Total de visualizações de página

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

# PASSARAM POR AQUI: Beto Fuscão



Rigoberto Costa, o Beto Fuscão, nasceu no bairro do Estreito, em Florianópolis (SC), no dia 13 de abril de 1950.
Beto Fuscão era zagueiro do tipo que não brincava em serviço e nem tinha vergonha de dar um chutão se preciso fosse. Por outro lado, sabia jogar com classe.
Depois que se afastou do futebol, foi morar no bairro do Estreito e passou a trabalhar como professor em escolinhas de futebol na capital catarinense.
Antes de se tornar jogador profissional, batia sua bolinha nas folgas da oficina mecânica em que trabalhava.
Iniciou sua carreira profissional jogando pelo Figueirense, da capital catarinense, no ano de 1968.
No Figueirense, Beto Fuscão permaneceu até 1971. Em seguida foi para o América, de Joinville (SC), onde jogou até o ano de 1972. Nesse período também defendeu o selecionado catarinense.
Sua grande chance aconteceu quando o Grêmio o contratou no ano de 1973. 

No Grêmio, Beto Fuscão formou um sistema defensivo forte ao lado do goleiro Cejas, Eurico, Ancheta e Bolívar. Jogou pelo Grêmio em um período de derrotas e insucessos, onde o Internacional, maior rival do Grêmio, mantinha o domínio do futebol gaúcho, escrita que só foi quebrada em 1977, quando o Grêmio conquistou o campeonato gaúcho.
Foi defendendo o time gaúcho que Beto Fuscão chegou pela primeira vez ao selecionado nacional: no dia 19 de maio de 1976, na vitória de 2 x 0 sobre a Argentina, no Maracanã, substituindo Amaral. 

Pela Seleção Brasileira Beto Fuscão conquistou a Taça do Atlântico e o Torneio Bicentenário dos Estados Unidos, ambos em 1976.
No total, Beto Fuscão defendeu a Seleção Brasileira em 15 jogos entre os anos de 1976 e 1977 (o último foi no dia 3 de março).
Em 1977 Beto Fuscão foi contratado pelo Palmeiras. Sua estreia aconteceu no dia 2 de abril de 1977, no Morumbi, diante do Santos, em um clássico válido pelo primeiro turno do campeonato paulista desse ano. Beto Fuscão teve uma boa atuação e o Palmeiras venceu por 2 x 0.
Em 1978 Beto Fuscão foi vice-campeão brasileiro perdendo a final para o Guarani. 

No Palmeiras, no período compreendido entre 1977 e 1980, Beto Fuscão disputou 206 partidas, com 89 vitórias, 71 empates, 46 derrotas e dois gols marcados.
Beto Fuscão permaneceu no Palmeiras até o dia 26 de outubro de 1980, quando o Palmeiras empatou em 2 x 2 com o Marília.
Em 1981 Beto Fuscão foi defender o São José, de São José dos Campos (SP), permanecendo nesse clube até 1983. Foram 138 jogos no São José, com dois gols marcados.
Jogou, em 1984, pelo Operário, de Campo Grande (MS) e em seguida pela Ferroviária, de Araraquara (SP), onde disputou 33 jogos.
Em 1985 deixou a Ferroviária e foi jogar pelo Araçatuba, de São Paulo. 
Posteriormente, esteve no Uberaba-MG entre 1986 e 1987. 

PASSAGEM POR BRASÍLIA

Beto Fuscão chegou a Brasília no começo de fevereiro de 1988, contratado pelo Tiradentes. Sua estreia não poderia ser de melhor forma: no dia 28 de fevereiro de 1988, no CAVE, Beto Fuscão marcou o gol da vitória de 1 x 0 sobre o Guará.
Marcaria mais dois gols nas outros 23 jogos que disputou em 1988 e teve participação importante na conquista do título de campeão brasiliense pela primeira vez na história do Tiradentes.
No final do ano, Beto Fuscão foi um dos seis jogadores que concorreram ao IV TROFÉU “MELHORES DO ESPORTE BRASILIENSE” - 1988, promoção da Associação Brasiliense de Cronistas Desportivos - ABCD. No futebol os eleitos foram Beto Fuscão, Moura e Zé Maurício (Tiradentes), Bocaiúva (Taguatinga), Josimar (Brasília) e Pedro César (Guará). O vencedor foi Moura.
No primeiro semestre de 1989 disputou o campeonato brasiliense pelo Tiradentes (foram 17 jogos) e no segundo o Campeonato Brasileiro da Série B emprestado ao Ceilândia.

Das três equipes do DF (as outras duas foram Sobradinho e Taguatinga) que disputaram a Primeira Fase, apenas o Ceilândia passou para a Segunda. Após duas partidas contra o Rio Branco, do Acre, o Ceilândia foi desclassificado.
No dia 19 de julho de 1989, quando o Tiradentes se tornou a primeira equipe do futebol brasiliense a disputar um jogo válido pela Copa do Brasil, era comandado por Beto Fuscão e pelo folclórico treinador Dario, o Dadá Maravilha.
O Tiradentes ficou com a quarta colocação no campeonato brasiliense de 1990. Beto Fuscão esteve presente em 15 dos 16 jogos disputados pelo Tiradentes.
Logo depois desse campeonato, foi realizado o Torneio Seletivo para indicar o representante do Distrito Federal no Campeonato Brasileiro da Série C de 1990. O Tiradentes ficou com a segunda colocação. O campeão e representante do DF foi o Gama.
Aos 41 anos, participou pela última vez de uma partida de futebol. Foi no dia 25 de agosto de 1991, no Bezerrão, com vitória do Tiradentes sobre o Gama por 1 x 0. Naquele dia, Beto Fuscão acumulou as funções de quarto-zagueiro com a de treinador do Tiradentes. Foram 14 jogos como atleta e dois como treinador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário