante de um público de apenas 54 pagantes, as duas equipes fizeram um jogo equilibrado, sendo que o Taguatinga criou mais oportunidades de gol. O Brasília, apesar de ser mais veloz, teve dificuldades para acertar os passes no meio-de-campo e preparar o ataque.
O resultado foi favorável ao Taguatinga que passou a depender apenas de um empate no tempo regulamentar e na prorrogação do próximo jogo para conquistar o título de campeão.

BRASÍLIA 0 x 0 TAGUATINGA 
Data: 10.11.1992 
Local: Augustinho Lima 
Árbitro: Paulo César de Sena 
BRASÍLIA: Gildo, Cláudio, Junior, Luisinho e Visoto; Edmar, Josimar e Palhinha; Ésio, Marcelo França (Rondinelli) e Marquinhos. Técnico: Heitor de Oliveira.
TAGUATINGA: Dalmir, Márcio Franco, Zinha, Djalma Lima e Adelmo; Paulo Lima, Marco Antônio e Júlio César; Serginho (Rogério), Joãozinho e Dias. Técnico: Heitor Mitsuaki Kanegae.

O Taguatinga conquistou antecipadamente o título de bicampeão brasiliense ao vencer o Brasília por 2 x 1 na decisão do 2º turno do campeonato. Como o time já havia vencido, também, o 1º turno, levou a taça, dispensando a realização de um quadrangular final previsto (com mais Tiradentes e Guará) caso o Brasília conquistasse o segundo turno.
Foi uma das mais belas partidas realizadas no ano. O Brasília entrou em campo com muita raça, marcou bem e armou boas jogadas, mas pecou nas finalizações, perdendo pelo menos três grandes oportunidades.
Prevaleceu o melhor nível técnico do Taguatinga, com dois gols marcados pelo centro-avante Joãozinho.

O treinador Heitor Kanegae elogiou muito sua equipe, além do ex-técnico Mozair Barbosa, que começou o trabalho com os jogadores. Heitor Kanegae assumiu o comando da equipe na oitava rodada do 1º turno.
Encerrando a temporada com chave de ouro, o grande destaque do Taguatinga foi o centro-avante Joãozinho. Com os dois gols marcados na decisão, ele entrou para a história do futebol brasiliense como o maior artilheiro de todos os tempos, com 25 gols num único campeonato.




TAGUATINGA 2 x 1 BRASÍLIA 
Data: 15.11.1992 
Local: Serejão 
Árbitro: Nilton de Castro Souza 
Gols: Joãozinho, 34 e 63 e Edmar, 80
TAGUATINGA: Edilson Barriga, Márcio Franco, Zinha, Djalma Lima e Adelmo (Junior); Paulo Lima (Manoel Ferreira), Marco Antônio e Júlio César; Rogério, Joãozinho e Serginho. Técnico: Heitor Mitsuaki Kanegae.
BRASÍLIA: Gildo, Cláudio, Junior, Luisinho e Visoto; Edmar, Josimar e Palhinha; Ésio, Marquinhos e Pires (Rondinelli). Técnico: Heitor de Oliveira.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

OS TÉCNICOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: Campeonato Brasiliense de 1989


CLUBES/TÉCNICOS
JOGOS
BRASÍLIA
21
José Alberto Bougleux
11
Josemar Macedo
10
CEILÂNDIA
29
Décio Leite Leal
20
Cristóvão Ferreira
8
Carlos Roberto de Paula
1

Mozair Barbosa
GAMA
21
Mozair Barbosa
8
Antônio Fabiano Ferreira (Raimundinho)
7
Almir Vieira
6


Djalma Santos

GUARÁ
29
Djalma Santos
19
Jorge Medina
9
Elmo José Rodrigues
1

Pedro Pradera
PLANALTINA
21
Pedro Pradera
18
Weber Magalhães
3
SOBRADINHO
31
José Antônio Furtado Leal
16
Hani Bazzi
15
TAGUATINGA
29
Antônio Humberto Nobre (Canhoto)
29

Dadá Maravilha
TIRADENTES
23
Dario José dos Santos (Dadá Maravilha)
15
Mozair Barbosa
7
Altair Siqueira
1


terça-feira, 28 de junho de 2016

HÁ 40 ANOS NO FUTEBOL BRASILIENSE: O VICE DA CAMPINEIRA NA COPA ARIZONA - 1976


A Copa Arizona de Futebol Amador foi disputada pela primeira vez no ano de 1974 e envolvia clubes amadores de todo o Brasil. 

Era organizada e patrocinada pelos cigarros Arizona e pela Gazeta Esportiva. Após as fases regionais, que classificava equipes de todo o Brasil, as finais eram disputadas na cidade de São Paulo.

A competição de 1976 contou, inicialmente, com a participação de mais de mil equipes, com eliminatórias regionais.

Na Chave de Brasília, a Campineira, de Sobradinho, foi a campeã, indo para São Paulo participar da fase final. 
Nas quartas-de-final, no dia 20 de junho de 1976, a Campineira venceu o Artur Alvim, de São Paulo, por 1 x 0, garantindo vaga nas semifinais.

As semifinais foram disputadas no dia 26 de junho de 1976. Em uma delas, a Campineira venceu o Boqueirão, do Paraná, por 2 x 0, com dois gols de Zé Afonso. Na outra semifinal, o Golfinho, de São Paulo, aplicou 3 x 0 no DISUL, do Rio Grande do Sul.

A Campineira conquistou o vice-campeonato. Na decisão, realizada no dia 27 de junho de 1976, a equipe brasiliense foi derrotada pelo Golfinho, de São Paulo, por 1 x 0.
No jogo decisivo, a Campineira atuou sem o seu melhor atacante, o goleador Zé Afonso. 
A partida, em seu tempo normal, terminou empatada em 0 x 0, sendo necessária a realização da prorrogação. Só no segundo período desta prorrogação, aos dois minutos, é que o Golfinho chegou à vitória, com um gol de Mauro.

Sir Peres, à direita, carregando o troféu de vice-campeão

Mesmo não conquistando o título do torneio, a Campineira voltou vitoriosa, pois realizou uma campanha espetacular, elevando o nome do futebol amador de Brasília em outras regiões do Brasil.

No jogo final, a Campineira contou com esses jogadores: Ari, Cláudio, Zezão, Sir Peres e Marcos; Peba (Dorival), Toti e Júlio; Vino, Dásio (Antônio Carlos) e Santos.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

SEGUNDA RODADA DO CAMPEONATO BRASILIENSE DA SEGUNDA DIVISÃO - 2016


25.06.2016
BOLAMENSE 0 x 1 DOM PEDRO II
PARANOÁ 0 x 1 CFZ
26.06.2016
GUARÁ 0 x 3 PLANALTINA-DF
BRAZLÂNDIA 0 x 4 BOTAFOGO

CLASSIFICAÇÃO DE MOMENTO

GRUPO A

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
Aprov.
DOM PEDRO II
2
2
0
0
4
0
4
6
100,00%
BOTAFOGO
1
1
0
0
4
0
4
3
100,00%
CFZ
2
1
0
1
4
4
0
3
50,00%
PLANALTINA-DF
2
1
0
1
3
3
0
3
50,00%
CEILANDENSE
1
0
1
0
2
2
0
1
33,33%
GRUPO B

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
Aprov.
PARANOÁ
2
1
0
1
3
1
2
3
50,00%
BOLAMENSE
2
1
0
1
4
4
0
3
50,00%
BRAZLÂNDIA
2
0
1
1
2
6
-4
1
16,67%
GUARÁ
2
0
0
2
0
6
-6
0
0,00%