Total de visualizações de página

domingo, 5 de fevereiro de 2017

# PASSARAM POR AQUI: Edu




Eduardo Antunes Coimbra, ou Edu Coimbra, ou Edu, ou Eduzinho, nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 5 de fevereiro de 1947 (está completando 70 anos no dia de hoje).
O nome de Edu Coimbra é rapidamente associado à Zico, de quem é irmão mais velho. Apontado por alguns como dono de um futebol perfeitamente comparável ao do seu irmão caçula, Edu será sempre lembrado pelo futebol refinado, de dribles curtos, passes e lançamentos precisos. Foi revelado pelo América (RJ), onde chegou aos 15 anos, em 1962, para ingressar no time infantil.

Permaneceu no América até 1974, se tornando um dos maiores ídolos do clube, transformando-se no segundo maior artilheiro da história do América, conseguindo marcar incríveis 212 gols em 402 jogos. No América, Edu foi o artilheiro do Torneio Roberto Gomes Pedrosa de 1969, com 14 gols, Bola de Prata, da revista Placar, em 1971, e campeão da Taça Guanabara de 1974.
A partir de 26 de fevereiro e até 14 de agosto de 1975 disputou o campeonato carioca pelo Vasco da Gama. Foram 21 jogos e 4 gols. O Vasco da Gama foi vice-campeão.
Logo depois do campeonato carioca, transferiu-se para o Flamengo, onde fez seu primeiro jogo em 2 de outubro de 1975, em Bucareste, capital da Romênia, sendo derrotado pelo Sportul Studentesc, por 1 x 0. No total foram oito meses no clube, 24 jogos e seis gols com a camisa do Flamengo. Curiosamente, dois desses jogos foram em Brasília, nos dias 5 e 7 de fevereiro de 1976, contra Brasília e Ceub, ambos com vitória pelo mesmo placar (2 x 1), válidos pelo Torneio “Governador Elmo Serejo Farias”, conquistado pelo rubro-negro carioca.
Em junho de 1976 foi emprestado ao Bahia, com contrato até 31 de dezembro. Em sua estreia, no amistoso entre Bahia e Flamengo, no dia 17 de junho de 1976, Edu marcou um gol de bicicleta, garantindo o empate em 1 x 1.
Depois de perder as duas primeiras fases do primeiro turno para o Vitória, o Bahia recuperou-se e venceu as duas fases do segundo. Acabou levando a melhor sobre seu maior rival na decisão, quando venceu os dois jogos nos dias 18 e 22 de agosto e sagrou-se campeão baiano de 1976, o primeiro título de campeão estadual de Edu.
Nessa época, Edu fazia Educação Física no Rio de Janeiro e não queria perder o ano, por isso eram constantes suas viagens, o que muito justamente acabou chateando o técnico Orlando Fantoni, que o colocou no banco de reservas. Edu só voltaria à condição de titular do Bahia ao fim do Campeonato Brasileiro de 1976.
Curiosamente, seu último jogo pelo Bahia foi no Maracanã, no dia 28 de novembro de 1976, na derrota de 1 x 0 para o Fluminense. Como o Bahia não comprou seu passe, voltou ao Rio de Janeiro e não demorou muito para ser contratado pelo Colorado, de Curitiba (PR).

Campo Grande (RJ)
Estreou no dia 6 de março de 1977, contra o Londrina, em jogo válido pela Fase Final do campeonato paranaense de 1976. O Colorado ficou com o vice-campeonato.
Continuou no Colorado em 1977 e em 1978 foi artilheiro do campeonato paranaense de 1978, com 8 gols. Nesse mesmo ano de 1978, ingressou no Joinville, de Santa Catarina.
Passou pelo Brasília em 1979, até terminar sua carreira como jogador no Campo Grande (RJ), em 1981.

PASSAGEM PELA SELEÇÃO BRASILEIRA

Edu jogou apenas uma partida com a camisa da Seleção Brasileira. Foi no dia 2 de junho de 1967, no empate de 2 x 2 com o Uruguai, jogo válido pela Copa Rio Branco.
Também teve uma passagem pela seleção brasileira como treinador. Assumiu a seleção após reestruturar o futebol no Vasco da Gama, que ficara em 10º lugar no estadual do Rio de Janeiro em 1983, levando o clube ao vice-campeonato brasileiro em 1984.
Chegou disposto a pôr em prática as experiências que acumulou ao longo de 20 anos como craque de bola e treinador, em pequenos e grandes clubes, mas não teve tempo para fazê-lo, dado que o calendário da CBF para a seleção principal, naquele ano, previa pouquíssimas partidas.
Foram três partidas como treinador do Brasil, as três no Brasil, a primeira em 10 de junho de 1984 e a última em 21 de junho de 1984. Seu retrospecto: uma vitória, um empate e uma derrota.

CARREIRA COMO TREINADOR

Depois de encerrar a carreira como jogador, Edu iniciou a carreira de técnico, começando sua jornada novamente pelo América (RJ), em 1982, dessa vez pelo time de juniores. Ele treinou, entre outros times, Vasco da Gama-RJ (1984/1985) - onde foi vice-campeão brasileiro em 1984 -, Seleção do Iraque (1986), Joinville-SC (1987 - 1º título de campeão como treinador), Criciúma-SC (1987), Barcelona, de Guayaquil, Equador (1988), Coritiba-PR (1989), Botafogo-RJ (1990), Veracruz, do México (1991), Sport Boys, do Peru (1992), Remo-PA (1992), Fluminense-RJ (1993), Campo Grande-RJ (1994) e Kashima Antlers, do Japão (1995). 

Foi à Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, pela Seleção do Japão como auxiliar técnico de Zico. Nessa nova função trabalhou na Seleção do Japão de 2002 a 2006. Também trabalhou no Fenerbahce, da Turquia (2006 a 2008), Bunyodkor, do Uzbequistão (2008 e 2009), CSKA de Moscou, Rússia (2009), Olympiakos, da Grécia (2009 e 2010) e Seleção do Iraque, em 2011.

Formado em Educação Física, é autor do livro "O Método Sensorial no Futebol".


PASSAGEM POR BRASÍLIA

Foi curta a passagem de Edu pelo Brasília. Já com 32 anos, desembarcou em Brasília em maio de 1979.
Fez sua estreia na primeira rodada do 2º turno do campeonato brasiliense, no dia 2 de junho de 1979, na vitória de 1 x 0 sobre a Desportiva Bandeirante. Saiu do jogo contundido, sendo substituído por Vilmar.
Só retornaria em 24 de junho de 1979, na vitória de 3 x 0 sobre o Taguatinga, no Serejão.
No dia 1º de julho de 1979, no Augustinho Lima, vitória do Brasília sobre o Sobradinho, por 2 x 0. Foi substituído por Vilmar. O Brasília ficou em segundo lugar no 2º turno.
Voltaria a jogar já pelo terceiro turno, no dia 15 de julho de 1979, no empate de 1 x 1 com o Sobradinho. Desta vez foi substituído por Edmar.
Novamente o Brasília ficou com a segunda colocação no terceiro turno.
Sua última partida no campeonato brasiliense com a camisa do Brasília foi justamente a da decisão do certame de 1979, no dia 19 de agosto de 1979, no Pelezão, quando o Brasília foi derrotado pelo Gama, por 2 x 1, e ficou com o vice-campeonato.
No total, foram apenas cinco jogos pelo campeonato brasiliense, sem marcar gols.
A seguir, disputou seis partidas pelo campeonato brasileiro de 1979, marcando seu único gol no dia 28 de outubro, no Pelezão, justamente na derrota por goleada diante do Gama (4 x 1). Também foi sua última partida no Brasília.

Nenhum comentário:

Postar um comentário