Total de visualizações de página

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

A PRIMEIRA VEZ A GENTE NÃO ESQUECE: O primeiro Torneio Início de Brasília



A primeira competição organizada pela Federação Desportiva de Brasília foi o Torneio Início (que levou o nome de Taça "Governador Roberto Silveira"). 
Solicitaram inscrição 16 clubes: Associação Atlética Guanabara, Associação Esportiva Edilson Mota (ex-Ecra Futebol Clube), Brasil Central Atlético Clube, Central Clube Nacional, Clube de Futebol e Regatas Alvorada, Clube de Regatas Guará, Consispa Esporte Clube, Defelê Futebol Clube, Esporte Clube Industrial, Esporte Clube Planalto, Esporte Clube Real de Brasília, Expansão Esporte Clube, Grêmio Esportivo Brasiliense, Pederneiras Esporte Clube, Rabello Futebol Clube e Sobradinho Esporte Clube.
Os jogos foram realizados no dia 4 de setembro de 1960, no Estádio Israel Pinheiro, do Guará. A imprensa escrita e falada foi incansável no apoio à primeira competição oficial da FDB.
Conforme previa o regulamento, os jogos foram realizados em dois tempos de dez minutos cada, sem intervalo. No caso de empate, haveria a decisão por pênaltis, três para cada equipe, na primeira série. O jogo final foi em dois tempos de 30 minutos cada, com intervalo de dez minutos. Apresentaram os seguintes resultados:

1º jogo
Defelê 0 x 0 Guanabara
Na decisão por pênaltis, vitória do Guanabara por 3 x 2
Os quadros formaram assim:
Guanabara: Braga, Emídio e Reinaldo; Roberto, Farneze e Isaías; Nelício, Paulo, Walfredo, José e Antônio.
Defelê: Leal, Euclides e Samuel; Élcio, Wander e Zé Paulo; Ramiro, Edson, Picolé, Ely e Gilberto.

2º jogo
Grêmio 0 x 0 Expansão
Na decisão por pênaltis, vitória do Expansão
Expansão: Agnaldo, Alvassy e Dalton, Antônio, Amaral e Joaquim; Santos, Ronei, Marreco, Heleno e Hélio.
Grêmio: Ivan, Amauri e Zé Olindo; Pedersoli, Geraldão e Orlando; Turquinho, Ari, Geraldo, Ferreira e Moacir.

3º jogo
Planalto 1 x 0 Industrial, gol de Edson Galba, cobrando pênalti
Planalto: Issinha, Ventura, Ferreira e Rhodios; Wolney e Cardoso; Ferrete, Moreira, Carlos, Edson Galba e Prego.
Industrial: Barbosa, Pernambuco e Justino; Gordinho, João Luís e Braúna; Espanhol, Otávio, João, Motorista e Lino.

4º jogo
Sobradinho 1 x 0 Real, gol de Pateta, contra
Sobradinho: Ivan, Carrasco, Pedrinho e Braga; Passos e Valmir; Rodrigues, Gaguinho, Ramos, Armando e Segnoret.
Real: Weldas, Baganha, Walter e Hugo; Paiva e Nilson; Norberto, Silva, Nildemar, Joãozinho e Ildeu.

5º jogo
Edilson Mota 1 x 0 Brasil Central, gol de Alemão
Edilson Mota: Cabeludo, Roberto e Oswaldo; Cazuza, Divino e Maia; Dario, Cardoso, Gesil, Negrão e Alemão.
Brasil Central: Rubens, Hilton e Zelão; Eurípedes, Martins e Jacinto; Goiano, Jasson, Carlos, Martins e Sabará.

6º jogo
Pederneiras 2 x 0 Nacional, gols de Gote e Marcionilo
Pederneiras: Celestino, Hélio, Nogueira e Darci; Alcides e Antônio; Gotte, Zezinho, Marcionilo, Valter e Cotia.
Nacional: Roberto, Baixinho, Coelho e Valmir; Chesman e Tarcísio; Sete, Zezito, Dilvo e Joãozinho. Obs.: o Nacional atuou somente com 10 jogadores.

7º jogo
Rabello 1 x 0 Alvorada, gol de Nilo
Rabello: Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Délio e Alberto; Antônio, Léo, Baianinho, Nilo e Motorzinho.
Alvorada: Carioca, Carlos e Tatão; Valnor, Dequinha e Mossoró; Zezinho, Nicolau, Dandão, Zeca e Piauí.

8º jogo
Consispa 0 x 0 Guará
Na decisão por pênaltis, vitória do Guará, por 3 x 2
Guará (jogou com dez jogadores): Redola, Aderbal, Tostão e Clemente; Boneco e Eluff; Cleli, Fernando, Carlos e Severo.
Consispa: Noel, Zózimo e Jurandir; Wilmond, Cosmo e Cláudio; Hélio, Erivan, Zé Neto, Luís e Valdomiro.

9º jogo
Guanabara 1 x 0 Expansão, gol de Walfredo
Guanabara: Braga, Raimundo e Reinaldo; Miguel, Farneze e Isaías; Nelício, Paulo, Walfredo, Artur e Agassis.
Expansão: Agnaldo, Alvassy e Dalton, Antônio, Amaral e Joaquim; Santos, Ronei, Marreco, Heleno e Hélio.

10º jogo
Planalto 1 x 0 Sobradinho, gol de Edson Galba, cobrando pênalti
Planalto: Issinha, Ventura, Ferreira e Rhodios; Wolney e Cardoso; Ferrete, Moreira, Carlos, Edson Galba e Prego.
Sobradinho: Ivan, Carrasco, Pedrinho e Braga; Passos e Valmir; Zinho, Gaguinho, Ramos, Armando e Segnoret.

11º jogo
Edilson Mota 1 x 0 Pederneiras, gol de Cardoso
Edilson Mota: Cabeludo, Roberto e Oswaldo; Cazuza, Divino e Maia; Dario, Cardoso, Gesil, Negrão e Alemão.
Pederneiras: Celestino, Hélio, Nogueira e Darci; Alcides e Antônio; Gotte, Coelho, Marcionilo, Valderez e Cotia.

12º jogo
Rabello 0 x 0 Guará
Na decisão por pênaltis, vitória do Rabello
Rabello: Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Délio e Alberto; Antônio, Léo, Baianinho, Nilo e Motorzinho.
Guará: Redola, Aderbal, Tostão e Clemente; Boneco e Eluff; Fernando, Carlos, Severo e Cleli. Obs.: o Guará atuou somente com 10 jogadores.

13º jogo
Planalto 1 x 0 Guanabara, gol de Carlos
Planalto: Issinha, Ventura, Ferreira e Rhodios; Wolney e Cardoso; Ferrete, Moreira, Carlos, Edson Galba e Prego.
Guanabara: Braga, Raimundo e Reinaldo; Miguel, Antônio e Isaías; Nelício, Paulo, Valfrido, Artur e Agassis.

14º jogo
Edilson Mota 0 x 0 Rabello
Na decisão por pênaltis, vitória do Rabello, por 3 x 2
Expulsão: Délio, do Rabello
Rabello: Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Délio e Alberto; Antônio, Léo, Baianinho, Nilo e Motorzinho.
Edilson Mota: Cabeludo, Roberto e Oswaldo; Cazuza, Divino e Maia; Dario, Cardoso, Gesil, Negrão e Alemão.

FINAL
Rabello 1 x 0 Planalto, gol de Nilo, cobrando pênalti
Rabello: Gaguinho, Leocádio e Paulo; Capixaba, Antônio e Alberto; Léo, Baianinho, Zé Carlos, Nilo e Motorzinho.
Planalto: Issinha, Ventura, Ferreira e Rhodios; Wolney e Cardoso; Ferreira, Moreira, Carlos, Édson Galba e Prego.

REGISTROS

Sete árbitros trabalharam nas partidas do torneio: Antônio Carlos Weitzel, Carlos Drumond, Vinícius Galba Capone, João Francisco de Sousa, João da Silva, Horácio Teixeira Ramos e José Francisco de Souza (Zé do Rio).

O Guará e o Nacional disputaram seus jogos com apenas dez atletas.

Segundo parecer dos técnicos que assistiram a todos os jogos do torneio, o meia-esquerda Nilo, do Rabello (foto), foi a melhor expressão individual e técnica.

Esteve muito fraco o policiamento no Estádio Israel Pinheiro. Apenas três guardar foram designados para esse trabalho.
Na cobrança das penalidades máximas, o público invadiu o campo sob os olhares complacentes dos policiais.
Bastante chateado, Jardel Noronha de Oliveira, presidente da FDB, dizia que a entidade fez inúmeros apelos ao comandante da corporação para que o policiamento da tarde esportiva merecesse atenção especial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário