Total de visualizações de página

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

# PASSARAM POR AQUI: Nilson Dias



Nilson Severino Dias, o Nilson Dias, nasceu no Rio de Janeiro (RJ), no dia 25 de janeiro de 1952.
Surgiu para o futebol nos infantis do Botafogo, do Rio de Janeiro, estreando no dia 10 de fevereiro de 1968, na vitória de 2 x 1 sobre o Madureira.
Sua estreia na equipe principal do Botafogo foi em 21 de abril de 1970, no Maracanã, no empate em 0 x 0 do Botafogo com o Vasco da Gama.
Em 1971, Nilson Dias participou da Seleção Brasileira de Novos que faturou o Torneio de Cannes, na França, conquistando também o segundo lugar no Torneio Sul-Americano de juniores, disputado no Paraguai.
No ano seguinte, sem maiores explicações, foi sacado do grupo que representou o Brasil nos Jogos Olímpicos de Munich, Alemanha.

No mesmo ano de 1972, em junho, encarou seu primeiro grande desafio quando foi emprestado ao Deportivo Cali, da Colômbia. Disputou 27 jogos e marcou dez gols. Com Nilson Dias no time, o Deportivo Cali venceu o Torneio “Finalización”. Na vitória sobre o Junior, de Barranquilla, no dia 24 de janeiro de 1973, Nilson Dias marcou dois gols na vitória por 3 x 0. Permaneceu no clube colombiano até fevereiro de 1973.
Nilson Dias abraçou de vez sua condição de titular quando retornou ao Botafogo, em 1973, sendo o principal goleador do time durante o campeonato brasileiro do mesmo ano.

Nilson Dias não deu sorte ao passar pelo Botafogo num período (década de 70) em que o clube viveu um jejum de conquistas. Não precisou ganhar títulos de expressão para se tornar ídolo da torcida do Botafogo.
Um desses títulos, por coincidência, aqui em Brasília. Nos dias 6 e 8 de setembro de 1974, jogando no estádio Mané Garrincha, o Botafogo venceu o Torneio Independência. Além do alvinegro carioca participaram Ceub-DF, Corinthians-SP e Vitória-BA. Para chegar ao título do torneio o Botafogo venceu o Corinthians, por 1 x 0, e o Vitória-BA, também por 1 x 0, os dois gols marcados por Nilson Dias.
Sua partida de despedida aconteceu em 28 de maio de 1978, no Maracanã, no empate do Botafogo com o Flamengo, em 1 x 1.
Faz parte da história do Botafogo como o 13º maior goleador alvinegro. Entre amistosos e competições oficiais, Nilson Dias disputou 302 jogos com a camisa do Botafogo, marcando 127 gols.
Foi artilheiro do Botafogo nos campeonatos cariocas de 1974 e 1975, em ambos com 18 gols marcados.
No dia 13 de novembro de 1975, no Maracanã, ao dividir uma bola com o lateral Zé Maria, do Corinthians, teve fratura no perônio e rompimento dos ligamentos do tornozelo direito.
Foram quase sete meses de recuperação de uma cirurgia com cinco parafusos e uma placa de platina. Em 21 de janeiro de 1976, mais uma cirurgia para retirar o reforço de platina de sua perna. Nilson Dias deu a volta por cima e retornou ao futebol.
Fez parte da equipe do Botafogo que atingiu uma invencibilidade de 52 jogos, entre 1977 e 1978, disputando 48 desses 52 jogos.
Em junho de 1978, Nilson Dias foi negociado com o Universidad Guadalajara, do México.
Retornou ao Brasil em fevereiro de 1981, contratado pelo Internacional, de Porto Alegre (RS), onde fez boas partidas.
Estreou no colorado gaúcho no dia 7 de março de 1981, no Beira-Rio, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro, marcando o gol da vitória de 1 x 0 sobre o Goiás.
Poucos dias depois, marcou os dois gols do empate de 2 x 2 com o Sport Recife.
Continuou marcando gols até o dia 28 de junho de 1981. Em jogo válido pelo campeonato gaúcho, o Internacional venceu o Brasil, de Pelotas, por 2 x 1, com um gol de Nilson Dias. Foi a última vez que defendeu o Internacional. O presidente José Asmuz sempre deixou claro que não pagaria os 40 milhões de cruzeiros pelo seu passe junto ao futebol mexicano. Nem mesmo uma pesquisa promovida pela Rádio Gaúcha, apontando que 65% dos torcedores do Internacional queriam sua permanência, foi o suficiente para Asmuz mudar seus planos.

Assim, foi emprestado pelo clube mexicano ao Santos, onde estreou no dia 16 de agosto de 1981, no Canindé, contra a Portuguesa de Desportos (0 x 0), em jogo do Campeonato Paulista desse ano.
No jogo seguinte, 19 de agosto, na vitória de 2 x 0 sobre o São José, Nilson Dias marcou seu primeiro gol com a camisa do Santos.
Ficou no clube paulista até abril de 1982. No dia 6 desse mês, fez seu último jogo pelo Santos, quando o clube paulista empatou com o Flamengo, no Morumbi, em 1 x 1.
Saindo do Santos, transferiu-se para o Santa Cruz, de Recife, onde chegou já com o campeonato pernambucano em andamento. Estreou no dia 18 de julho de 1982, em Caruaru, marcando o gol da vitória do Santa Cruz por 1 x 0. Permaneceu no clube pernambucano até o final de 1982.
Devolvido ao Santos ao final do contrato com o Santa Cruz, foi emprestado ao São Cristóvão para a disputa do Campeonato Carioca de 1983.
Em seguida defendeu o Acadêmica, de Coimbra (Portugal), nas temporadas 1983/1984 e 1984/1985 e o Olaria, em 1985.
Algumas fontes registram ainda passagens do jogador pelo Riffa Bahrain (Bahrein), e Central, de Barra do Piraí (RJ).

NA SELEÇÃO BRASILEIRA

Na Seleção Brasileira Sub-23 estreou no dia 26 de novembro de 1971, marcando o gol do empate em 1 x 1 com o Equador. Sua última participação foi em 17 de junho de 1972, na vitória de 4 x 1 sobre o Hamburgo, da Alemanha. Foram oito jogos e três gols.
Na Seleção Principal foram cinco jogos e um gol. Estreou no dia 23 de janeiro de 1977, na vitória de 1 x 0 sobre a Bulgária. Seu último jogo foi em 3 de março de 1977, marcando um gol na goleada de 6 x 1 sobre um Combinado Botafogo/Vasco da Gama.

Depois que largou o futebol, foi professor de uma escolinha de futebol do Iate Clube Jardim Guanabara, na Ilha do Governador.
Também desenvolveu um projeto de organização do Master do Botafogo juntamente com Mendonça, Maurício e outros craques e amigos de sua época, valorizando os tempos áureos do clube da estrela solitária.

PASSAGEM POR BRASÍLIA

Aos 35 anos, no dia 2 de maio de 1989, Nilson Dias se apresentou ao Sobradinho, sendo recebido pela diretoria do clube no Aeroporto Internacional de Brasília.
Seu contrato era de quatro meses.
Participou de dois coletivos e, no dia 7 de maio, fez sua estreia com a camisa do Sobradinho, na vitória de 3 x 1 sobre o Taguatinga, no estádio Augustinho Lima. Nilson Dias marcou dois gols.
Dez dias depois, enfrentou o Gama, no Bezerrão: empate em 1 x 1.
No dia 21 de maio, atuou em mais uma vitória do Sobradinho: 1 x 0 sobre o Brasília.
Conheceu sua primeira derrota no dia 25 de maio, diante do Ceilândia. O Sobradinho perdeu por 3 x 2.
Logo após esse jogo, Nilson Dias pediu rescisão de seu contrato, alegando problemas particulares e falta de campo para treinamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário