terça-feira, 31 de março de 2020

ANIVERSARIANTE DO DIA: Olímpico Atlético Clube


O Olímpico Atlético Clube foi fundado em 31 de março de 1976, em uma reunião realizada na sede da ASMINTER – Associação dos Servidores do Ministério do Interior, no 11º andar do Edifício Sede do Ministério do Interior, no Setor de Autarquias Sul, em Brasília (DF).
Estiveram presentes à Assembleia que fundou o novo clube Waldyr Mattos Magno, Presidente da Mesa, Aluízio de Melo Cavalcanti, Secretário da Mesa, Antônio Gomes de Magalhães Bastos, Presidente da ASMINTER, Ayrton Emmanuel Leal Chaves, 1º Secretário da ASMINTER, Gentil Rodrigues do Nascimento, Cid Sebastião Leal Chaves, Carlos Eduardo Ferreira, Ivo José Batista e Romildo Moreira Dias.
Foram eleitos por aclamação Ayrton Emmanuel Leal Chaves para Presidente do Olímpico, Gentil Rodrigues do Nascimento para Vice-Presidente e Cid Sebastião Leal Chaves para Diretor de Futebol.
O Olímpico era uma sociedade vinculada a ASMINTER através do seu Departamento de Esportes, com personalidade jurídica distinta da de seus sócios.
As cores oficiais do Olímpico eram vermelha, branca e azul.
No dia 9 de outubro de 1976 aconteceu outra Assembleia que aprovou a desvinculação do Olímpico da ASMINTER.
O novo clube não teve nenhuma atividade entre os profissionais no ano de 1976. Por outro lado, inscreveu-se no campeonato brasiliense de juniores, quando foi 5º colocado no primeiro turno, e segundo do Grupo A no 2º turno, quando os dez clubes participantes foram divididos em duas chaves, cada uma com cinco clubes.
No ano seguinte, resolveu investir para fazer boa campanha no campeonato de 1977. Contratou jogadores bastante conhecidos no futebol brasiliense como o goleiro Elizaldo e o zagueiro-artilheiro Aderbal.
Estreou no Torneio Imprensa (disputado por 9 equipes) no dia 8 de março de 1977, vencendo o Taguatinga, por 2 x 1. A primeira formação do Olímpico foi Elizaldo, Baiano, Aderbal, César e Anselmo; Marinho, Jorge e Adé; Marco Antônio, Paulo José e Edwaldo. Técnico: Jesus Santos.
Além desse jogo, teve uma seqüência de quatro jogos sem derrota (0 x 0 Corinthians, 1 x 1 Gama, 2 x 0 Grêmio e 0 x 0 Demabra), até conhecer sua primeira derrota em 16 de abril, diante do Canarinho (2 x 1).
Terminou o torneio na quinta colocação, com a seguinte campanha: 8 jogos, 2 vitórias, quatro empates e duas derrotas, a segunda delas para o campeão Brasília, em 7 de maio de 1976.
Depois disso, ficou de fora do Torneio Incentivo e do campeonato oficial de 1977. Não mais voltou a atuar em competições promovidas pela Federação Metropolitana de Futebol.



segunda-feira, 30 de março de 2020

OS TÉCNICOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: Treinadores dos clubes que disputaram o Campeonato Brasiliense de 1981



CLUBES/Técnicos
JOGOS
BRASÍLIA
23
Ercy Rosa de Souza
23
GAMA
15
Alaor Capella dos Santos
7
Jaime dos Santos
5
Jair Francisco
3
GUARÁ
23
Carlos Barbosa Morales
23
SOBRADINHO
15
Otaziano Ferreira da Silva
9
Gilberto de Freitas Nascimento (Ditão)
5
Jair Francisco
1
TAGUATINGA
27
Antônio Humberto Nobre (Canhoto)
18
Joaquim Cristiano de Araújo Neto (Bugue)
9
TIRADENTES
15
Airton Luiz Nogueira
15




domingo, 29 de março de 2020

OS LANTERNINHAS: Sobradinho - 1988


Oito clubes participaram do Campeonato Brasiliense de 1988: Brasília, Ceilândia, Gama, Guará, Planaltina, Sobradinho, Taguatinga e Tiradentes.
O lanterninha do campeonato, o Sobradinho, nem de longe lembrou o bicampeão brasiliense de 1985 e 1986 e que chegou a passar para a Segunda Fase do Campeonato Brasileiro da Série A de 1986.
Os principais jogadores como Bocaiúva, Toni, Régis, Filó, Jamil e Michael foram negociados com outros clubes para solucionar velhos problemas financeiros.
O saldo do esfacelamento do time foi triste e vários jogadores acabaram na Justiça do Trabalho para receber os salários atrasados.
A equipe de 1988 foi formada com base em jogadores que vieram dos juniores e outros de equipes amadoras do Distrito Federal.
Até o técnico para substituir José Antônio Furtado Leal veio de uma solução caseira e a direção acertou com Dejane Welton Lopes dos Santos, que já trabalhava nas categorias inferiores do clube. Ele foi obrigado a fazer uma “peneira” entre 150 candidatos a uma vaga como jogador profissional, para tirar um grupo de 24 atletas.
Dejane dirigiu o clube em 12 jogos do 1º turno, sendo substituído por Manuel Augusto de Melo dois jogos antes do encerramento desta fase.
No primeiro turno, o Sobradinho não venceu um jogo sequer nos 14 que disputou. Marcou apenas três gols e sofreu 27.
As duas únicas vitórias em toda a competição vieram no 2º turno, a primeira contra o Guará, em 22 de maio, e a segunda, em 17 de julho (1 x 0 sobre o Planaltina), já com Ademir Cruz como novo técnico.
Essas duas vitórias ajudaram o clube a ficar na penúltima posição no segundo turno, dois pontos à frente do Ceilândia. Ainda assim, foi outro desempenho muito ruim: 14 jogos, duas vitórias, cinco empates e sete derrotas; marcou onze gols e sofreu vinte e dois.
No geral, o Sobradinho teve o pior ataque do campeonato, com apenas 14 gols nos 28 jogos que disputou, ou seja, marcou uma média de 0,5 gol a cada jogo.
Teve também a pior defesa do campeonato, sofrendo 49 gols (média de 1,75/jogo).
Conseguiu o menor número de vitórias na competição, duas, apenas. Por outro lado, sofreu o maior número de derrotas: 18.
Além disso, sofreu a maior goleada do campeonato, no dia 6 de abril de 1988, diante do Guará: 5 x 1.
O Sobradinho utilizou 34 jogadores no campeonato brasiliense de 1988, nenhum deles disputou os 28 jogos. O que mais jogou foi o goleiro Paulo Rossi, em 24 oportunidades.



sábado, 28 de março de 2020

OS PIONEIROS: Juan Herrera


Na primeira Seleção de Brasília, em 1961, como
preparador físico (o primeiro, à esquerda, agachado)
Juan Antônio Valdez Herrera começou no futebol do seu País, o Chile, na equipe do Club Universidad de Chile, de Santiago.
Depois foi contratado pelo Atlanta, da Argentina, em 1955. Na Argentina, trabalhou também no Chacarita Juniors e com esse clube viajou para a Europa em 1956.
Depois, esteve quatro meses no Paraguai, sete na Bolívia e dez no Equador.
Depois de muitas andanças veio para o Brasil. Isso aconteceu quando o técnico chileno Fernando Riera o encaminhou ao técnico Zezé Moreira, que estava no Fluminense, do Rio de Janeiro, onde Herrera permaneceu por cinco meses, trabalhando com os quadros das categorias de base e também dos aspirantes.
Participou da desastrosa excursão realizada pelo Bela Vista, de Sete Lagoas (MG), à Europa, em 1958, e depois no Curvelo, também do interior mineiro.
Trabalhou um ano como Auxiliar de Filpo Nuñez no Jabaquara, de Santos, e passou pelo Atlético e América, ambos de Belo Horizonte.
Resolveu, então, conhecer Brasília, e no dia 5 de junho de 1960 assumiu o comando do Guará. Uma semana depois, o Guará goleava o Goiás, por 6 x 0.
Ainda em 1960, mais precisamente em 26 de outubro, passou a trabalhar no SAMDU (Serviço de Assistência Médica Domiciliar e de Urgência).
No começo de 1961 foi dispensado das funções de técnico do Guará e passou a ser Auxiliar Técnico do treinador Rubens Porfírio no mesmo clube.
Em abril de 1962, embarcou para o Chile a fim de colaborar com o treinador Fernando Riera, desempenhando a mesma função que havia feito nos jogos em que a seleção chilena enfrentou a brasileira no Maracanã e no Pacaembu, em 1959. No Chile ficou seis meses, retornando depois a Brasília, onde ficou apenas dois meses no Defelê.
No segundo semestre de 1963, estava no Cruzeiro do Sul, de Brasília, como preparador físico e se transferiu para o Goiás E. C., onde também desempenharia a mesm função. Permaneceu no Goiás por cerca de quatro meses, foi para o JK, de Morrinhos (GO) e passou a ser o responsável pelo preparo físico e técnico dos quadros de todas as divisões do Ipiranga, de Anápolis (GO), onde conseguiu levantar o campeonato estadual na categoria de juvenis.
Ainda em 1964, voltou ao futebol do DF e foi treinador do recém-criado 1º de Maio, um dos clubes que disputou o primeiro campeonato profissional de Brasília neste ano.
Seu último clube no DF, em 1965, seria o Guará.
Foi, então, para o futebol de Minas Gerais, onde permaneceu duas temporadas no Valeriodoce, de Itabira, indo depois para o Formiga, onde ficou seis meses.
Foi nessa época que recebeu convite do Sergipe, de Aracaju. Mas um outro convite levou-o até o Millonarios, de Bogotá (Colômbia). Sua passagem por lá durou seis meses, retornando novamente ao Brasil, quando passou a desempenhar as funções de empresário de futebol.



sexta-feira, 27 de março de 2020

HÁ 60 ANOS NO FUTEBOL BRASILIENSE: amistoso interestadual antes da inauguração de Brasília


Quase um mês antes da inauguração de Brasília (que ocorreu no dia 21 de abril de 1960) aconteceu um amistoso interestadual em 27 de março de 1960, no estádio Israel Pinheiro (campo do Guará), envolvendo Guará e Araguari Atlético Clube, que chegou com a fama de pentacampeão do Triângulo Mineiro.
O Araguari venceu o jogo por 3 x 1, com gols de Juno (2) e Lazinho. Mauro descontou para o Guará.
Formaram as equipes com:
Guará - Redola, Silas e Tostão; Homero, Severo e Múcio; Belchior, Luisinho, Fernandinho (Mauro), Eluff e Brasil. Treinador: Augusto da Costa.
Araguari - Melo, William e Pome; Camilo, Paulinho (Karin) e Rogério; Juno, J. Montes, Lazinho, Pacuzinho e Teles.
O árbitro do jogo foi Antônio Felipe, da Liga Araguarina de Esportes.



quinta-feira, 26 de março de 2020

ANIVERSARIANTE DO DIA: Grêmio Esportivo Brasiliense


Com a finalidade de proporcionar divertimento ao pessoal do acampamento da Metropolitana (do Departamento de Viação e Obras - DVO, cujo Engenheiro-Chefe era Vasco Viana de Andrade), o Grêmio Esportivo Brasiliense foi fundado em 1958 e reconstituído administrativamente em 26 de março de 1959. Rapidamente passou a ser um dos clubes de maior popularidade em Brasília.
Na reunião de 1º de abril de 1959, o Grêmio filiou-se à Federação Desportiva de Brasília (fundada em 16 de março do mesmo ano).
A reunião que aprovou os estatutos do Grêmio e elegeu sua primeira diretoria aconteceu na residência de Moacyr Soares de Souza, situada na Avenida Central, Núcleo Bandeirante, no dia 6 de agosto de 1959. Ficou assim constituída a sua primeira diretoria: Presidente – Moacyr de Miranda Gomes; Vice-Presidente – José Porto Sobrinho; 1º Secretário – Armando Barreto; Diretor Social – Carlos Frederico do Amaral; 1º Tesoureiro – Paulo Pimenta Guimarães; 2º Secretário – Waldomiro Veiga; Diretor Esportivo – Moacyr Soares de Sousa e Diretor Técnico – José Jorge de Mello.
Quando teve início o primeiro campeonato de futebol de Brasília, em 31 de maio de 1959, o Grêmio era um dos 19 clubes inscritos e fez parte da chave da Zona Sul. Em sua estreia, o Grêmio venceu a Associação Desportiva de Taguatinga por 3 x 0.
Venceu a sua zona e disputou contra o campeão da Norte, o Planalto. Na terceira partida da melhor de três pela decisão do campeonato brasiliense, em 22 de novembro de 1959, o Grêmio venceu o Planalto por 1 x 0 e se tornou o primeiro campeão brasiliense de futebol.

Campeão brasiliense de 1959
A formação titular do Grêmio era: Bosco, Amauri e Hugo; Remis, Alemão e Ralph; Carlinhos, Nilo, Jair, Eluff e Roberto. O técnico foi Rubens Porfírio da Paz, irmão do General Porfírio da Paz, que chegou a ser Governador de São Paulo e um dos fundadores do São Paulo Futebol Clube. Boa parte desses jogadores vieram do futebol de Anápolis-GO e do interior de Minas Gerais.
No dia 14 de dezembro de 1959, foram inauguradas as dependências da nova sede do Grêmio, localizada na Metropolitana.
O Grêmio participou da primeira competição organizada pela nova Federação Desportiva de Brasília, o Torneio Início, no dia 4 de setembro de 1960. Os jogos foram realizados no Estádio Israel Pinheiro, do Guará. Foi eliminado pelo Expansão, na decisão por pênaltis, após empate de 0 x 0 no tempo normal de jogo.
Em virtude do elevado número de clubes inscritos (16), a Federação Desportiva de Brasília resolveu fazer um torneio para determinar as oito equipes que disputariam o campeonato da Primeira Divisão e as oito que comporiam a Segunda. Os 16 clubes foram divididos em 4 grupos. Os clubes com campos em condições de jogo foram cabeças-de-chave. O Grêmio fez parte do Grupo B, com jogos no seu campo, tendo como adversários Brasil Central, Consispa e Expansão. Na primeira rodada, o Grêmio perdeu para o Consispa por 3 x 2, e só garantiu a vaga na Primeira Divisão na terceira e última rodada, realizada em 9 de outubro de 1960, ao vencer o Brasil Central por 2 x 0.
Fez sua estreia no Campeonato Brasiliense em 27 de novembro de 1960, no Estádio Vasco Viana de Andrade, goleando o Pederneiras por 4 x 1.
Encerrou sua participação no campeonato brasiliense de 1960 no dia 15 de janeiro de 1961, ao empatar com o Planalto em 2 x 2. Terminou na quinta colocação.
Após sete rodadas do Campeonato Brasiliense de 1961, o Grêmio terminaria essa competição na sexta colocação.
Em 9 de janeiro de 1962, aconteceu a posse do novo Presidente do Grêmio, Armando Barreto.
No dia 24 de abril de 1963, foram iniciadas as obras para construção da sede do Grêmio.
Em assembleia realizada no dia 19 de janeiro de 1964, a diretoria do Grêmio decidiu por voltar a ser amador, desistindo de sua participação no campeonato brasiliense de profissionais desse ano.
Em 1965, o Grêmio ficou com a terceira colocação no campeonato brasiliense de amadores.
Em 12 de dezembro de 1965, Newton Abreu foi eleito presidente do Grêmio.
O Grêmio venceu o Torneio Início da Divisão de Amadores. O torneio foi disputado no Estádio Vasco Viana de Andrade, no dia 26 de junho de 1966 e, na final, o Grêmio derrotou o Cruzeiro, por 3 x 2.
Nos dias 9 e 10 de agosto de 1969, o Grêmio fez pequena excursão até as cidades do interior de Minas Gerais, Paracatu e João Pinheiro. Jogou em Paracatu no dia 9, contra o União E. C., tetracampeão da cidade, obtendo o empate de 2 x 2. No domingo, 10, foi até João Pinheiro e venceu a A. E. Pinheirense, por 3 x 1.
O Grêmio foi vice-campeão brasiliense em 1969, sua melhor colocação até então, dez anos depois do título de 1959.
O Grêmio sagrou-se campeão invicto do Torneio “Governador Hélio Prates da Silveira”, ao vencer, na última rodada, em 16 de agosto de 1970, o Coenge, por 2 x 1. Neste jogo, o Grêmio formou com Sílvio, Pedrinho, Grossi, Paulinho e Luiz; Orlando e Nemias; Noé, Santos, Zezé e Marcos.
O segundo título de campeão brasiliense do Grêmio (relativo ao ano de 1970) veio após a decisão, em melhor de três jogos, com o Civilsan, nos dias 24 e 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 1971.
No dia 24 de janeiro de 1971, o Grêmio foi goleado pelo placar de 6 x 2. Recuperou-se no jogo seguinte, vencendo por 2 x 1, e repetiu o placar no terceiro jogo, conquistando pela segunda vez o título de campeão brasiliense. Formou na última partida com Sílvio, Maninho, Grossi, Paulinho e Lúcio; Marcos e Nemias; Cardoso, Santos, Pedrinho e Sinval (Orlando). Técnico: Bugue.
Em 27 de setembro de 1971, José Francisco Paes Landim renunciou à Presidência do Grêmio Esportivo Brasiliense. Abemar Tadeu Martins Herdy, Vice-Presidente, passou a substituí-lo.
1972
Em 28 de outubro de 1971 aconteceu a assembleia do Grêmio Esportivo Brasiliense que elegeu José Fernandes da Rocha presidente.
No dia 29 de agosto de 1973 foi concedida pela Federação Metropolitana de Futebol licença até janeiro de 1974 ao Grêmio Esportivo Brasiliense.
No amistoso realizado no Pelezão, no dia 23 de março de 1975, quando empatou em 1 x 1 com a Pioneira, o Grêmio retornou ao futebol de Brasília.
Eleições no Grêmio Esportivo Brasiliense foram realizadas no dia 4 de dezembro de 1975. O presidente eleito foi Jacques de Almeida.
Em amistoso disputado no Pelezão, no dia 31 de março de 1976, o Grêmio foi derrotado pelo Cruzeiro, de Belo Horizonte (MG), pelo placar de 4 x 3.
Ao empatar com o CEUB em 1 x 1, no dia 10 de abril de 1976, o Grêmio tornou-se campeão invicto do Torneio Imprensa, primeira competição realizada sob o novo regime profissional do futebol de Brasília.
O Grêmio ficou com o segundo lugar no campeonato brasiliense de 1976.
O Grêmio ainda disputaria o campeonato brasiliense de 1977 e 1978. O último jogo oficial do Grêmio no futebol do DF apresentou a seguinte ficha técnica:

GAMA 1 x 1 GRÊMIO
Data: 3 de dezembro de 1978
Local: Bezerrão
Árbitro: Adélio Nogueira
Gols: Chiquinho, 25 e Júlio, 56
GAMA: Chico, Careca, Zinha, Manoel Silva e Kell; Santana, Manoel Ferreira e Well (Vicente); Júlio, Niltinho e Alves (Cleiton). Técnico: Jaime Souza dos Santos.
GRÊMIO: Batista, Coutinho, Walter, Sabará (Zé Wilson) e Wilson; Geraldo, Zezinho e Edu (Alécio); Jackson, Cláudio e Chiquinho. Técnico: Otaziano Ferreira da Silva.

1976
No campeonato brasiliense de 1978 o Grêmio ficou com a sexta e penúltima colocação, à frente apenas do Sobradinho, com a seguinte campanha: 12 jogos, uma vitória, sete empates e quatro derrotas; marcou onze gols e sofreu vinte.
Logo depois que foi encerrada essa competição, o Grêmio pediu licença. Não quis disputar o Torneio Seletivo, realizado pela Federação Metropolitana de Futebol no período de 4 de março a 8 de abril de 1979, com a finalidade de escolher o clube que ocuparia a segunda vaga no Campeonato Brasileiro versão 1979, reservada para o Distrito Federal.
Como clube social, o Grêmio Esportivo Brasiliense nunca deixou de existir e o futebol continua sendo forte dentro do clube.
Após ser vice-campeão em 2013, perdendo a final para a ASBAC, o Grêmio conquistou o título do Campeonato Interclubes de Brasília de 2014. Na decisão, venceu o Minas-Brasília Tênis Clube, após empatar em 0 x 0 no tempo normal de jogo e vencer nos pênaltis.


quarta-feira, 25 de março de 2020

ARQUIVOS DO FUTEBOL BRASILIENSE: Campeonato Brasiliense da Segunda Divisão de 2009


PRIMEIRA FASE

CFZ 1 x 1 UNAÍ
Data: 15 de agosto de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Francisco Alves
Gols: Michel, 29 para o CFZ e Rogério, 63 para o Unaí

SANTA MARIA 3 x 0 CEILANDENSE
Data: 15 de agosto de 2009
Local: Rorizão, Samambaia (DF)
Árbitro: Ademário Mandinga das Neves
Gols: Eldson, 24; Pedro Henrique, 82 e Atevaldo, 88

BRAZSAT 2 x 4 BOTAFOGO
Data: 16 de agosto de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Jardel Cassemiro
Gols: João Pacheco, 7 e Mário Zan, 58 para o Brazsat e Túlio, 23; Fábio Lima, 41; Túlio, 56 e Leonardo da Silva, 90 para o Botafogo

SANTA MARIA 1 x 1 BRAZSAT
Data: 22 de agosto de 2009
Local: Rorizão, Samambaia (DF)
Árbitro: Raimundo Lôpo
Gols: Ronilson, 66 para o Santa Maria e Rodrigo Mello, 50 para o Brazsat

CRUZEIRO 0 x 1 BOTAFOGO
Data: 22 de agosto de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Alexandre Andrade
Gol: Túlio, 57

UNAÍ 0 x 0 CEILANDENSE
Data: 23 de agosto de 2009
Local: Urbano Adjuto, Unaí (MG)
Árbitro: Almir Camargo

CRUZEIRO 0 x 1 BRAZSAT
Data: 29 de agosto de 2009
Local: Francisco Pires, Cruzeiro (DF)
Árbitro: Divino Enes
Gol: Fernando Veiga, 63

BOTAFOGO 1 x 0 UNAÍ
Data: 29 de agosto de 2009
Local: CAVE, Guará (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Gol: Luiz Carlos, 46

CFZ 3 x 2 SANTA MARIA
Data: 30 de agosto de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Wales Martins
Gols: Allan, 23; Regis, 40 e Michel, 70 para o CFZ e Ronilson, 11 e Genilson, 79 para o Santa Maria

SANTA MARIA 0 x 1 UNAÍ
Data: 5 de setembro de 2009
Local: CAVE, Guará (DF)
Árbitro: Alexandre Andrade
Gol: Gustavo, 38

CFZ 1 x 0 CRUZEIRO
Data: 5 de setembro de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Nivaldo Nunes
Gol: Michel, 71

CEILANDENSE 1 x 0 BOTAFOGO
Data: 5 de setembro de 2009
Local: Abadião, Ceilândia (DF)
Árbitro: José de Caldas Souza
Gol: Edicarlos, 49

BOTAFOGO 1 x 0 CFZ
Data: 12 de setembro de 2009
Local: CAVE, Guará (DF)
Árbitro: Almir Camargo
Gols: Luiz Carlos, 45

UNAÍ 3 x 1 CRUZEIRO
Data: 12 de setembro de 2009
Local: Urbano Adjuto, Unaí (MG)
Árbitro: Ademário Mandinga das Neves
Gols: Rogério, 59; Maykon, 63 e Ricardo, 71 para o Unaí e Cláudio, 46 para o Cruzeiro

BRAZSAT 0 x 2 CEILANDENSE
Data: 13 de setembro de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Rogério Bueno
Gols: Kabrine, 86 e Edicarlos, 90+2

SANTA MARIA 0 x 2 BOTAFOGO
Data: 19 de setembro de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Gols: Leonardo Barbosa, 64 e Túlio, 72

CFZ 1 x 3 BRAZSAT
Data: 19 de setembro de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Nivaldo Nunes
Gols: Michel, 27 para o CFZ e Jocelmo, 14 e João Freitas, 16 e 59 para o Brazsat

CRUZEIRO 1 x 1 CEILANDENSE
Data: 19 de setembro de 2009
Local: Francisco Pires, Cruzeiro (DF)
Árbitro: Sérgio Santos
Gols: Giovani, 26 para o Cruzeiro e Edicarlos, 88 para o Ceilandense

CEILANDENSE 2 x 2 CFZ
Data: 26 de setembro de 2009
Local: Abadião, Ceilândia (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Gols: Edicarlos, 48 e 71 para o Ceilandense e Allan Ferreira, 67 e Adilson Pereira, 77 para o CFZ

CRUZEIRO 4 x 1 SANTA MARIA
Data: 26 de setembro de 2009
Local: Francisco Pires, Cruzeiro (DF)
Árbitro: Alexandre Andrade
Gols: Cláudio, 41 e Leonardo Leal, 48, 57 e 90+2 para o Cruzeiro e Genilson, 21 para o Santa Maria

UNAÍ 1 x 1 BRAZSAT
Data: 26 de setembro de 2009
Local: Urbano Adjuto, Unaí (MG)
Árbitro: Raimundo Lôpo
Gols: Gustavo, 7 para o Unaí e João de Freitas, 30 para o Brazsat

CLASSIFICAÇÃO DA PRIMEIRA FASE

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
BOTAFOGO
6
5
0
1
9
3
6
15
UNAÍ
6
2
3
1
6
4
2
9
CEILANDENSE
6
2
3
1
6
6
0
9
BRAZSAT
6
2
2
2
8
9
-1
8
CFZ
6
2
2
2
8
9
-1
8
CRUZEIRO
6
1
1
4
6
8
-2
4
SANTA MARIA
6
1
1
4
7
11
-4
4

SEMIFINAIS

BRAZSAT 1 x 2 BOTAFOGO
Data: 3 de outubro de 2009
Local: Mané Garrincha, Brasília (DF)
Árbitro: Ademário Mandinga das Neves
Gols: Fernando Veiga, 49 para o Brazsat e Túlio, 80 e 86 para o Botafogo

CEILANDENSE 4 x 1 UNAÍ
Data: 3 de outubro de 2009
Local: Abadião, Ceilândia (DF)
Árbitro: Rogério Bueno
Gols: Paulo Renê (2), Geraldo Pereira e Edicarlos para o Ceilandense e Rogério Silva, 12 para o Unaí

UNAÍ 3 x 3 CEILANDENSE
Data: 10 de outubro de 2009
Local: Urbano Adjuto, Unaí (MG)
Árbitro: Nivaldo Nunes
Gols: Gustavo, 4; Ricardo Mendes, 30 e Rogério da Silva, 38 para o Unaí e Edicarlos, 38 e Zildo Fonseca, 63 e 85 para o Ceilandense

BOTAFOGO 2 x 1 BRAZSAT
Data: 10 de outubro de 2009
Local: CAVE, Guará (DF)
Árbitro: Almir Camargo
Gols: Túlio, 1 e Reinaldo da Silva, 87 para o Botafogo e Cassius, 79 para o Brazsat

FINAL

BOTAFOGO 1 x 2 CEILANDENSE
Data: 17 de outubro de 2009
Local: CAVE, Guará (DF)
Árbitro: Rodrigo Raposo
Gols: Alcione, 90+1 para o Botafogo e Geraldo Pereira, 38 e Iron, 90+3 para o Ceilandense

CLASSIFICAÇÃO FINAL

CF
CLUBES
J
V
E
D
GF
GC
SG
PG
CEILANDENSE
9
4
4
1
15
11
4
16
BOTAFOGO
9
7
0
2
14
7
7
21
UNAÍ
8
2
4
2
10
11
-1
10
BRAZSAT
8
2
2
4
10
13
-3
8
CFZ
6
2
2
2
8
9
-1
8
CRUZEIRO
6
1
1
4
6
8
-2
4
SANTA MARIA
6
1
1
4
7
11
-4
4