Total de visualizações de página

terça-feira, 14 de março de 2017

HÁ 50 ANOS NO FUTEBOL BRASILIENSE: Botafogo vence Bangu em Brasília




Hoje em dia é comum você saber que um jogo válido por um determinado campeonato estadual foi realizado em outro Estado do Brasil. Você imaginaria um jogo do campeonato carioca sendo disputado em Natal (RN)? Ou em Manaus (AM)?
Os jogos do Brasileiro deveriam seguir uma tabela estabelecida pela CBF, mas, assim que é divulgada, começam as tratativas para se mudar o local dos jogos, tudo em nome da arrecadação que será gerada por esse jogo longe dos seus torcedores de origem.
Torneios amistosos em praças que nem clube local participam. Amistosos, jogos comemorativos fora de sua cidade sede, tudo é possível no atual futebol brasileiro.
Mas essa não era uma prática comum há 50 anos no futebol brasileiro. Por isso, o nosso registro de hoje.
No dia 14 de março de 1967, Botafogo e Bangu estiveram em Brasília para disputar um amistoso.
A partida fez parte das festividades da posse do Marechal Costa e Silva na Presidência da República.
O amistoso foi realizado no Estádio Nacional de Brasília, valendo o Troféu “Costa e Silva”.
Havia uma grande expectativa em torno do jogo, pois o Botafogo gozava de grande prestígio em Brasília, e o Bangu era o então campeão carioca e possuidor de um grande elenco.
Todos os jogadores ficaram hospedados no Hotel Imperial, de onde saíram somente próximo ao horário previsto para o início do jogo: 21 horas.
O Botafogo venceu o Bangu por 2 x 1. Rogério, 16 minutos, e Paulo César Lima, aos 44, fizeram os gols do Botafogo, enquanto Aladim, aos 14 minutos do segundo tempo, marcou para o Bangu. 
O árbitro do jogo foi Airton Vieira de Morais, o Sansão.
Com a vantagem obtida no primeiro tempo, o Botafogo armou-se defensivamente para a segunda etapa.
Acabou vencendo com méritos, em um jogo de bom nível técnico e movimentação, que agradou ao bom público presente ao Estádio Nacional de Brasília.
O primeiro gol do Botafogo surgiu de uma falha na defesa do Bangu, que ficou na expectativa de ser marcado um impedimento do ponteiro Rogério. Como nada foi marcado, Rogério entrou livre e na saída de Ubirajara Motta, driblou-o e tocou para o fundo das redes.
O Botafogo manteve a cadência de suas ações e, aos 44 minutos, Paulo César Lima fez o segundo, em chute de longe, que enganou Ubirajara Motta ao tocar a bola no terreno, quando o goleiro se preparava para uma defesa aparentemente tranquila.
No segundo tempo, o Bangu foi para cima do Botafogo e conseguiu diminuir aos 14 minutos, depois de um bonito gol marcado por Aladim.

Rogério e Afonsinho
Mas, apesar dos esforços, não conseguiu chegar ao empate. O jogo terminou com o Bangu lutando desesperadamente e o Botafogo todo fechado para manter o resultado de 2 x 1, obtendo êxito.
Jogou o Botafogo com Manga, Paulistinha, Zé Carlos (Chiquinho), Leônidas e Dimas (Valtencir); Nei Conceição e Afonsinho; Rogério (Zélio), Airton, Roberto (Ruy Amoroso) e Paulo César Lima. Técnico: Admildo Chirol.
O Bangu atuou com Ubirajara Motta, Cabrita, Mário Tito, Luís Alberto e Pedrinho; Ocimar e Jair; Tonho, Paulo Borges, Cabralzinho e Aladim. Técnico: Martim Francisco.

Mário Tito e Ubirajara Motta
A renda de Cr$ 31.876.000,00 correspondeu à expectativa, pois deu para cobrir as despesas e ainda deixou uma pequena margem de lucro para ser aplicado no próprio estádio.
Assim é que, computada a venda antecipada, o jogo rendeu oficialmente a importância de 31 milhões e 876 mil cruzeiros antigos.
Como as despesas com o transporte das delegações ficou em 13 milhões, mais 14 milhões para os clubes e despesas com hospedagem, que andaram pela casa dos 700 mil cruzeiros, a Federação Desportiva de Brasília ficou com uma pequena margem de lucro.
De qualquer modo, esta promoção, que contou com o apoio da torcida brasiliense, serviu para incentivar novas promoções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário